Fotografo: Marcos Vergueiro/Secom-MT
...
Política de Aprendizagem Profissional em Mato Grosso

O governador Mauro Mendes defendeu ser necessário que as instituições públicas possam dar o exemplo no que diz respeito a oportunizar espaço para aprendizagem profissional de jovens e adolescentes egressos do sistema socioeducativo.
 
Para o governador, é com o exemplo que será possível fazer com que mais empresas participem do programa de aprendizagem profissional e cumpram o que é exigido em lei, que prevê um percentual das contratações voltado a este público.
 
Mauro Mendes, que participou da abertura do painel “Política de Aprendizagem” na tarde desta terça-feira (12.11), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, afirmou que a união de forças dos poderes e instituições, além das federações, é fundamental para que os jovens possam ser inseridos no mercado de trabalho e, assim, consequentemente, trilharem o futuro.
 
“Esse trabalho é fundamental e tem que ser feito a quatro mãos por todas as instituições envolvidas, os poderes, as associações, federações e o setor produtivo. O Governo do Estado pretende dar o exemplo, buscando dentro das  nossas secretarias e dos nossos órgãos criar essas oportunidades. E, a partir daí, cobrarmos da iniciativa privada para que também coopere e colabore, para que possamos através da educação profissional dar oportunidades e criar uma alternativa para esses jovens”, destacou.
 
O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Carlos Alberto Alves da Rocha, ressaltou que o encontro é fundamental para que o setor empresarial se envolva na causa e possa obter informações mais precisas sobre como proceder para empregar um menor e “ajudá-lo em seu crescimento”.
 
“Nós temos dito sempre que o jovem é o futuro da nação, chegou a hora e o futuro está aí. Nós devemos encaminhá-los da forma mais adequada possível e a sociedade tem esse dever também”, disse.
 
Para a presidente do Tribunal Regional do Trabalho, desembargadora Eliney Veloso, a aprendizagem é um “mundo novo e cabe a nós promovermos a transformação desses jovens”. 
 
“Colocá-los no mercado de trabalho é tirá-los do risco e de péssimas influências do mundo da criminalidade”, pontuou, defendendo ainda que o empresário precisa “se sensibilizar para o cumprimento da cota exigida na lei, pois a legislação tem uma finalidade, a de transformar a vida dos jovens”.
 
O evento também contou com a participação da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e da Superintendência Regional do Trabalho de Mato Grosso.