Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Segunda-Feira, 18 de Janeiro de 2021 - 13:46
13/12/2020 as 15:01:07 | Por CPB | 272
Sábado: experimentando e vivendo o caráter de Deus
O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado
Fotografo: CPB
O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado

Lição 12
12 a 18 de dezembro
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Hb 1-3
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “E acrescentou: O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do Homem é Senhor também do sábado” (Mc 2:27, 28).
 
LEITURAS DA SEMANA: Gn 1; 2; Êx 16:14-29; Is 58:1-14; Mt 12:1-13; Lc 13:10-17
 
Jodie era a única adventista do sétimo dia em seu programa de pós-graduação, e sua escolha de não participar de eventos sociais no sábado tornou suas crenças muito visíveis.
 
Certo dia, uma de suas amigas, Gayle, lhe telefonou. O marido de ­Gayle ficaria fora da cidade por seis semanas, e ela perguntou se Jodie gostaria de passar com ela as seis sextas-feiras seguintes, à noite, pois sabia que Jodie não fazia “nada” nessas noites.
 
Nas quatro sextas-feiras seguintes à noite, elas jantaram juntas, tocaram música, compartilharam suas experiências cristãs e curtiram a companhia uma da outra. No quinto fim de semana, Gayle disse a Jodie que estava fazendo compras no centro, quando olhou para o relógio. “Ah, que bom”, pensou ela. “Logo vai ser sábado!” De repente, ela percebeu que nas quatro noites de sexta-feira, ela havia experimentado algo novo em sua experiência cristã. Gayle havia se desenvolvido, aprendido mais sobre seu Deus e aprofundado sua fé. O sábado tinha sido uma oportunidade de aprendizado e desenvolvimento pessoal.
 
Essa é uma história interessante que nos ensina a pensar que o sábado não é apenas um dia ou ocasião para descanso, mas também um meio de educação.

Domingo, 13 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 4-6
Tempo para admirar
 
Você já se perguntou por que Deus escolheu nos apresentar dois relatos harmoniosos da criação nos dois primeiros capítulos da Bíblia? Gênesis 1 relata a semana da criação e a maravilha da Terra, à medida que ela recebia forma e vida, culminando na criação do homem e da mulher no sexto dia. Gênesis 2 considera a mesma história, mas de uma perspectiva diferente, com um foco especial no sexto dia. Adão está no centro do relato, e tudo é descrito como se estivesse ali para ele e para a mulher: o jardim, os rios, os animais e, evidentemente, a mulher.
 
A criação é muito profunda para um único relato. Primeiramente, aprendemos sobre o poderoso e artístico Criador que tem uma inclinação para a perfeita beleza. Em seguida encontramos o Deus dos relacionamentos, que deseja que os seres humanos amem e cuidem uns dos outros e do restante da criação.
 
1. Leia Gênesis 1 e 2. Como o primeiro sábado (Gn 2:1-3) se relaciona ao primeiro e ao segundo relato da criação? O que significa a bênção de Deus para o sábado e a santificação desse dia?
 
Imagine que você seja Adão ou Eva naquele primeiro sábado. É seu primeiro dia de vida, seu primeiro dia com seu cônjuge e seu primeiro dia com Deus. Um dia de muito aprendizado! Você começa a aprender sobre o Deus que criou tanta beleza. Você fica maravilhado ao ver um elefante e depois uma rã – cada um deles é uma criatura singular. Você sorri ao ver as travessuras da girafa ou do búfalo. Fica em silêncio, maravilhado com as muitas cores e formas, extasiado pela sinfonia dos sons; você sente uma grande satisfação com a variedade de delícias do paladar e dos aromas e gosta de explorar as diferentes texturas. Acima de tudo, você começa a aprender sobre relacionamentos: responsabilidade, cuidado, amor. Você experimenta tudo isso com seu Criador e começa a praticar essas coisas com o restante das criaturas.
 
O primeiro sábado não poderia ter sido uma experiência passiva, mas uma oportunidade de se concentrar no Criador e na criação. Era hora de se surpreender.

Segunda-feira, 14 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 7-9
Tempo de redescoberta
 
Quando Deus pediu a Moisés que tirasse os israelitas do Egito, ficou claro que a multidão havia perdido a noção de que eram filhos de Deus. Eles precisavam redescobrir quem era o Deus que lhes pedia adoração e lhes dava tantas promessas de um futuro maravilhoso. O sábado foi uma experiência essencial de aprendizado na jornada de redescoberta. Ele também se tornou um sinal claro às nações da relação especial entre Deus e os israelitas. A experiência do maná simboliza perfeitamente a maneira pela qual Deus educa Seu povo.
 
2. Em Êxodo 16:14-29, quais lições os israelitas deviam aprender?
 
A.(  ) Deus os sustentaria a cada dia e proveria o maná dobrado na ­sexta-feira.
B.(  ) Eles deviam fazer a parte deles e sempre estocar o maná.
 
Deus providenciou o milagre do maná para os israelitas, dando-lhes o alimento suficiente para cada dia. Se Ele lhes desse mais do que aquela quantidade, eles poderiam esquecer quem era o seu Provedor. Portanto, todos os dias Ele realizava um milagre por aquele povo, e ele via o cuidado de Deus. Contudo, a situação era diferente no sábado, assim como esse dia deveria ser especial. Naquela ocasião, dois milagres eram realizados: eles recebiam o alimento dobrado na sexta-feira, e ele não estragava da noite para o dia. Isso permitia que o sábado fosse reservado para que os israelitas se maravilhassem com o Deus que era seu Libertador e redescobrissem o que significava ser o povo de Deus.
 
Os israelitas deviam comer esse maná por 40 anos (Êx 16:35). Deus também instruiu Moisés a guardar um jarro do maná para lembrar os israelitas de como Ele os havia alimentado no deserto (Êx 16:32, 33, NVI). O maná seria também um lembrete da experiência especial do dia de sábado. Há também outras ocasiões em que Deus deixou claro para os israelitas que o sábado é especial.
 
O sábado foi um meio pelo qual Deus ajudou os israelitas a redescobrir sua identidade e seu Deus. O Senhor lhes ordenou que obedecessem e santificassem o sábado, mas isso ocorreu no contexto do desenvolvimento de uma compreensão mais profunda do caráter de seu Criador e de um relacionamento duradouro com base nas promessas da aliança.

Terça-feira, 15 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 10, 11
Tempo para descobrir prioridades
 
Os altos e baixos da experiência de Israel com Deus estavam intimamente ligados à maneira pela qual o povo se relacionava com o sábado. Deus considerava a relutância deles em respeitar o sábado como um sinal de Sua irrelevância na vida do povo (Jr 17:19-27). Um compromisso renovado com o sábado também fazia parte da restauração – um sinal de que as prioridades estavam corretas. Isaías 58 retrata um contraste interessante.
 
3. O que Deus disse ao Seu povo em Isaías 58:1-14? Por que isso é relevante para nós hoje?
 
Os israelitas estavam se passando por seguidores de Deus em sua adoração e em seu jejum. Porém, sua maneira de viver depois que acabavam de adorar mostrava que eles estavam apenas fingindo um comportamento correto; não havia compromisso sincero com a lei de Deus. Isaías prosseguiu, no capítulo 58, identificando o que Deus esperava de Seu povo.
 
Isso não é tudo. Leia Isaías 58:13, 14. Por que Deus Se concentrou no sábado no fim desse capítulo? Nesses versos, o profeta usou frases semelhantes às do restante do capítulo: que te desvies de cuidar “dos teus próprios interesses”; não sigas “os teus caminhos”; não pretendas “fazer a tua própria vontade” nem fales “palavras vãs”, advertiu o profeta. Em outras palavras, o sábado não é o tempo para seguir a rotina de adoração enquanto acalentamos nossos próprios pensamentos e vivemos de maneira indiferente à genuína vida de adoração. O sábado deve ser “deleitoso” e “digno de honra”. No contexto do restante do capítulo, o sábado diz respeito a nos deleitarmos em descobrir o caráter e os propósitos de Deus, e então viver esse caráter e esses propósitos em nossa relação com os outros. Não basta conhecer a forma da observância e da adoração no sábado. O aprendizado deve impactar a vida. O sábado é o tempo para descobrir e viver prioridades.

Quarta-feira, 16 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 12, 13
Tempo para encontrar o equilíbrio
 
Jesus respeitou e confirmou a Lei de Deus (Mt 5:17, 18). No entanto, Ele também Se opôs à liderança religiosa em relação à interpretação da Lei. Nenhuma de Suas atitudes foi mais ameaçadora para as autoridades da época do que as escolhas que Ele fez acerca da guarda do sábado. As sinagogas não deixavam de fazer do sábado uma oportunidade de educação – a Torá era lida e interpretada sem falta. Os escribas e fariseus conheciam a letra da Lei. No entanto, acerca do dia de sábado, Jesus foi muito além na educação de Seus seguidores.
 
4. Leia Mateus 12:1-13 e Lucas 13:10-17. O que Jesus ensinou às pessoas de Seu tempo, e a nós hoje, com esses eventos? Assinale a alternativa correta:
 
A. ( ) Ele ensinou que o sábado e a Lei estavam abolidos.
B. ( ) Devemos fazer o bem no sábado, pois ele foi feito por nossa causa.
 
As controvérsias acerca da cura realizada por Jesus no sábado levam a importantes debates espirituais sobre a natureza do pecado, a razão para o sábado, o relacionamento entre Jesus e o Pai e a natureza da autoridade do Salvador.
 
A atitude de Cristo em relação ao sábado está bem resumida no verso para memorizar desta semana: Ele disse: “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado” (Mc 2:27, 28). Ele queria enfatizar que o sábado não deveria ser um fardo, mas foi “estabelecido” (criado) como uma oportunidade singular para que as pessoas aprendessem sobre o caráter do Deus que fez o sábado e aprendessem experimentalmente, valorizando Sua criação.
 
Ao levantar questões por meio de Suas ações, Jesus impulsionou Seus discípulos, os líderes judeus e as multidões a refletir mais profundamente sobre as Escrituras e sobre o significado de sua fé e de seu Deus. É muito fácil ficarmos envolvidos com regras e regulamentos que não são propriamente ruins, mas que se tornam um fim em si mesmos, em vez de meios para um fim – e esse fim deve ser um conhecimento do caráter do Deus a quem servimos. E isso, então, leva à nossa fiel obediência a Ele, fundamentada em nossa confiança nos méritos da justiça de Cristo por nós.

Quinta-feira, 17 de dezembro
Ano Bíblico: Tiago
Tempo para a comunidade
 
Jesus deu o exemplo para Seus discípulos em relação à prática de frequentar semanalmente a sinagoga. Após Sua ressurreição, eles continuaram esse padrão, assim como outros seguidores de Jesus. A sinagoga se tornou um dos principais locais para os apóstolos levantarem questões relacionadas à ressurreição, e o sábado proporcionava uma oportunidade essencial para a comunidade se reunir e aprender. Afinal, Jesus era o Messias hebreu, profetizado no Antigo Testamento, sobre quem liam na sinagoga todos os sábados. Não havia melhor lugar para os cristãos promoverem ­Jesus do que na sinagoga, especialmente quando testemunhavam a judeus e a outros que também temiam a Deus (At 13:16, 26).
 
5. Leia os textos a seguir. Como os seguidores de Jesus testemunharam em locais públicos? Pense nos lugares em que eles discursaram, com quem estavam falando, o que foi dito e quais foram os resultados. At 13:14-45; 16:13, 14; 17:1-5; 18:4
 
O testemunho dos apóstolos era pessoal e bíblico. Paulo discorreu sobre a história de Israel, começando pelos “nossos pais” (At 13:17) no Egito, e acompanhou a história deles desde seu estabelecimento na terra prometida até os juízes, chegando ao período dos reis, até o rei Davi, a partir do qual ele fez uma adequada transição para Jesus.
 
Paulo e os outros também mostraram como sua experiência e entendimento pessoal faziam sentido no contexto das Escrituras. Eles apresentaram informações, argumentaram e discutiram. A associação do testemunho pessoal com as Escrituras por meio da pregação, do ensino e da discussão foi muito poderosa. Como mostram as passagens da Bíblia, alguns líderes religiosos tiveram inveja da autoridade dos apóstolos e do poder resultante que eles tinham sobre o povo, tanto sobre os judeus quanto sobre os gentios.
 
A Igreja Adventista do Sétimo Dia também tem uma poderosa história de incentivo aos testemunhos e exposição das Escrituras por meio da pregação e do ensino. A associação da Escola Sabatina com o culto divino (pregação) e outras reuniões de sábado (cultos jovens, por exemplo) proporcionam uma forte base educacional formal para a adoração adventista do sétimo dia. Embora isso precise ser complementado com outras experiências de aprendizado, é essencial para a experiência educacional do sábado.

Sexta-feira, 18 de dezembro
Ano Bíblico: 1 Pedro
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White: O Desejado de Todas as Nações, p. 281-289 (“­Cristo e o quarto mandamento”).
 
“Nenhuma outra instituição dada aos judeus tendia a distingui-los tão completamente das nações vizinhas como o sábado. Era intenção do Senhor que sua observância os designasse como Seus adoradores. Seria um sinal da separação da idolatria e ligação com o verdadeiro Deus. Mas, a fim de santificar o sábado, as pessoas precisam ser elas mesmas santas. Devem, pela fé, tornar-se participantes da justiça de Cristo. Quando foi dado a Israel o mandamento: ‘Lembra-te do dia de sábado, para o santificar’ (Êx 20:8), o Senhor disse também: ‘Vocês serão Meu povo santo’ (Êx 22:31, NVI). Só assim o sábado poderia distinguir os israelitas como adoradores de Deus” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 283).
 
“Portanto, o sábado é um sinal do poder de Cristo para nos fazer santos [...]. Como sinal de Seu poder santificador, o sábado é dado a todos quantos, por meio de Cristo, se tornam parte do Israel de Deus” (ibid., p. 288, 289).
 
Perguntas para consideração
 
1. Muitas vezes, os adventistas do sétimo dia passam tempo considerando o que não é lícito fazer aos sábados. Desenvolva um conjunto de perguntas que mantenham os observadores do sábado concentrados nos ideais discutidos nesta lição e que enfatizam o sábado como uma experiência educativa. Por exemplo: “Quais atividades realizadas no sábado me permitem aprender mais sobre o caráter de Deus?”.
 
2. Considere as citações de Ellen G. White mencionadas. Elas sugerem que não é somente a formalidade de guardar o sábado que distingue os guardadores do sábado na comunidade. Como se parecem os “participantes da justiça de Cristo” e que foram feitos “santos”? O que isso tem a ver com o sábado?
 
3. De que maneira você pode enriquecer sua experiência no sábado? O que você gostaria de aprender por meio da observância do sábado nos próximos 12 meses?
 
Respostas e atividades da semana: 1. Deus abençoou e santificou o sábado como dia especial de descanso e de intimidade com Ele. Santificando o sábado nos unimos ao Criador apresentado no capítulo 1 e fortalecemos os relacionamentos destacados no segundo capítulo de Gênesis. 2. A. 3. Deus expôs as verdadeiras intenções das pessoas quando elas jejuavam e se achegavam a Ele. Na realidade, o coração do povo estava longe do Senhor. Devemos refletir sobre nossas verdadeiras intenções ao nos aproximarmos de Deus e repensar nossas prioridades. 4. B. 5. Os seguidores de Cristo testemunhavam de seu Mestre aos sábados, nas sinagogas e em meio à natureza. Eles falavam não apenas a partir de um conhecimento das Escrituras, que lhes havia sido passado por meio da educação, mas a partir de uma experiência pessoal com Cristo e de um relacionamento com as pessoas.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil