Fotografo: Divulgação
...
Todos os envolvidos são suspeitos de integrar uma rede de compartilhamento de pornografia infantil no Brasil

 
Operação da Polícia Federal prende 15 pessoas no país, sendo 13 no Distrito Federal. Todos são acusados de compartilhar imagens de meninos e meninas na internet. Segundo especialistas, a prática encoraja os abusos
 
Uma longa investigação da Polícia Federal resultou em 15 prisões no Distrito Federal e em Goiás. Todos os envolvidos são suspeitos de integrar uma rede de compartilhamento de pornografia infantil no Brasil. O armazenamento, a produção e a divulgação de conteúdo pornográfico de crianças e adolescentes na internet é apontado por especialistas como passo inicial para a evolução desses crimes para abusos sexuais. Na capital do país, somente no ano passado, houve 185 comunicados de violência sexual no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), contra 217, em 2014, e 303, em 2013.
 
Durante a Operação Láquesis, cerca de 150
A PF apreendeu computadores e, com um dos acusados, 300 HDs externos: material sob investigação
policiais federais cumpriram 35 mandados de busca e apreensão. Desse total, 29 ocorreram em Brasília. No momento da abordagem, um dos acusados engoliu um pendrive. Em outra, a PF surpreendeu um servidor da Câmara dos Deputados com 300 HDs externos. Além do DF e de Anápolis, os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão em Vila Velha (ES), em Sinop (MT) e em Cuiabá (MT). Dos presos, 13 são do Distrito Federal e dois, do município goiano.
 
Segundo o chefe do Grupo de Crimes Cibernéticos da Polícia Federal no DF, Stênio Santos Souza, as investigações tiveram início entre janeiro e março do ano passado. A PF descobriu uma rede de compartilhamento de pornografia infantil e, em seguida, identificou os suspeitos em acessos de ponto a ponto na internet. “Tínhamos conhecimento desse tipo de compartilhamento e decidimos monitorar a internet. Inicialmente, o relacionamento dos suspeitos era apenas por meio do conteúdo. Temos somente alguns que se conheciam pessoalmente”, detalhou.