Fotografo: CPB
...
Perdas

Lição 9
25 a 31 de maio
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Ne 1–4
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo” (Fp 3:8).
 
LEITURAS DA SEMANA: Mc 5:22-24, 35-43; 1Pe 5:6, 7; Gn 37:17-28; Lc 16:13; Rm 6:16; 1Co 15:26
 
No momento em que Adão e Eva comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, eles sofreram sua primeira perda, a da inocência. Essa inocência perdida foi substituída pelo egoísmo, pelo conflito, pela culpa e pelo desejo de controlar e exercer supremacia sobre os outros.
 
Logo após a queda, eles testemunharam a primeira perda de vida ao receberem peles de animais para cobrir sua nudez. Banidos do acesso à árvore da vida para que não comessem e vivessem para sempre, eles também perderam seu lar, o jardim perfeito, e anos depois perderam seu filho, Abel, nas mãos de seu irmão, Caim. No fim, um deles perdeu o cônjuge e, finalmente, o parceiro sobrevivente perdeu a própria vida. Tantas perdas vieram como resultado de uma única decisão!
 
Todos conhecemos a realidade e a dor da perda e sentimos mais profundamente quando ela nos atinge no âmbito familiar. E não é de admirar, pois na família temos nossos laços mais próximos. Portanto, a perda na família, em suas muitas formas, nos atinge da maneira mais dolorosa.
 
Nesta semana, continuaremos examinando a vida familiar e destacaremos o contexto das diversas perdas.
 

 

Domingo, 26 de maio
Ano Bíblico: Ne 5–8
Perda da saúde
 
 
Há milhares de anos estamos separados da árvore da vida; e percebemos isso, especialmente em relação à nossa saúde física. Mais cedo ou mais tarde, a menos que morramos jovens por uma situação fatal, chegamos à dura realidade da perda da saúde.
 
E, por mais difícil que seja a perda da saúde, não é muito mais doloroso quando ela ocorre conosco ou com alguém da nossa família? Quantos pais e mães, especialmente ao lidarem com um filho doente, desejaram que fossem eles que estivessem enfermos em vez de seu filho? Infelizmente, essa escolha não cabe a nós.
 
1. O que os seguintes relatos têm em comum? Mc 5:22-24, 35-43; Mt 15:22-28; Lc 4:38, 39; Jo 4:46-54. Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) Todas as pessoas curadas nesses relatos eram mulheres.
 
B. (  ) A insistência de familiares para que Jesus curasse o enfermo.
 
Em todos esses casos, e certamente em muitos outros, alguém suplica a ajuda de Jesus em favor de outro membro da família.
 
Sofremos porque vivemos em um mundo caído. Quando o pecado entrou no planeta, o resultado não foi apenas a morte, mas também dores e enfermidades crônicas. Quando nos deparamos com uma doença crônica ou terminal, podemos ficar chocados, desesperados, irados e até sentir vontade de gritar: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido?” (Sl 22:1). Como fez Davi, faríamos bem em levar nossas perguntas, ira e dor a Deus.
 
Em muitos aspectos, a doença e o sofrimento permanecerão um mistério até que a morte seja finalmente derrotada no retorno de Jesus. Ao mesmo tempo, podemos extrair importantes verdades da Palavra de Deus. Embora tivesse sofrido uma dor inexprimível, Jó experimentou uma intimidade mais profunda com Deus. Ele explicou: “Eu Te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos Te veem” (Jó 42:5). Paulo teve uma doença crônica, e a maneira pela qual ele lidou com ela revela que o sofrimento pode nos habilitar a confortar outras pessoas, nos dar compaixão por outros sofredores e nos capacitar a ministrar de maneira mais eficaz (2Co 1:3-5),
isto é, se não permitirmos que ele nos destrua.
 

 

Segunda-feira, 27 de maio
Ano Bíblico: Ne 9–11
Perda da confiança: parte 1
 
 
Todos somos pessoas pecaminosas e disfuncionais que, em algum momento, nos mostraremos indignas da confiança que alguém depositou em nós. E quem já não foi vítima da traição de alguém em quem confiava? Por mais difícil que seja essa perda, é sempre muito pior quando essa situação envolve alguém da família.
 
Às vezes parece mais fácil fugir quando decidimos que o relacionamento não vale o esforço da reconstrução. Evidentemente, não é tão fácil quando a pessoa é um membro da família, como o cônjuge. Poderíamos dizer que um dos propósitos do casamento é nos ensinar a lição de reconstruir a confiança quando ela é quebrada.
 
2. Quando a confiança em um relacionamento fica comprometida, como podemos curá-la e restaurá-la? 1Pe 5:6, 7; 1Jo 4:18; Tg 5:16; Mt 6:14, 15
 
 
Reconstruir a confiança quebrada é uma jornada; devemos dar um passo de cada vez. A jornada começa com um sincero reconhecimento da dor causada e a confissão da verdade, não importa qual seja a ofensa nem quem seja o ofensor.
 
Quando o adultério é a causa do rompimento, a cura começa quando o traidor confessa. Como parte do processo de cura, a confissão deve acompanhar a completa transparência por parte do traidor. Nada deve permanecer oculto, ou então, quando for descoberto (e será descoberto), a confiança restabelecida será destruída. E quando a confiança é quebrada uma segunda vez, torna-se ainda mais difícil restaurá-la.
 
Reconstruir a confiança requer tempo e paciência. Quanto mais grave a ofensa, mais tempo levará para ser reparada. Devemos aceitar o fato de que, às vezes, parece que estamos dando dois passos para frente e três para trás. Um dia parece que há esperança para o amanhã e, no dia seguinte, temos vontade de fugir. No entanto, muitos conseguiram reconstruir seu relacionamento rompido e desenvolveram um casamento mais profundo, íntimo, satisfatório e feliz.
 

 

Terça-feira, 28 de maio
Ano Bíblico: Ne 12, 13
Perda da confiança: parte 2
 
 
Outra maneira de perder a confiança é a prática da violência familiar. Por mais impensável que seja, pesquisas revelam que o lar é o ambiente mais violento da sociedade. A violência familiar atinge todo tipo de família, incluindo lares cristãos. E consiste em qualquer agressão cometida por uma ou mais pessoas contra alguém da família: verbal, física, emocional, sexual e negligência ativa ou passiva.
 
3. A Bíblia inclui relatos de violência familiar, mesmo entre o povo de Deus. Quais são seus pensamentos e sentimentos ao ler esses versículos? Por que essas histórias foram preservadas nas Escrituras? Gn 37:17-28; 2Sm 13:1-22; 2Rs 16:3; 17:17; 21:6
 
Um comportamento abusivo é a escolha consciente de uma pessoa de exercer poder e controle sobre outra. Não pode ser explicado nem justificado pelo alcoolismo, estresse, necessidade de satisfazer os desejos sexuais, necessidade de controlar melhor a ira nem por algum comportamento das vítimas. As pessoas prejudicadas não são responsáveis pelo abuso cometido pelo abusador. Os abusadores distorcem e pervertem o amor, pois “o amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor” (Rm 13:10). O tratamento profissional pode facilitar a mudança no comportamento de um abusador, mas somente se a pessoa assumir a responsabilidade por seu comportamento e procurar essa ajuda. Ao que estiver aberto à presença de Deus, Ele é capaz de fazer infinitamente mais para ajudar o abusador a parar de abusar, a se arrepender de suas atitudes e comportamento, a fazer restituição de todas as maneiras possíveis e a incorporar as qualidades do amor ágape para curar seu coração e capacitá-lo a amar as outras pessoas (compare com Ef 3:20).
 

 

Quarta-feira, 29 de maio
Ano Bíblico: Et 1–4
Perda da liberdade
 
 
Só Deus sabe quantos milhões, até bilhões de pessoas, lutam contra algum vício. Até hoje os cientistas ainda não compreendem exatamente o que causa o vício, embora em alguns casos eles possam ver a parte do cérebro em que os anseios e desejos estão localizados.
 
Infelizmente, encontrar a “localização” desses vícios não é a mesma coisa que obter a libertação deles.
 
O vício é um problema para todos, não apenas para o viciado. Pais, cônjuges e filhos sofrem muito quando alguém da família está sob o domínio de um poder do qual ele simplesmente não consegue se livrar.
 
Drogas, álcool, fumo, jogos de azar, pornografia, sexo, e até mesmo comida – o que transforma essas coisas em vícios é a natureza habitual e progressiva de seu uso ou abuso. Somos incapazes de parar mesmo quando sabemos que o vício está nos prejudicando. Embora desfrutemos da liberdade de escolha, tornamo-nos escravos de tudo aquilo em que estamos viciados e, portanto, perdemos a liberdade. Pedro tinha uma explicação simples sobre o que é um vício e quais são seus resultados: “Prometendo-lhes liberdade, eles mesmos são escravos da corrupção, pois o homem é escravo daquilo que o domina” (2Pe 2:19, NVI).
 
4. O que pode levar as pessoas ao vício? Lc 16:13; Rm 6:16; Tg 1:13-15; 1Jo 2:16. Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
 
A. (  ) A cobiça, a concupiscência da carne e dos olhos e a soberba da vida.
 
B. (  ) A liberdade de escolha e as injustiças sociais.
 
Pecado e vício não são necessariamente a mesma coisa. Você pode cometer um pecado no qual não é viciado, embora frequentemente ele possa se transformar em um vício. É muito melhor, mediante o poder de Deus, parar com o pecado antes que ele se torne um vício. A única solução duradoura para o problema do pecado e do vício é receber um novo coração. “Os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências” (Gl 5:24). Paulo também explicou aos romanos o que significa morrer para aquela natureza pecaminosa e viciante, a fim de que possamos viver para Cristo (Rm 6:8-13). Ele também disse: “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Rm 13:14).
 

 

Quinta-feira, 30 de maio
Ano Bíblico: Et 5–7
Perda da vida
 
 
Como seres humanos, conhecemos a realidade da morte. Lemos a respeito dela, convivemos com ela e talvez até tenhamos chegado perto de enfrentá-la.
 
5. Leia 1 Coríntios 15:26. Como a morte é descrita? Por que ela é descrita dessa maneira?
 
Quem, tendo perdido uma pessoa amada, não sente pessoalmente o quanto a morte é um inimigo poderoso? Por outro lado, os mortos estarão em “boas circunstâncias”, caso eles fechem os olhos no Senhor e, em um tempo que pareça apenas um instante, sejam ressuscitados para a imortalidade. “Para o crente a morte não é senão de pouca importância. [...] Para o cristão a morte não é mais que um sono, um momento de silêncio e escuridão. A vida está escondida com Cristo em Deus, e ‘quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifestar, então também vós vos manifestareis com Ele em glória’” (Cl 3:4; Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 787).
 
Os vivos, especialmente os amigos ou familiares do falecido, conhecem a dor e a tristeza após a morte. O fato é que o luto é uma resposta natural e normal à perda. É o sofrimento emocional que vivenciamos quando algo ou alguém que amamos nos é tirado.
 
O processo do luto não é igual para todos, mas a maioria das pessoas passa por vários estágios. Normalmente, a primeira reação à morte de um ente querido é o choque e a negação, mesmo quando a morte é esperada. O choque é a proteção emocional por ser subitamente esmagado pela perda e dura de dois a três meses. Podemos também passar por um momento em que somos constantemente consumidos por pensamentos sobre o ente querido, mesmo durante tarefas comuns. Muitas vezes as conversas se voltam para nossa perda ou para a pessoa querida. Esse período pode durar de seis meses a um ano.
 
O estágio do desespero e depressão é um longo período de pesar, provavelmente o estágio mais doloroso e prolongado, durante o qual gradualmente aceitamos e lidamos com a realidade da perda. Nesse estágio, podemos sentir emoções como ira, culpa, arrependimento, tristeza e ansiedade. O objetivo do luto não é eliminar a dor ou as lembranças da nossa perda. No estágio final da recuperação, começamos a ter interesse renovado nas atividades diárias e a exercer nossas funções normalmente.
 

 

Sexta-feira, 31 de maio
Ano Bíblico: Et 8–10
Estudo adicional
 
 
Muitos sofrem como resultado de seus vícios. Eles se tornam escravos de seus desejos e perdem dinheiro, trabalho, saúde e liberdade. Mas Jesus veio para nos libertar do nosso pecado e de todos os nossos vícios. Se, pois, o Filho nos libertar, verdadeiramente seremos livres (Jo 8:36). Jesus também prometeu que sempre estaria conosco (Mt 28:20; Is 43:2); portanto, não temos que enfrentar essa guerra sozinhos. Na verdade, devemos nos lembrar de que a batalha é do Senhor (1Sm 17:47) e Ele promete a vitória (1Pe 1:3-9). Hoje podemos começar a trilhar o caminho da vitória sobre todo vício e receber a liberdade que desejamos e que Deus quer para nós. Isso não significa que não teremos lutas nem significa que não podemos, às vezes, falhar. Mas a boa notícia é que, desde que não desistamos do Senhor, Ele não desistirá de nós. E, evidentemente, não há nada de errado em procurar também ajuda profissional. Assim como o Senhor usa um médico para ajudá-lo com problemas de saúde, Ele também pode guiar um conselheiro profissional para o ajudar na questão do vício.
 
“Quando nos assediam dificuldades e provações, devemos fugir para Deus e confiantemente esperar auxílio Dele, que é poderoso para salvar e forte para livrar. Temos que pedir as bênçãos de Deus, se é que as queremos receber. A oração é um dever e uma necessidade; não negligenciamos, porém, o louvor? Não deveríamos mais frequentemente render ações de graças ao Doador de todas as nossas bênçãos? Precisamos cultivar a gratidão. Devemos frequentemente contemplar e contar de novo as misericórdias de Deus e louvar e glorificar o Seu santo nome, mesmo quando passamos por tristeza e aflição” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 268).
 
Perguntas para discussão
 
1. Qual é a função do perdão na restauração de um relacionamento rompido? (Mt 6:12-15; 18:21, 22) “O amor [...] não se ressente do mal” 
(1Co 13:4, 5).
 
2. Qual é o benefício de contemplar e relatar as misericórdias de Deus ao passarmos por tristeza e aflição?
 
3. Como podemos, como igreja, ajudar os que estão sofrendo com qualquer tipo de perda?
 
Respostas e atividades da semana:
 
1. B.
 
2. Por meio do amor, quando confessamos os nossos pecados a Deus e uns aos outros e concedemos o perdão.
 
3. Peça que os alunos descrevam resumidamente os episódios apresentados nas passagens bíblicas e comentem a questão.
 
4. V; F.
 
5. A morte é descrita como nosso último inimigo a ser vencido, pois de todas as coisas deste mundo pecaminoso a morte é a última consequência do pecado.