Fotografo: CPB
...
A leitura da Palavra

Lição 6
02 a 08 de novembro
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Jo 12, 13
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Leram no livro, na Lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia” (Ne 8:8).
 
LEITURAS DA SEMANA: Ne 8:1-12; Dt 31:9-13; Mt 17:5; At 8:26-38; Lv 23:39-43
O muro de Jerusalém foi terminado. Com a colocação dos portões, os israelitas, sob a liderança de Neemias, haviam completado a tarefa principal. Quando o muro foi concluído, as nações vizinhas ficaram admiradas e “reconheceram que o” Deus dos israelitas “fizera esta obra” (Ne 6:16; ARC). Os inimigos perceberam que o Senhor de Israel era verdadeiro porque, apesar da imensa oposição e ódio que os israelitas haviam enfrentado, eles tinham concluído a obra que se haviam proposto a fazer.
 
Após a conclusão do muro, Neemias nomeou um governador para Jerusalém (seu irmão Hanani) e um líder para a cidadela (Hananias). Ambos os homens foram escolhidos com base na integridade, confiabilidade e reverência a Deus (Ne 7:2), não na genealogia. O muro foi concluído durante o mês de elul (6o mês; Ne 6:15).
 
Qual seria a próxima tarefa? Os capítulos seguintes de Neemias (8 a 10) descrevem uma importante série de acontecimentos no mês de tishri, o
7o mês (Ne 8:2). Nesses textos vemos como os filhos de Israel estavam determinados a obedecer à Palavra de Deus e o quanto eles se regozijavam nela.

Domingo, 03 de novembro
Ano Bíblico: Jo 14, 15
O povo se reúne
 
1. Leia Neemias 8:1, 2. Qual era a importância da Palavra de Deus para o povo? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
 
A.(  ) A Palavra tinha muita importância, pois ela continha a Lei que Deus havia prescrito a Israel.
 
B.(  ) Nenhuma, pois os padrões culturais foram mudados depois do exílio.
 
Quando os judeus finalmente terminaram a construção do muro e se mudaram para Jerusalém, todos se reuniram na praça da cidade no sétimo mês, o mês de tishri. Esse talvez fosse o mês mais importante para os israelitas, por ser dedicado à Festa das Trombetas (preparação para o juízo de Deus, no 1o dia do mês), ao Dia da Expiação (o dia do juízo, no 10o dia do mês) e à Festa dos Tabernáculos (que servia como lembrança da libertação do Egito que Deus tinha realizado e de Sua provisão durante a jornada pelo deserto, com início no 15o dia do mês). A reunião aconteceu no primeiro dia do mês, com a celebração da Festa das Trombetas. Os ­líderes reuniram os homens e as mulheres da nação para essa assembleia especial a fim de conceder-lhes, mediante a leitura da Lei, uma oportunidade de aprender sobre seu Deus e sua história.
 
O povo pediu que Esdras trouxesse o livro da Lei de Moisés perante eles e o lesse. Eles até construíram uma plataforma, ou um púlpito, para a ocasião. Não foi algo que os líderes impuseram à congregação. Pelo contrário, o povo pediu que Esdras trouxesse o livro. É provável que ele tenha lido para o povo os livros de Moisés, que incluíam a Lei dada a Moisés no Monte Sinai.
 
2. Leia Deuteronômio 31:9-13. O que Moisés disse ao povo, e quais lições podemos extrair dessas palavras para nós?
 
Em Deuteronômio 31:9-13, Moisés disse aos israelitas que, durante a Festa dos Tabernáculos, eles deveriam se reunir e ler juntos a Lei de Deus. Ele mencionou os vários grupos que deveriam se reunir: homens, mulheres, crianças e estrangeiros que viviam dentro de seus portões.

Segunda-feira, 04 de novembro
Ano Bíblico: Jo 16-18
Lendo e ouvindo a Lei
 
Esdras “trouxe a Lei” para ler diante da assembleia. O que ele leu para eles? Somente os Dez Mandamentos repetidamente até o meio do dia? A referência ao livro da Lei deve ser entendida como os cinco livros de Moisés, de Gênesis a Deuteronômio, conhecidos como a Torá hebraica. O termo “Lei”, portanto, envolvia apenas uma parte do que foi incluído na leitura; seria melhor traduzi-lo como “instruções” de Deus, que nos permitem conhecer o caminho que devemos trilhar a fim de não perder o alvo.
 
Quando Esdras leu essas instruções, o grupo ouviu sua história como povo de Deus, começando com a criação até os dias de Josué. Mediante histórias, canções, poemas, bênçãos e leis, eles foram lembrados de suas lutas para obedecer a Deus e da fidelidade do Senhor. A Torá inclui a “Lei”, mas ela é mais do que isso; ela abrange a história do povo de Deus e revela especialmente Sua direção. Consequentemente, ela apresentou à comunidade suas raízes e identidade.
 
3. Leia Neemias 8:3; Deuteronômio 4:1; 6:3, 4; Josué 1:9; Salmo 1:2; Provérbios 19:20; Ezequiel 37:4 e Mateus 17:5. Como devemos nos relacionar com a Palavra de Deus? Assinale a alternativa correta:
 
A.(  ) Devemos usar a Palavra de Deus como um amuleto.
 
B.(  ) Devemos ouvir e cumprir as palavras escritas na Bíblia, pois assim teremos sucesso em nossa caminhada cristã.
 
O fato de as pessoas desejarem ouvir a Palavra de Deus provavelmente era resultado da leitura e do ensino das Escrituras promovidos por Esdras desde a sua chegada a Jerusalém, cerca de 13 anos antes. Ele era dedicado à obra de Deus e determinado a fazer a diferença. A Palavra do Senhor se tornava real para os israelitas à medida que eles continuavam ­ouvindo-a por meio de Esdras. Como resultado, o povo tomou uma decisão consciente de ouvir e obedecer, pois estava interessado em saber mais a respeito de Deus. Portanto, nessa ocasião, eles se aproximaram da Torá com reverência e desejo de aprender.
 
Fartar-nos da Palavra faz surgir em nossa vida um anseio mais profundo por Deus.

Terça-feira, 05 de novembro
Ano Bíblico: Jo 19-21
Lendo e interpretando a Palavra
 
4. Leia Neemias 8:4-8. Como foi feita a leitura da Lei?
 
Dois grupos de 13 homens permaneceram com Esdras durante a leitura. O primeiro grupo de 13 (Ne 8:4) ajudou a ler a Palavra de Deus, e o segundo grupo de 13 (Ne 8:7) ajudou na compreensão das passagens. Não temos nenhuma informação sobre como esse arranjo funcionou em praça aberta; entretanto, os homens que ajudaram na leitura possivelmente tenham segurado a Torá (os manuscritos em hebraico eram pesados e precisavam ser desenrolados por outras pessoas), para a lerem sucessivamente e de maneira alternada. Como leram desde a manhã até ao meio-dia, devem ter descoberto um modo de alcançar a todos na praça.
 
As frases “dando explicações” e “de maneira que entendessem o que se lia” (Ne 8:8) podem se referir à interpretação ou à tradução das passagens. Ambas são igualmente prováveis nesse caso. O povo havia retornado de Babilônia, onde tinham vivido por muitos anos, e onde a língua principal era o aramaico. Portanto, pode não ter sido fácil entender a leitura em hebraico, especialmente para as gerações mais jovens. Esse relato mostra que os leitores da Bíblia podem se beneficiar de explicações ou comentários. A pregação e a explicação tornam o texto vivo e incentivam os ouvintes a aplicar as informações pessoalmente.
 
5. Como os acontecimentos de Atos 8:26-38 se assemelham ao que estava acontecendo em Jerusalém? Quais são as lições para nós?
 
Como protestantes, entendemos que cada cristão deve conhecer a Palavra de Deus por si mesmo e que não deve aceitar cegamente a palavra de mais ninguém quanto à verdade bíblica, independentemente da sua autoridade. Ao mesmo tempo, quem já não foi abençoado porque alguém o ajudou a entender o significado de algum texto? Todos precisamos conhecer nossas crenças por nós mesmos, mas isso não significa que, às vezes, não possamos ser iluminados pelos ensinamentos de outros.

Quarta-feira, 06 de novembro
Ano Bíblico: At 1-3
A resposta do povo
 
Quando Esdras abriu a Palavra de Deus, a Torá hebraica, o povo se levantou. Antes de ler, ele bendisse o nome de Deus. Após a leitura, “o povo respondeu: Amém! Amém!” (Ne 8:5, 6) em uníssono ao erguer as mãos para o céu. Eles então inclinaram a cabeça e adoraram com o rosto em terra.
 
6. Leia Neemias 8:9-12. Por que os líderes disseram ao povo: “não pranteeis, nem choreis”? Assinale a alternativa correta:
 
A.(  ) Porque aquele era um dia consagrado, de alegria ao Senhor.
 
B.(  ) Porque o povo precisava ser forte para vencer a guerra.
 
“Assim, nos anos posteriores, quando a Lei de Deus foi lida em Jerusalém aos cativos que voltaram de Babilônia, e o povo chorava por causa de suas transgressões, foram proferidas as graciosas palavras: ‘Não vos lamenteis. [...] Ide, e comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque esse dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força’” (Ne 8:9, 10; Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 281).
 
Enquanto ouviam as palavras de Deus, o povo ficou impressionado com sua própria pecaminosidade e começou a chorar. Quando Deus Se revela a nós e começamos a compreender que Ele é cheio de amor, bondade, misericórdia e fidelidade, nossas insuficiências e falhas em ser o que devemos ser são colocadas em primeiro plano. Ver a santidade de Deus por meio da Sua Palavra nos faz perceber, sob uma nova luz, nossa condição terrível. Essa percepção fez com que os israelitas chorassem e lamentassem, mas eles não deviam se entristecer, “porque a alegria do Senhor” era a sua força (Ne 8:10). Em outras palavras, apesar de seus fracassos, eles podiam confiar no poder de Deus.
 
Esse também era um dia especial, um dia santo, a Festa das Trombetas (Rosh Hashaná), no qual o curto toque das trombetas sinalizava a importância da preparação do “coração” para o juízo do Senhor (Dia da Expiação, celebrado no 10o dia do mês de tishri). O toque das trombetas indicava o chamado para estar diante de Deus e arrepender-se. Visto que a intenção daquele dia era lembrar o povo de que devia se voltar para Deus, o choro e o lamento é compreensível. Mas os líderes lembraram os israelitas de que, como tinham se arrependido, Deus os havia escutado e, portanto, era hora de se alegrar no perdão de Deus.

Quinta-feira, 07 de novembro
Ano Bíblico: At 4-6
A alegria do Senhor
 
A frase “a alegria do Senhor é a vossa força” (Ne 8:10) serve como um lembrete de que Deus deseja que nos regozijemos e desfrutemos a vida. Acima de tudo, não é qualquer tipo de alegria, mas a alegria que vem porque conhecemos a Deus e a realidade do Seu amor. Todos os dias devemos nos esforçar para nos deleitar no Senhor e em Sua bondade, ­regozijando-nos por tudo o que Ele nos concedeu. Além disso, a alegria em Deus nos dá forças para enfrentar o dia e lidar com o que surge em nosso caminho.
 
7. Leia Neemias 8:13-18. O que ocorreu ali e o que isso revela sobre o povo e seus líderes naquele momento?
 
No dia seguinte, os líderes do povo foram a Esdras para aprender mais sobre o Livro Sagrado. Essa iniciativa demonstrada pelos líderes revelou seu desejo de conduzir a comunidade a Deus. Eles entenderam que não poderiam guiar o povo da maneira certa se eles mesmos não buscassem o Senhor e o conhecimento Dele.
 
8. Leia Levítico 23:39-43. O que os israelitas deveriam fazer? Por quê?
 
O texto de Neemias 8:15 menciona que os israelitas estavam agindo de acordo com o que estava “escrito”. Vemos aqui outro exemplo de como desejavam seriamente obedecer à Palavra de Deus, especialmente porque depois de décadas em cativeiro haviam aprendido a desobedecer. Além disso, conforme o texto de Levítico, eles deveriam celebrar a festa “e, por sete dias”, alegrar-se “perante o Senhor”, seu Deus (Lv 23:40). Em outras palavras, ao se lembrarem dos atos divinos de misericórdia, graça e salvação, o povo precisava se alegrar com o que o Senhor havia feito por eles.

Sexta-feira, 08 de novembro
Ano Bíblico: At 7-9
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 661-668 (“Instruídos na Lei de Deus”).
 
“Agora eles deviam manifestar fé em Suas promessas. Deus havia aceitado o seu arrependimento; deviam agora alegrar-se na certeza do perdão dos pecados e na sua restauração ao favor divino [...].
 
“Toda conversão verdadeira ao Senhor produz permanente alegria na vida. Quando um pecador se rende à influência do Espírito Santo, ele vê sua própria culpa e mácula em contraste com a santidade do grande Examinador dos corações. Ele se vê a si mesmo condenado como transgressor. Mas não deve por causa disso se entregar ao desespero; pois o seu perdão já está assegurado. Ele pode se alegrar na certeza do perdão dos pecados, no amor de um Pai celestial perdoador. É a glória de Deus envolver os seres humanos pecadores arrependidos nos braços do Seu amor, ligar suas feridas, purificá-los do pecado e vesti-los com as vestes da salvação” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 668).
 
Perguntas para discussão
 
1. Em quais condições você pode sentir “a alegria do Senhor” (Ne 8:10) como sua força? Precisamos fazer algo para experimentar o poder de Deus e Seu perdão? O quê?
 
2. Como encontrar o equilíbrio entre o lamento pelos nossos pecados e a alegria no Senhor? Essas atitudes não são contraditórias entre si? Como a Lei e o evangelho apresentam a resposta? (Veja Rm 3:19-24).
 
3. Em Neemias 8:10 foi dito ao povo: “Ide, comei carnes gordas, tomai bebidas doces e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força”. Como podemos nos alegrar em Deus? O que o fato de ser “consagrado” significa nesse contexto?