Fotografo: Divulgação
...
Um mandado de prisão preventiva foi expedido contra ele no dia 30 de maio

 
 
 
Acusado de contaminar mulheres com o vírus HIV propositalmente, Renato Peixoto Leal Filho se entregou, na noite desta segunda-feira, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, no Centro.
 
Um mandado de prisão preventiva foi expedido contra ele no dia 30 de maio, por lesão corporal grave e tentativa de lesão corporal, mas Peixoto não foi encontrado e, por conta disso, passou ser considerado foragido. Após se entregar no TJ, ele foi levado para a 5ª DP (Mem de Sá), onde foi registrado o cumprimento do mandado. Ele será levado para a prisão na terça-feira.
 
Inicialmente, ao acolher a denúncia do Ministério Público e tornar o empresário réu, a Justiça havia negado a prisão. A promotoria recorreu e obteve decisão favorável em segunda instância, quando os desembargadores entenderam haver " conduta reiterada de através de redes sociais conhecer as vítimas para posterior relação sexual, sem proteção com o risco de contaminá-las".
 
A defesa impetrou um habeas corpus junto ao Superior Tribunal de Justila, que foi negado, fazendo com que ele se tornasse foragido.
 
Mulheres se reuniram para denunciá-lo
 
As investigações tiveram início no fim de agosto de 2015, quando uma das supostas vítimas procurou a polícia para denunciar Renato. Já na 16ª DP (Barra da Tijuca), que assumiu o caso, uma segunda mulher foi ouvida e relatou o mesmo modo de agir. Segundo elas, Renato abordava moças pelas redes sociais e as convencia a sair. Posteriormente, sem informar sobre a doença, insistia para que o sexo fosse feito sem o uso de preservativo.
 
Meses antes do registro de ocorrência ser feito, uma jovem de 23 anos que morou com Renato começou a procurar outras mulheres que teriam se envolvido com ele, com o intuito de alertá-las. Duas delas também conversaram com o EXTRA, e confirmaram ter mantido relações sexuais com o suspeito, sem preservativo e sem serem informadas de sua condição. Nenhuma das três, porém, chegou a ser contaminada pelo HIV (veja logo abaixo o depoimento em vídeo de uma delas). Elas reuniram áudios com ameaças feitas por Renato e vídeos, também enviados às supostas vítimas e entregues à polícia, em que ele aparece transando sem camisinha com várias mulheres.
 
— O contágio, nesse caso, é secundário. São pessoas expostas a um risco grave — explicou o delegado Marcus Vinicius Braga, titular da 16ª DP.
 
Empresário negou acusações em entrevista
 
Após a divulgação do caso, Renato conversou com o EXTRA para contar sua versão dos fatos. Ele admitiu ser soropositivo e ter transmitido a doença para duas ex-companheiras, mas negou as acusações feitas na delegacia por duas supostas vítimas, que relataram uma insistência de Renato para manter relações sexuais sem o uso de preservativo e sem nenhum tipo de aviso sobre sua condição de saúde.
 
— Eu nunca fiz isso (transar sem comunicar ser portador do HIV). E ninguém veio pra mim, falar comigo, que foi contaminada — garantiu.
 
Renato creditou as acusações a uma vingança de uma ex-namorada, a jovem que procurou outras mulheres para denunciá-lo.
 
O relacionamento começou pouco antes da última virada de ano e durou cerca de dois meses, quando a jovem de 23 anos retornou para sua cidade. Ao EXTRA, ela contou ter descoberto que o então companheiro era soropositivo ao encontrar um exame em seu apartamento.
 
— Eu o confrontei, mas primeiro ele negou. Só com muita insistência admitiu — disse ela, que ainda passou algumas semanas morando com Renato: — Ele era muito obsessivo e agressivo verbalmente. Eu tinha medo. Acabei indo embora escondida, com a ajuda de uma amiga.
 
Já Renato deu versões diferentes para o ocorrido durante a conversa de pouco mais de meia hora, dividida entre duas ligações. Primeiramente, informou ter avisado desde o início do relacionamento que era soropositivo — “quandou ela soube, falou que não teria problema transar inclusive sem camisinha, porque queria ser mãe”, frisou. Minutos depois, entretanto, fez um relato semelhante ao da própria jovem:
 
— Ela descobriu aqui em casa, através de exames da minha ex-mulher. Ela descobriu e eu abri o verbo. Até então, eu não tinha comunicado — reconheceu, antes de acrescentar: — Expliquei pra ela que, no meu caso, como me trato há muitos anos, o vírus é praticamente... o meu médico é um dos melhores do Brasil, eu mesmo pergunto sempre qual é o risco de pegar caso minha camisinha estoure e eu não perceba, e ele falou que é 99% de chance de não pegar. Isso porque sou um cara que se trata, porque tenho um vírus paralisado, praticamente morto. Ele não está reagindo. Não fico doente há muitos anos.