Fotografo: Da Assessoria
...
(IBGE) mostrou que 4,7 milhões de pessoas desistiram de procurar emprego em 2018

Uma pesquisa recente divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que 4,7 milhões de pessoas desistiram de procurar emprego em 2018. Os chamados desalentados representam 38,9% dos desempregados no país, número que aumentou quase 200% nos últimos quatro anos – em 2014, eram 1,5 milhão de desalentados. “O que não significa que eles não estejam produzindo”, esclarece a empreendedora Geovana Conti, sócia fundadora da empresa social curitibana de desenvolvimento humano Y (Youngers). 
 
A junção da crise econômica com a chegada das novas tecnologias aposentou inúmeras vagas e desestimulou quem buscava por uma oportunidade. “Isso reflete nos números. Depois de anos tentando, mandando currículo e sendo recusado em propostas, eles desistem mesmo do mercado de trabalho”, garante Geovana. Como os boletos, no entanto, não param de chegar, a empreendedora lembra que o emprego informal e o empreendedorismo acabam sendo possibilidades bastante interessantes. 
 
Foi o que observou Alex Santos, o Leco. Morador da Vila das Torres, ele estava desempregado há três anos quando mirou na criatividade para reconstruir a vida. Em frente à sua casa ele mantém o Brechó do Leco onde vende artigos de decoração e outros objetos usados e doados pela comunidade. Com esse pequeno negócio e o trabalho de fotógrafo amador ele tira hoje seu sustento. “Ter passado pela Y me trouxe ideias e perspectivas de lucro para os meus negócios. Como atingir o cliente sem espantá-lo, por exemplo. Me trouxe um conhecimento que eu não tinha. Além dos parceiros que conheci”, afirma. 
 
Em busca do próximo salário
 
Na quarta-feira, 5 de junho, Geovana lança em nome da empresa social Y um site que promete indicar um caminho para o próximo salário. No meupróximosalário.com.br qualquer pessoa com acesso à internet terá à disposição conteúdos exclusivos e de qualidade sobre empregabilidade. A metolodogia  compreende a extensa bagagem profissional de Geovana, que já atuou em pequenas e grandes empresas como funcionária antes de criar o próprio negócio.
 
Sobre a Y
 
Criada em 2014 pelo casal de empreendedores Geovana Conti e Cleber Sá, a empresa social atua principalmente nas regiões do Parolin, Vila das Torres e Capanema, três dos bairros mais carentes de Curitiba. O foco está na ressocialização de jovens entre 14 e 35 anos e na inserção deles no mercado de trabalho – daí o nome Y, de Youngers. Por meio de palestras, cursos, mentorias e outras vivências eles trabalham a ideia de que é possível transformar um hobby (ou qualquer coisa que você faça bem feito) em negócio!
 
 
 
 
 
 
 
 
Da Assessoria