Fotografo: Sérgio Bernardo
...
Governo de Pernambuco decretou estado de calamidade em 14 municípios

 
 
 
As fortes chuvas que atingiram o Nordeste no fim de semana deixaram ao menos 7 mortos e mais de 33 mil pessoas fora de casa em 36 municípios de Pernambuco e Alagoas. 
 
Em Alagoas, o Corpo de Bombeiros Militar apresentou boletim na manhã desta segunda-feira do quadro dos municípios afetados pelas fortes chuvas que ocorrem desde o último domingo (21). Ao todo, 22 cidades foram afetadas, 553 famílias desabrigadas, 1.778 desalojadas e 750 relocadas (Marechal Deodoro) e foram registrados até o momento quatro óbitos, de acordo com o boletim.
 
Ainda segundo o balanço, continuam as buscas no bairro Santo Amaro, em Maceió, com ajuda de uma retroescavadora. Em Satuba, uma adolescente de 13 anos estava nadando no rio Mundaú com amigos e desapareceu.
 
O Corpo de Bombeiros está com atenção especial para as lagoas Mundaú e Manguaba, que, mesmo com a diminuição das chuvas, devem seguir elevando o nível.
 
Em Pernambuco, o governo do Estado fala em cerca de 30 mil desabrigados e desalojados e três mortes. Os dados serão atualizados nesta tarde e após o grande volume de chuva que atingiu municípios do Agreste e da Zona da Mata Sul de Pernambuco, o governador Paulo Câmara decretou calamidade em 14 cidades e a instalação, em cada um deles, de gabinete de crise. São eles: Belém de Maria, Palmares, Amaraji, Maraial, Ribeirão, Cortês, Barra de Guabiraba, Gameleira, São Benedito do Sul, Rio Formoso, Catende, Água Preta, Jaqueira e Barreiros.
 
O governador se reuniu na manhã de domingo no Palácio do Campo das Princesas com o secretariado e as forças operativas para monitorar a situação e planejar as diretrizes no esforço de conter os impactos das enchentes dos municípios afetados. Ele destacou que em comparação com as fortes chuvas que ocorreram em 2010 no Estado, atingindo grande parte da Mata Sul, a situação atual é ainda mais grave.
 
De acordo com informações do site do governo do Estado, Câmara sobrevoou as principais regiões atingidas e falou sobre a situação. 
 
— Estamos imbuídos de realizar o monitoramento em tempo integral das cidades atingidas pelas chuvas. Vamos tomar as medidas necessárias para que os prejuízos e o sofrimento da população sejam minimizados com o trabalho que já está iniciado.
 
O gabinete de crise é um local que conta com o apoio da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e de todas as equipes do Governo do Estado. 
 
O governador também afirmou que 200 homens já foram enviados para os municípios, tanto do Corpo de Bombeiros, quanto da Defesa Civil do Estado e que irão se juntar às corporações municipais. Ainda de acordo com o governo, o trabalho humanitário também já está sendo realizado com a entrega de mantimentos nos municípios. 
 
Além disso, outras ações que estão sendo realizadas são: monitoramento dos reservatórios por meio da Compesa (Companhia Pernambucana de Abastecimento), para avaliar a necessidade de abertura ou não de comportas; o deslocamento de duas aeronaves sobrevoando as áreas de risco; o levantamento da situação dos acessos e estradas, através de engenheiros do DER-PE (Departamento de Estradas e Rodagens de Pernambuco) e Sechab (Secretaria de Habitação); disponibilização de prédios públicos para servirem de abrigo; deslocamento de três equipes de saúde para a Mata Sul. O Governo do Estado também solicitou apoio do Governo Federal, por meio dos ministérios da Cidade e da Defesa.