Fotografo: Montagem/MidiaNews
...
Paulo Prado, Arnaldo Justino, Mauro Zaque e Domingos Savio.

A abertura de nove novas vagas para desembargadores do Tribunal de Justiça começou a movimentar os corredores do Ministério Público do Estado (MPE). 
 
O Órgão Especial do Tribunal de Justiça vai votar nesta quinta-feira (13), a proposta de criação das novas vagas. Se confirmado, duas delas irão para o chamado “quinto constitucional”, sendo uma destinada a membros do MPE e outra da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT).
 
Conforme apurou a reportagem, há pelo menos oito membros do MPE - entre promotores e procuradores - interessados na cadeira.
 
No primeiro grupo estão cotados os promotores Arnaldo Justino da Silva, Marcia Furlan, Adriano Augusto Streicher e Mauro Zaque.
 
No segundo constam os ex-procuradores-gerais Marcelo Ferra de Carvalho e Paulo Prado, a sub-procuradora-geral Eunice Helena Rodrigues e o chefe do Naco (Núcleo de Ações de Competência Ordinária), Domingos Sávio Barros de Arruda.
 
Nos bastidores, circula que alguns desses nomes já estão trabalhando intensamente para articular uma vaga e angariar votos.
 
A reportagem apurou que, segundo o rito de escolha, os 253 membros do Ministério Público votam e definem seis nomes. Porém, há um entendimento dentro do órgão de que a escolha poderia ser feita pelo Conselho Superior do MPE, composto por 11 membros.
 
Em seguida, a lista sêxtupla é encaminhada ao Pleno do Tribunal de Justiça, que escolherá os três nomes que serão enviados à apreciação do governado Mauro Mendes (DEM), que decide quem será o novo desembargador.
 
Articulações
 
Paulo Prado, que é uma das principais lideranças dentro do MPE, é um nome forte, assim como Marcelo Ferra de Carvalho.
 
As promotoras Marcia Furlan e Eunice Helena já tentaram uma vaga no Tribunal de Justiça em 2011, ano em que foi escolhido o hoje desembargador Marcos Machado. 
 
Mauro Zaque e Domingo Sávio são citados nos bastidores, mas não têm se articulado para a postulação a vaga.
 
Por meio da assessoria de imprensa, os membros do MPE não quiseram se posicionar, afirmando que as informações que tratam sobre a postulação são apenas "especulações". (Cíntia Borges, Midia News)