Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(MT), Segunda-Feira, 14 de Junho de 2021 - 06:10
12/10/2016 as 14:28:49 | Por Veja | 1400
Jovem acusada de matar o marido aos 17 anos será enforcada no Irã
Zeinab Sekaanvand tinha apenas 17 anos quando foi presa em 2012
Fotografo: Divulgação
Zeinab tinha apenas 17 anos quando foi acusada do crime

Uma iraniana de 22 anos acusada de matar o marido quando ainda era menor de idade pode ser enforcada nesta quinta-feira se sua pena não for anulada, como pedem ativistas dos direitos humanos. Zeinab Sekaanvand foi presa em fevereiro de 2012 e condenada pelo assassinato do marido em um julgamento “brutalmente injusto”, segundo a Anistia Internacional.

 
Zeinab tinha apenas 17 anos quando foi acusada do crime. De família pobre e conservadora, ela fugiu de casa aos 15 anos para se casar com Hossein Sarmadi para tentar uma vida melhor, mas logo após o casamento ele passou a agredi-la física e verbalmente.
 
Ela registrou diversas queixas contra o marido na polícia, mas o caso nunca foi investigado. O marido rejeitou o pedido de divórcio, e os pais se recusaram a recebê-la de volta. Samardi foi encontrado morto a facadas, Zenaib foi presa e, vinte dias depois, confessou o crime.
 
“Este é um caso perturbador”, disse ao jornal britânico The Guardian Philip Luter, pesquisador e advogado da Anistia Internacional. “Zeinab Sekaanvand tinha menos de 18 anos quando foi acusada, não teve direito a um advogado e afirma ter sido torturada por policiais, que bateram em diversas partes de seu corpo após sua prisão.”
 
Durante o julgamento, a jovem disse que só confessou porque foi torturada pelos policiais. Zeinab acusou o cunhado pelo assassinato, acrescentando que esse irmão do marido a estuprou inúmeras vezes.
 
Ela foi condenada à pena de morte, apesar de um exame ter diagnosticado que Zeinab sofria de um “transtorno depressivo”.
 
Em 2015, ela se casou na prisão e engravidou, e sua execução foi adiada até o nascimento do bebê. A iraniana deu à luz no mês passado, mas a criança morreu dois dias antes de nascer, segundo os médicos, como consequência do choque que Zeinab sofreu ao saber da execução de sua colega de cela, reportou a rede BBC.
 
De acordo com a Anistia Internacional, o Irã já executou pelo menos uma pessoa em 2016 que havia sido condenado ainda criança. A organização afirma que há outros 49 pessoas no corredor da morte que foram condenados antes de completar 18 anos.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil