Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(MT), Sexta-Feira, 19 de Agosto de 2022 - 14:04
29/06/2022 as 13:11:34 | Por Assessoria |
Criminoso é preso após se passar por filha para aplicar golpe em vítima idosa
Nas investigações, foi apurado que o suspeito integra um grupo criminoso que coopta pessoas para cederem contas bancárias para prática de golpes
Fotografo: Polícia Civil-MT
Na ocasião, o suspeito se passou por filha da vítima, pedindo uma transferência por pix, no valor de R$ 5 mil.

Um homem suspeito de fraude eletrônica cometido contra uma vítima idosa foi preso em flagrante pela Polícia Civil, na terça-feira (29.06), em ação da Delegacia Especializada de Estelionato e Outras Fraudes de Cuiabá. O suspeito, envolvido na prática de golpes por meio de aplicativos de mensagens, foi autuado em flagrante pelos crimes de estelionato eletrônico e associação criminosa.
 
As diligências iniciaram após a equipe da Delegacia de Estelionato receber informações sobre a vítima de 69 anos que havia caído no golpe do falso perfil do whatsapp. Na ocasião, o suspeito se passou por filha da vítima, pedindo uma transferência por pix, no valor de R$ 5 mil.
 
Após a transferência do valor, o suspeito continuou pedindo dinheiro para a vítima, que então descobriu que havia caído em um golpe. Diante das informações, a equipe da Polícia Civil iniciou as diligências para localizar o autor da fraude, realizando a sua prisão em flagrante em sua residência no bairro Jardim Esmeralda em Várzea Grande.
 
Ele foi conduzido à Delegacia de Estelionato, onde após ser interrogado pela delegada Judá Marcondes, foi autuado em flagrante pelo crime de estelionato eletrônico e associação criminosa. “Foi apurado, por meio das provas colhidas, que o conduzido integra um grupo criminoso que coopta diversas pessoas para cederem contas bancárias com intuito de concretizar os golpes”, disse a delegada.
 
Parte do valor subtraído da vítima foi recuperado com apoio da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI), por meio de bloqueio bancário, e será restituído para vítima após algumas providências de praxe no banco.(Assessoria | Polícia Civil-MT)




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil