Fotografo: Arquivo pessoal/Facebook
...
O vereador Guilherme Prócida (PSDB), de Mongaguá, no litoral sul de São Paulo

 
 
 
O Ministério Público de São Paulo deu parecer favorável para aumentar a pena de Guilherme Prócida (PSDB-SP), vereador de Mongaguá e filho do atual prefeito da cidade, que foi preso recentemente com dinheiro no guarda-roupa de sua casa. Guilherme foi condenado em 2017 a 3 meses e 18 dias de prisão por agredir sua ex-mulher, inclusive tentando faze-la comer terra.
 
A advogada da ex-mulher do vereador, fez uma apelação à Justiça para que a pena fosse aumentada. Por sua vez, o vereador havia feito um pedido para anulação da apelação com a alegação de que o processo já havia prescrito.
 
O parecer do Procurador de Justiça Vilmar Mendes Ferreira, aceita os argumentos da apelação, afirmando que o vereador "agiu de forma violenta, ferindo e humilhando a vítima com seu comportamento irascível [irritado]".
 
Como o processo segue em segredo de Justiça, não é possível saber se a Justiça acatou ou não a recomendação do parecer do Ministério Público em aumentar a pena do vereador.
 
Relembre o caso
 
O vereador Guilherme Prócida (PSDB), de Mongaguá, no litoral sul de São Paulo, foi condenado à prisão em agosto de 2017 por dar socos na cabeça, puxar os cabelos, jogar da escada e fazer a sua ex-mulher, uma professora de Educação Física de 33 anos, comer terra.
 
O crime aconteceu em dezembro de 2011, alguns dias antes do Natal. Guilherme é filho do atual prefeito da cidade de Mongaguá, Artur Parada Prócida (PSDB).
 
O casal estava junto há três anos e a agressão ocorreu quando ele suspeitou de uma traição.
 
Na época do julgamento a defesa de sua ex-mulher ficou indignada com a sentença de 3 meses e 18 dias de prisão. Já o advogado do vereador afirmou na época que ele era inocente. (R7)