Fotografo: Agência Brasil
...
O secretário de Saúde, Humberto Fonseca

 
 
 
Os conselheiros do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) determinaram, por maioria de votos, aplicação de multa de R$ 10 mil ao secretário de Saúde, Humberto Fonseca, pela demora injustificada em resolver falhas graves no controle de ponto dos servidores da pasta. As irregularidades, segundo a Corte de Contas, persistem desde 2014 e a gestão atual não conseguiu saná-las, apesar dos sucessivos alertas.
 
Por isso, relatório do conselheiro Paulo Tadeu pediu a aplicação da multa. Dos cinco conselheiros presentes na sessão dessa quinta-feira (3/5), quatro votaram a favor – José Roberto Paiva Martins foi o único divergente à aplicação da multa. Manoel de Andrade não estava presente.
Segundo a Corte, a multa e a responsabilização do secretário têm o objetivo de fazer com que a Secretaria de Saúde adote medidas para sanar as irregularidades. Cabe recurso da decisão.
 
Milhares de faltas e catracas encaixotadas
 
No levantamento feito pelo corpo técnico do TCDF, foram verificadas milhares de faltas injustificadas, sem o devido desconto em folha de pagamento; ausência de marcação de ponto; validações indevidas de faltas e atrasos; servidores lotados em uma unidade e com registro de presença em outras irregularmente.
 
Outro problema considerado grave pelo TCDF é que, mais de quatro anos após a pasta gastar R$ 949 mil para comprar 33 catracas, os aparelhos continuam encaixotados e inoperantes. Embora a aquisição tenha sido feita pelo governo anterior, a atual gestão não tomou providências para colocar as máquinas em operação.
 
Todas essas falhas levaram a Corte de Contas a determinar, em outubro de 2016, que a Secretaria de Saúde aprimorasse o sistema de ponto dos servidores.
 
Segundo o TCDF, quando Humberto Fonseca foi questionado, ele tentou se eximir das obrigações. “A argumentação do titular da pasta resume-se a dois pontos: que a responsabilidade de controle de ponto é da Controladoria Setorial de Saúde e que há inexistência de elementos para responsabilização do gestor”.
 
Outro lado
 
Procurada pela reportagem, a Secretaria de Saúde disse que “ainda não foi notificada da multa mencionada, mas, por ter tomado as medidas direcionadas ao cumprimento das decisões do tribunal, apresentará os devidos recursos administrativos ou judiciais para desconstituir a multa eventualmente imposta”.
 
Sobre os problemas apontados pela Corte, a pasta disse que “instalou o ponto biométrico em 2013 e, nas gestões anteriores, não houve contrato de manutenção evolutiva do sistema para implementar algumas das sugestões do Tribunal de Contas”.
 
Ainda segundo a pasta, “esta gestão iniciou o processo de contratação, que está em curso, com o qual devem ser atendidas todas as sugestões do TCDF e melhorias definidas pela Gestão de Pessoas da SES”.
 
A secretaria afirmou ainda que, seguindo orientação do TCDF, publicou a Portaria n° 67/2018, que passou a proibir o registro de ponto feito em unidade distinta da lotação do funcionário.
 
O órgão também informou que, “das 33 catracas compradas e pagas, 15 foram instaladas no Hospital de Base, 10 vão para o Hospital Regional de Taguatinga e cinco no prédio da Administração Central”. A pasta ressalta que a função das catracas é controlar acesso de pessoas, não a frequência dos servidores. (Metrópoles)