Fotografo: Rafael Carvalho/Palácio do Planalto
...
Alinhando cada vez mais sua relação com o Palácio do Planalto, a senadora Selma Arruda, foi recebida na tarde dessa sexta-feira(22)

Alinhando cada vez mais sua relação com o Palácio do Planalto, a senadora Selma Arruda, foi recebida na tarde  dessa sexta-feira(22), pelo presidente Jair Bolsonaro, ambos do PSL.
 
Na pauta do encontro, foram  abordados temas que estão na linha de frente das demandas de Mato Grosso, especialmente  nos setores  de segurança e infraestrutura.
 
A situação das rodovias federais que cortam o Estado, a segurança na fronteira Mato Grosso-Bolívia e o combate à criminalidade, por exemplo, nortearam o encontro.  
 
"Precisamos urgente reforçar o policiamento federal na fronteira.  Torna-se necessário fecharmos a principal  entrada de droga em Mato Grosso, droga  essa que é importada para todo o país e que também vai para outros países”, disse Selma que ouviu de Bolsonaro, o compromisso de que o governo federal  dará uma  atenção especial  a essas pautas pontuadas, dada a importância que Mato Grosso tem no cenário econômico nacional e por ser um dos estados fronteiriços da nação, e que também por isso, merece um olhar diferente do governo federal.
 
Selma, Lorenzoni  e bom chimarrão
 
Antes de se encontrar com Bolsonaro, a senadora Selma esteve reunida por quase toda a manhã,  com o ministro-chefe da Casa Civil, Ônix, Lorenzoni (DEM), que assim como a parlamentar  é nascido no Rio Grande do Sul. O alinhamento  político foi reforçado com uma cuia de chimarrão. Selma  adiantou com Ônix,  assuntos como as pautas do Executivo que já tramitam no Congresso, como o Pacote Anticrime, do ministro da Justiça, Sérgio Moro e a  própria Reforma da Previdência, sendo que  ambas já estão sendo apreciadas pela Câmara dos Deputados. Selma ressalta que só emitirá opinião definitiva sobre essas matérias, depois que elas passarem pelo crivo da Câmara. 
 
Arruda foi, dos três senadores do Estado, a primeira a ter agenda extensa com o ministro Ônix Lorenzoni e em separado com o presidente Jair Bolsonaro.
 

Marcos Corrêa/Palácio da República