Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Segunda-Feira, 18 de Janeiro de 2021 - 14:33
08/01/2021 as 09:54:20 | Por Pietro Otsuka, Do R7 | 311
Produção industrial cresce pelo sétimo mês em novembro, diz IBGE
Setor avançou 1,2% em relação ao mês de outubro e eliminou perdas de momento mais crítico da pandemia
Fotografo: XREUTERS/AMANDA PEROBELLI
Produção industrial cresce pelo sétimo mês em novembro e reverte perdas da pandemia

A produção industrial brasileira cresceu pelo sétimo mês consecutivo em novembro e eliminou as perdas do momento mais crítico da pandemia. Os dados constam da PIM (Pesquisa Industrial Mensal), divulgada nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O indicador registrou alta de 1,2% frente a outubro.
 
Somado as altas de de maio (8,7%), junho (9,6%), julho (8,6%), agosto (3,4%), setembro (2,8%) e outubro (1,1%), o setor acumula crescimento de 40,7%, o que elimina a perda de 27,1% entre março e abril, meses em que o isolamento social foi mais rigoroso por conta da pandemia do novo coronavírus e fez a indústria atingir o nível mais baixo da série. Com isso, o setor está 2,6% acima do patamar pré-pandemia, em fevereiro.
 
Em novembro, segundo o IBGE, todas as grandes categorias apresentaram crescimento na comparação com outubro. Vale destacar o desempenho de Bens de capital (7,4%) e Bens de consumo (6,2%), que tiveram as maiores taxas positivas.
 
Esse é o sétimo mês seguido de alta na produção de ambas as categorias, que acumulam crescimento de 129,% e 550,7%, respectivamente. 
 
Setor automotivo impulsiona produção industrial
 
De acordo com o IBGE, o setor de Veículos automotores, reboques e carrocerias segue como maior influência da indústria nacional. A atividade apresentou alta de 11,1% em novembro e, após quedas nos meses mais críticos da pandemia, agora acumula crescimento de 1.203,2% em sete meses consecutivos, superando em 0,7% o patamar de fevereiro, anterior a pandemia. 
 
A magnitude do crescimento, somada a importância do setor automotivo na indústria no geral também reflete em outros ramos. Isso porque a produção de veículos influencia atividades como metalurgia, com estímulo da produção de aço, e outros produtos químicos, área que engloba tintas de pintura, por exemplo. 
 
Os dois setores também tiveram alta em novembro, de1,6% e 5,9%, respectivamente. “É a tendência deste período de retomada da produção após os meses mais rigorosos de isolamento”, afirma Macedo sobre o crescimento no setor de veículos.
 
Outras atividades tiveram papel importante no resultado da indústria em novembro, como Confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%), Máquinas e equipamentos (4,1%), Impressão e reprodução de gravações (42,9%), Couro, artigos para viagem e calçados (7,9%), Bebidas (3,1%), Produtos de metal (3,0%) e Outros equipamentos de transporte (12,8%).
 
Por outro lado, entre as nove atividades que tiveram queda, os principais impactos negativos foram: Produtos alimentícios (-3,1%) — que acumula baixa de 5,9% em dois meses consecutivos de queda, o que eliminou o crescimento de 4,0% registrado entre julho e setembro —; Indústrias extrativas (-2,4%), com o terceiro mês seguido de queda na produção, com perda acumulada de 10,4%; e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos, que diminuiu 9,8%), interrompendo dois meses de resultados positivos consecutivos.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil