Fotografo: Davi Valle
...
Programa Cuidando de Quem Cuida da Gente idealização da primeira-dama Márcia Pinheiro

O programa Cuidando de Quem Cuida da Gente, lançando na última semana pela Prefeitura de Cuiabá, com a idealização da primeira-dama Márcia Pinheiro teve como base o alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o risco de surto generalizado de saúde mental.
 
Segundo o relatório, divulgado em abril, criança, jovens e profissionais de saúde estão inseridos no grupo mais vulnerável. Na diretriz da agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) também é apontado que os governos devem colocar a questão da “linha de frente” de suas reações.
 
“Quando passamos a pensar nesse programa e desenhá-lo com o prefeito Emanuel e o próprio Dr. Dualibi logo pensamos nos profissionais de saúde que precisam estar em boas condições mentais, psicológicas para atender nossa população da melhor forma. Se eles não tiverem bem, como fica o povo?”, questionou a primeira-dama.
 
Para o responsável técnico pelo programa André Duailibi, psiquiatra, esses profissionais já atuam sobre concisões adversas e durante esse período de pandemia da COVID-19 os níveis são elevados.
 
“Eles já passam por níveis de estresse muito alto e numa situação como essa, diante do medo, das notícias negativas e das perdas de colegas de trabalho e do próprio contagio aumenta ainda mais a vulnerabilidade desses profissionais. O stress crônico, de uma forma geral, pode levar a desenvolver transtornos psiquiátricos”, explicou.
 
Ainda de acordo com o psiquiatra, os profissionais podem passar a apresentar sintomas como alteração de humor, irritabilidade, aumento dos níveis de ansiedade é uma série de problemas físicos como dor de estômago, no corpo e nos casos mais graves gerando depressão.
 
Programa
 
A plataforma online disponível no site da Prefeitura de Cuiabá atenderá mais de 7 mil servidores da linha de frente no combate ao novo coronavírus, sendo profissionais de saúde e assistência Social.
 
São mais de 4.800 sessões de terapia e acolhimento psicoterápico individual. Cada servidor terá acesso, em média, a 12 sessões de atendimento especializado com duração de 50 minutos.
 
Os casos identificados com o grau elevado serão encaminhados para a avaliação com a equipe psiquiatra objetivando acompanhamento e intervenção da crise.