Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(MT), Sexta-Feira, 22 de Outubro de 2021 - 02:40
07/09/2017 as 10:35:48 | Por ERALDO DE FREITAS | 1332
Presidente da Assembleia do MT Eduardo Botelho desmente delação de Silval
"Silval fez duras acusações sobre o Botelho e o seu irmão Rômulo Botelho na sua delação, mas é desmentido por Botelho"
Fotografo: SBC do Brasil
Eduardo Botelho (PSB) é o atual presidente da Assembleia Legislativa e desmente acusações de Silval pela imprensa

 
 
 
Eraldo de Freitas
SBC do Brasil -MT
CUIABÁ - MT     I      Às 16hs desta quarta-feira (06/09) o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (PSB), chamou a imprensa para conversar e rebateu as acusações feitas pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB) em sua delação premiada, ora homologada pelo STF.
 
O ex-governador Silval Barbosa e seu irmão Antônio Barbosa, o qual também fez delação, citaram o envolvimento do presidente da Assembléia Legislativa, Eduardo Botelho e da empresa Nhambiquaras - que pertence à família do presidente, acusações estas, em supostos participação em esquemas de corrupção na gestão de Silval Barbosa.
 
“A delação do ex-governador fez várias citações sobre a empresa da qual participava, a empreiteira Nhambiquaras, a mim e a meu irmão Romulo Botelho. Não sei se fez as citações por confusão mental, em razão do tempo que ficou preso, ou se foi por maldade. Mas houve várias citações indevidas”, disse Botelho.
 
As delações no Brasil vem ganhando corpo e credibilidade da população brasileira, mas, todas são necessáriamente ter provas. Após as acusações Botelho vinha em silêncio. Na tarde de ontem, Botelho decidiu conversar com a imprensa e dar suas primeiras declarações à popualçao sobre as acusações em que diz ser totalmente infundadas.
 
Uma das acusações feitas pelo ex-governador sobre o presidente da AL - Asembléia Legislativa é que Botelho teria sido beneficiado de esquemas no Detran por meio da "FDL - Serviços de Registro de Cadastro e Informatização", empresa responsável pelos registros dos contratos de financiamento de veículos com cláusulas de alienação fiduciária. Acusa Silval que a empresa ficava com 90% do que arrecadava, deixando apenas 10% para o órgão de trânsito. Segundo Sinval a empresa da Família de Botelho pagava propina para deputados.
 
O dedeputado Botelho, de acordo a sua versão dada ontém a iprensa, nega qualquer irregularidade. “De fato, eu como investidor e empresário, participei sim de uma empresa que tinha contrato com o Detran. Foi a única empresa auditada pelo Estado e está até prestando serviço até hoje. Participei como investidor de julho de 2010 a julho de 2012, mas não tem nada de irregular”, contesta.
 
Diassem ainda o presidente Botelho que, “Está tudo na minha declaração de Imposto de Renda e na Junta Comercial. Prestarei esclarecimentos de cabeça erguida como empresário que era na época. Saí de lá quando vendi minhas cotas, ainda faltava dois anos e pouco para o fim do Governo Silval”, explicou.
 
Conforme as declarações, o ex-governador delatou que, a Nhambiquaras (empresa gerida por Rômulo Botelho, irmão do atual presidente da AL foi responsável pela obra de R$ 10 milhões em Chapada dos Guimarães, pela qual a então deputada Thelma de Oliveira (PSDB), hoje prefeita da cidade, teria pedido propina de R$ 1 milhão aos irmãos Botelho.
 
Nas informações do Botelho, disse que, “Ele (Silval) fala que meu irmão articulou um pagamento para Thelma de Oliveira, mas nunca existiu conversas com Thelma a respeito disso. Não sei de onde ele imaginou isso”, disse o presidente.
 
Na delação de Silval, acusou ainda a Família Botelho em relação ao MT Integrado. Contestou o presidente Botelho que, “Silval fala que doamos ainda R$ 1 milhão a respeito do MT Integrado. Mas nós não participamos do MT Integrado”, errou feio.
 
Segundo o deputado Eduardo Botelho, que o ex-governador Silval atribuiu a ele e a seu irmão um pagamento de R$ 1 milhão, referente a uma obra também realizada na cidade vizinha de Várzea Grande.
 
Contesta o Botelho que, "A empresa de propriedade de nossa família não fez qualquer tipo de pagamento indevido e ainda ficou sem receber do Governo por serviços que foram devidamente prestados ao Estado"; “A obra era da Prefeitura de Várzea Grande, recapeamento de ruas. O total do custo era R$ 7 milhões. Essa obra foi um convênio com a Prefeitura que o Estado pagaria. Deste valor, o Estado pagou somente R$ 2,7 milhões. Não pagou o restante e nos largou no escanteio. Até hoje a empresa está lutando para ver se recebe o restante”, contou Botelho.
 
Segundo Botelho são acusações sem nexo, “É uma acusação descabida. Se tivéssemos pago R$ 1 milhão, ele pagaria a empresa. Ele não pagou a empresa, não empenhou, jogou embaixo do tapete. Então, não procede nenhuma destas acusações de Silval contra assa empresa”, rebateu também.
 
O presidente da Assembléia Eduardo Botelho contestou uma por uma das acusações feitas por Silval Barbosa. Ele contestou também ter feito qualquer tipo de acordo para votar favorável a aprovação das contas de Governo de Silval Barbosa, quando governador de Mato Grosso na Assembleia Legislativa. 
Delatou Silval ainda que, Botelho (que tem participação em uma empresa de transporte) teria condicionado votar a favor de suas contas caso, o setor recebesse isenção do ICMS sobre o óleo diesel.
 
Tebateu também esta acusação explicando que, “Em relação ao ICMS do diesel, ele disse que eu combinei com o deputado Romoaldo que votaria favorável às contas dele. Analise comigo, tirar ICMS do diesel não gera nenhuma vantagem para empresa, e sim para o usuário do transporte urban, porque abaixa a tarifa. Segundo que nunca estive com Silval para falar sobre isso”, desmentiu.
 
Para finalisar, Botelho contou que, “Ele disse que eu fiz esse combinado com ele e não cumpri, que eu continuei falando mal dele e votei contra as contas dele. Falei mal e votei contra as contas, até pelo fato de que eu nunca fiz acordo com ele e nem com ninguém, não preciso disso. Não é minha indole, este acordo existiu e nem vai acotecer nem com ele e nem com nenhum outro governo”, fechou.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil