Fotografo: Divulgação
...
A “lei do silêncio” tem um objetivo: manter a concentração na busca ao bicampeonato olímpico nas argolas

 
Para muitas pessoas é difícil imaginar um dia sequer sem acesso à internet e às redes sociais. Mas ficar offline virou parte da rotina do ginasta Arthur Zanetti desde a última sexta-feira, quando deu entrada na Vila dos Atletas, no Rio. A “lei do silêncio” tem um objetivo: manter a concentração na busca ao bicampeonato olímpico nas argolas.
 
As rígidas regras de conduta foram estabelecidas pelo técnico Marcos Goto. “Se você está buscando um ideal, sempre há um preço a pagar. Nesse momento é o que eu acho importante que eles devem seguir”, explica. Quando o treinador usa o plural, ele também se refere a Diego Hypólito, especialista em solo e salto. O ginasta deu sequência ao trabalho com Goto após o afastamento do técnico Fernando de Carvalho, acusado de abuso sexual.
 
Nada de fotos no Instagram e postagens no Facebook para contar aos fãs como está o clima na Vila Olímpica. E as conversas com os amigos por WhatsApp? Nem pensar. É bom que o status “visto tal dia, tal horário” esteja bastante defasado. O único meio de comunicação liberado para Zanetti é o telefone - apenas para falar com os pais e com a namorada. 
 
A participação nas festividades do Time Brasil também está fora da agenda. Enquanto atletas de cinco modalidades cantavam um pout-pourri de músicas brasileiras e dançavam na cerimônia de boas-vindas aos atletas na Vila Olímpica no domingo, por volta do meio-dia, Zanetti não estava muitos quilômetros longe dali, repetindo uma, duas e diversas vezes mais alguns elementos de sua série nas argolas. 
 
De acordo com o ginasta Arthur Nory Mariano, a programação da seleção masculina foi estabelecida de acordo com a ordem de chegada dos ginastas e, por isso, alguns estavam de folga e outros dando piruetas. “Eles estão se adaptando ao ginásio e a esse clima todo. A gente está mais de há uma semana aqui, foi um planejamento normal”, contou. Sérgio Sasaki e Francisco Barretto Júnior também participaram da recepção.
 
A ausência de Zanetti será sentida novamente no desfile da delegação brasileira na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, na próxima sexta-feira. Em razão da programação, ele perdeu até mesmo a chance de ser candidato a porta-bandeira na votação popular. A ginástica brasileira integra a subdivisão 1, com estreia marcada para sábado, às 10h30. E o aparelho inicial é justamente as argolas. Uma boa noite de sono é essencial para a ambição do campeão olímpico.
 
Nesta quarta-feira, no mesmo horário da competição, Zanetti e cia. participam do treino de pódio. Na atividade, os ginastas apresentam suas rotinas completas na Arena Olímpica do Rio, na Barra da Tijuca, sob os olhares dos árbitros. É comum que os atletas deem entrevistas ao fim da atividade, mas a previsão é que Zanetti só converse com os jornalistas após o primeiro dia de competição. O contato com a imprensa deve ser evitado por Zanetti e Hypólito, que diferentemente de boa parte da delegação, não circularam pela Zona Internacional da Vila Olímpica. Para Marcos Goto, a interação com os jornalistas pode aumentar a pressão e a responsabilidade sobre os ginastas.
 
“Acho que vai minando o atleta. Quanto mais fica instigando, o cara pode falar besteira ou algo que não devia falar nesse momento. Por isso, é melhor blindar e eles não falarem”, justifica. E o treinador relata que os dois ginastas aceitam seu ponto de vista e não têm reclamado das proibições.
 
REPETIR A FÓRMULA
O método adotado por ele tem sido o mesmo usado nos Jogos de Londres. No Rio, tem o agravante de a competição ser em casa. O assédio torna-se maior pela facilidade de aproximação. Lembrando ainda que os holofotes se voltaram ainda mais para Zanetti após a conquista da medalha de ouro.
 
Seguindo a máxima “não se mexe em time que está ganhando”, Goto resolveu repetir a fórmula. “Foi o que eu fiz em 2012. Não estou mudando, só estou fazendo o que acho necessário para eles ficarem focados na competição, ficarem focados nos treinos. Eles entendem, acham que isso também é importante.”
 
A opinião de Marcos Goto foi ouvida por membros do Comitê Olímpico do Brasil (COB). Ele fez parte de uma comissão de técnicos, formada neste ciclo, para discutir as vantagens e desvantagens de competir uma Olimpíada em casa. 
“Tem atleta que gosta de estar na mídia, mas nós sabemos que isso tira o foco. A decisão entre nós foi buscar cuidar dos atletas. Você tem de isolar as coisas que acha que possa ser desvantagem.” A decisão de impedir a entrada de familiares na Vila dos Atletas também agrada ao treinador. Ele vê com bons olhos o espaço criado para este fim. “A família tem de ficar fora. Não dá para misturar as coisas.”