Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020 - 17:57
21/10/2020 as 11:24:14 | Por Thayná Schuquel, Metropóles | 277
PIB brasileiro deve encolher 4,2% em 2020, estima CNI
Segundo Robson de Andrade, não se pode confundir recuperação dos efeitos da crise com retomada do crescimento econômico
Fotografo: Hugo Barreto/metrópoles
O PIB industrial deve crescer 10% nessa mesma comparação.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) prevê crescimento de 9% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no terceiro trimestre deste ano, em relação aos três meses anteriores, devido à forte recuperação da economia entre julho e setembro.
 
O PIB industrial deve crescer 10% nessa mesma comparação. No entanto, a retomada no período não será capaz de reverter a queda anual na quantidade de bens e serviços produzidos pelo Brasil.
 
Segundo o relatório Informe Conjuntural: 3º trimestre 2020, da CNI, a economia nacional deve encolher 4,2% neste ano. A previsão para o PIB industrial é de queda de 4,1%.
 
O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, explica que a recuperação da crise está sendo rápida, mas não se pode confundir recuperação dos efeitos da crise com retomada do crescimento econômico.
 
Para Andrade, o crescimento econômico acima do patamar pré-pandemia não está garantido. A redução dos estímulos adotados para a economia atravessar o período mais agudo da crise desencadeada pelo novo coronavírus terá um efeito contracionista relevante e, se ocorrer de forma apressada, tende a prejudicar a recuperação, com impacto no consumo e no emprego.
 
“A redução progressiva dos estímulos fiscais do período da pandemia tornará visível as barreiras estruturais que o Brasil enfrenta. Antes da crise, o país mostrava falta de competitividade, por isso, sem avanços na agenda de reformas, em especial da tributária, a economia brasileira não sairá da armadilha da renda média”, afirma o presidente da CNI, lembrando que a confederação apresentou ao governo federal, em setembro, o documento com propostas para a retomada do crescimento econômico, com 19 medidas elaboradas pelo setor industrial.
 
Andrade afirma que a retração foi grave, com enormes prejuízos para empresas e trabalhadores, mas a atividade econômica vem avançando, ainda que aos poucos. “A questão que se põe, neste momento, é como acelerar essa retomada, adotando medidas para estimular um crescimento mais vigoroso e sustentado ao longo do tempo, com investimentos e criação de empregos”, diz.
 
Recuperação de empregos
 
De acordo com a CNI, em termos de saldo de emprego formal, a expectativa é que o segundo semestre mostre retomada das atividades até novembro. Dezembro, normalmente, registra saldo líquido negativo de empregos, o que vai fazer com que, apesar da recuperação do segundo semestre, o resultado anual de ocupações com carteira não se afaste muito do resultado acumulado até agosto, de cerca de 850 mil postos de trabalho fechados.
 
O retorno de parte mais expressiva da população à força de trabalho deve fazer com que a taxa de desemprego suba. Apesar disso, a CNI estima que mais pessoas consigam se reinserir no mercado de trabalho e que a taxa média de desocupação fique em 13,5% neste ano, 1,6 ponto percentual acima do registrado em 2019, quando alcançou 11,9% da força de trabalho.
 
Taxa básica de juros em baixo patamar incentiva a demanda e reduz custo do crédito
 
O Informe Conjuntural aponta que o spread bancário e as taxas de juros do setor financeiro bancário acompanharam o movimento de queda da Selic. O spread bancário para pessoa jurídica caiu de 9,6 pontos percentuais, em janeiro, para 6,9 pontos percentuais, em julho. E a taxa de juros para a pessoa jurídica saiu de 14,8% ao ano para 10,7% ao ano, na mesma base de comparação.
 
Entre os motivos estão os programas emergenciais, estruturados por meio do compartilhamento de risco de crédito. O Copom sinalizou que há espaço residual para um novo corte da Selic ainda neste ano, que dependerá da trajetória das contas públicas e da avaliação sobre o comportamento futuro da taxa de inflação. Além disso, na avaliação da CNI, a interrupção do afrouxamento monetário será mantida nas próximas duas reuniões, de outubro e dezembro, e a taxa básica de juros encerrará 2020 em 2% ao ano.
 
Inflação segue abaixo da meta, mas dá sinais que demandam atenção
 
A CNI avalia que os próximos meses não devem trazer risco de descontrole inflacionário que possa ameaçar o alcance da meta de inflação no ano. Entretanto, há sinais de alerta na dinâmica dos preços no varejo em função da aceleração já registrada nos preços ao produtor.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil