Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Terça-Feira, 01 de Dezembro de 2020 - 17:58
03/11/2020 as 08:55:02 | Por CPB | 166
Outras lições do Mestre dos mestres
“Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora”
Fotografo: CPB
Outras lições do Mestre dos mestres

Lição 6
31 de outubro a 06 de novembro
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Jo 7-9
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora” (Mc 10:52).
 
LEITURAS DA SEMANA: Gn 3:1-11; Rm 5:11-19; Gn 28:10-17; Jo 1:1-14; Mt 15:21-28; Mc 10:46-52
 
Quem de nós nunca teve vergonha de si mesmo? Muitos já fizeram coisas que os levaram a recuar horrorizados ao imaginar que outras pessoas pudessem ficar sabendo desses atos. Provavelmente todos nós já tenhamos passado por isso, não é mesmo?
 
Imagine, então, como foi estar na situação de Adão e Eva depois que eles comeram do fruto da árvore proibida. Ou quando Jacó enganou seu pai para que ele o favorecesse em detrimento de seu irmão mais velho, tendo depois que fugir da ira de seu irmão. Como ele dormiu à noite? E imagine que você fosse a mulher “apanhada em flagrante adultério” (Jo 8:4). Davi também passou por isso, e o Salmo 32 foi sua dolorosa expressão e confissão de como tinha sido a sua experiência.
 
Por isso, o evangelho é universal, e a morte de Cristo foi em favor de toda a humanidade. Sejam quais forem as nossas diferenças, certamente uma coisa nos une: nossa natureza pecaminosa.
 
Portanto, a verdadeira educação cristã deve nos mostrar a única solução para nossa situação bastante trágica: o Mestre dos mestres, tema que estudaremos nesta semana.

Domingo, 01 de novembro
Ano Bíblico: Jo 10, 11
Em vez de se esconder
 
1. Leia Gênesis 3:1-11. Por que Deus perguntou a Adão: “Onde estás?”
 
A.( ) Porque, após a desobediência do casal, Ele não sabia onde eles estavam.
B.( ) Ele queria que o casal percebesse o seu erro e sua real situação.
 
Histórias típicas da queda retratam o fruto como uma maçã. Mas o texto não afirma isso. Era simplesmente o “fruto da árvore” (Gn 3:3). Não importa o tipo do fruto. Comer daquela árvore era proibido porque a árvore
representava algo: a tentação de “colocar Deus de lado” e declarar: “Eu posso servir de norma para avaliar minha vida. Posso ser deus para mim mesmo. Eu tenho autoridade acima da Palavra de Deus”.
 
Certamente, quando a cobra, ou a “serpente”, fez com que Adão e Eva comessem do fruto da árvore, a vida deles saiu dos trilhos. E então, quando sentiram a presença de Deus perto deles, tentaram se esconder “da presença do Senhor Deus [...] por entre as árvores do jardim” (Gn 3:8).
 
É muito estranho que Deus tenha perguntado a Adão: “Onde estás?”. O Senhor certamente sabia onde ele estava. Talvez Deus tenha feito a pergunta para ajudar Adão e Eva a perceberem exatamente o que estavam fazendo, escondendo-se, como resultado do pecado cometido. Ou seja, Deus os ajudou a perceber os tristes resultados de suas ações.
 
2. Leia Romanos 5:11-19, em que Paulo, muitas vezes, relacionou diretamente o que Adão fez no Éden com o que Jesus fez na cruz. Como Jesus desfez o que Adão havia feito?
 
Pode-se argumentar que o plano da salvação é a reação de Deus à resposta de Adão e Eva. Eles estavam se escondendo de Deus devido à vergonha e culpa de seu pecado, e Deus veio resgatá-los. Da nossa maneira, também fizemos a mesma coisa, e Jesus veio nos resgatar. Portanto, a pergunta “Onde estás?” também poderia ser feita a nós. Ou seja, onde você está, em seu pecado e culpa, em relação a Jesus, e o que Ele fez para
resgatá-lo dessa condição?

Segunda-feira, 02 de novembro
Ano Bíblico: Jo 12, 13
Fuga
 
3. Leia Gênesis 28:10-17. Qual é o contexto dessa história? O que ela revela sobre a graça de Deus àqueles que, de certa forma, estão fugindo de seus pecados?
 
Em sua conduta com o restante da família, Jacó, com a ajuda de sua mãe, tinha enganado cruelmente seu irmão e seu pai, e agora estava pagando por isso. Seu irmão o estava ameaçando violentamente, e Jacó havia se tornado um fugitivo, seguindo para a casa de seu tio em Harã. Tudo era incerto e assustador.
 
Um dia, Jacó caminhava penosamente ao anoitecer e depois na escuridão. Ele estava no meio do nada, tendo apenas o céu estrelado como teto. Ao encontrar uma pedra que lhe serviu de travesseiro, Jacó adormeceu. Mas a absoluta inconsciência do sono logo foi interrompida. O famoso sonho lhe sobreveio, e a escada que ele viu apoiava-se sobre a Terra e se estendia até o Céu. Anjos subiam e desciam pela escada.
 
Então ele ouviu uma voz: “Eu Sou o Senhor, Deus de Abraão”. A voz continuou, repetindo promessas com as quais Jacó estava familiarizado a partir de sua tradição familiar. Sua descendência se tornaria grande. Ela seria uma bênção a todas as famílias da Terra. “Eis que Eu estou contigo”, continuou a voz, “e te guardarei por onde quer que fores [...]; porque te não desampararei, até cumprir Eu aquilo que te hei referido” (Gn 28:15).
 
Ellen G. White escreveu como Paulo, muito mais tarde, “contemplava a escada da visão de Jacó, que representa Cristo, e que ligou a Terra com o Céu, o homem finito com o infinito Deus. Sua fé se fortaleceu na recordação de como os patriarcas e profetas confiaram Naquele que era também seu amparo e consolação e por quem estava dando a vida” (Atos dos Apóstolos, p. 512).
 
Jacó acordou e disse para si mesmo: “Na verdade, o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia” (Gn 28:16). O que aconteceu naquela ocasião foi “temível”. Ele nunca esqueceu aquele lugar e deu um nome a ele. Então Jacó prometeu lealdade eterna a Deus.

Terça-feira, 03 de novembro
Ano Bíblico: Jo 14, 15
O Rabi Jesus
 
De todas as introduções de capítulos no Novo Testamento, nenhuma é mais famosa do que esta: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1:1). E João 1 logo nos leva ao verso inesquecível: “E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a Sua glória, glória como do Unigênito do Pai” (Jo 1:14).
 
4. Leia João 1:1-14. De acordo com essa passagem, quem era Jesus e o que Ele estava fazendo? O que isso revela sobre Jesus como o grande exemplo de mestre?
 
O mesmo Deus, que havia falado com Adão e Eva no jardim, e com Jacó no meio do nada, apareceu então como Pessoa. Segundo o Novo Testamento, Deus foi personificado em Jesus. Por meio de Jesus, podemos aprender sobre a vontade de Deus e sobre o Seu caminho, pois Jesus é Deus.
 
Na sequência, o capítulo afirma que João Batista era um pregador tão convincente que até os líderes religiosos de Jerusalém suspeitavam que ele fosse alguém especial. Mas ele estava preparando o caminho para Alguém maior. Alguém surpreendentemente especial estava prestes a aparecer, e ele, João Batista, seria indigno “de desatar-Lhe as correias das sandálias” (Jo 1:27).
 
No dia seguinte, ele viu Jesus e declarou que Ele era o “Filho de Deus”. Naquele dia, e também um dia depois, ele chamou Jesus de “o Cordeiro de Deus”.
 
Além disso, dois seguidores de João Batista decidiram seguir Jesus. E quando o Senhor perguntou o que eles estavam procurando, eles O chamaram de “Rabi” (Jo 1:38), que significa Mestre.
 
Portanto, Jesus era um rabi, um mestre. Porém, nunca houve um mestre humano como Ele, pois Ele é Deus. Em outras palavras, Deus veio à humanidade na forma de um ser humano e, nessa forma, atuou como rabi e mestre. Não é de admirar que Ellen White tenha chamado Jesus de “o maior mestre que o mundo já conheceu” (Signs of the Times, 10 de junho de 1886). Afinal, esse Mestre era Deus.

Quarta-feira, 04 de novembro
Ano Bíblico: Jo 16-18
A mulher que retrucou
 
Jesus é o Mestre dos mestres. O caráter de Deus resplandece por meio de Seus ensinos e mediante Sua vida. Assim, uma história do evangelho é ainda mais extraordinária por mostrar que, mesmo quando alguém retruca a Jesus, Ele ainda ouve.
 
5. Leia a história do encontro de Jesus com a cananeia da região de Tiro e Sidom (Mt 15:21-28; Mc 7:24-30). Observe que os discípulos de Jesus foram impacientes com ela e até Jesus pareceu dispensá-la. Qual é sua opinião sobre a audácia da mulher? Como Jesus ensinava? Assinale a alternativa correta:
 
A.( ) A aparente rejeição de Jesus fortaleceu a insistência dela.
B.( ) A mulher foi desrespeitosa, e Jesus a abandonou.
 
Jesus estava perto de Tiro e Sidom. Ele havia atravessado para um lugar onde havia estrangeiros e tensão étnica. Os habitantes da cidade que falavam grego desprezavam os fazendeiros judeus, e estes, por sua vez, desprezavam os habitantes de fala grega.
 
Não muito tempo antes, Herodes, o governador fantoche da Galileia, território natal de Jesus, havia executado João Batista. Mas João foi um homem cuja visão era amplamente compartilhada por Jesus, e sua execução pareceu ameaçadora. O Mestre tinha começado a enfrentar o perigo de Sua missão.
 
Sentindo a tensão, Ele entrou em uma casa, esperando, como disse ­Marcos em seu relato, que ninguém soubesse que estava ali (Mc 7:24). Mas a mulher O encontrou.
 
Na cultura daquela época, uma mulher não tinha o direito de se expressar. Além disso, essa mulher pertencia a uma cultura e a um grupo étnico dos quais os judeus não gostavam, e isso a colocava em desvantagem ainda maior.
 
Mas a filha da mulher estava doente. Ela queria ajuda e insistiu em pedi-la. Jesus disse: “Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos” (Mt 15:26). Essas palavras poderiam ter ferido os sentimentos dela.
 
Então, a mulher apresentou uma resposta extraordinária. Ela estava familiarizada com os cães, diferentemente dos judeus, que não os tinham como animais de estimação, e então disse: “Sim, Senhor, porém os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos” (Mt 15:27).
 
Esse comentário fez a diferença. Pareceu convincente. E Jesus curou sua filha.

Quinta-feira, 05 de novembro
Ano Bíblico: Jo 19-21
Um aluno que entende
 
Jesus e Seus seguidores estavam se dirigindo para Jerusalém. Assim como Herodes tinha se inquietado com João Batista, as autoridades, inclusive Herodes, agora estavam preocupadas com Jesus. Seus seguidores incluíam os pobres e outras pessoas vulneráveis que esperavam desesperadamente por mudanças.
 
Acima de todas as coisas, Jesus desejava trazer esperança ao mundo. Mas, àquela altura, Ele tinha certeza de que os que tinham mais poder e privilégios fariam o que pudessem para anular essa missão. Eles não queriam que Jesus tivesse sucesso.
 
No que diz respeito ao círculo interno dos discípulos de Jesus, os doze, eles pareciam ansiosos para estar ao Seu lado. Mas, ao mesmo tempo, pareciam confusos – ou cegos. Por exemplo, em Marcos 8:31-33, o Mestre desafiou Seus discípulos a enxergar coisas difíceis para eles. Ou seja, em muitos aspectos, eles ainda estavam espiritualmente cegos para o que realmente importava (veja Mc 8:37).
 
Esse foi o contexto do encontro de Jesus com alguém que realmente “enxergava”.
 
6. Leia a história da cura de Bartimeu, um mendigo cego (Mc 10:46-52). Observe a grande misericórdia mostrada por Jesus. Considere como o desejo de ver levou o cego à decisão de seguir Jesus no caminho para Jerusalém. Será que Marcos estava fazendo um contraste entre Bartimeu e os discípulos? Como essa história lança luz sobre o que significa ser receptivo ao Mestre?
 
Bartimeu tinha desejado ver os cachos no cabelo de um bebê e a cor do trigo na colheita. Mas ver inclui mais do que apenas a questão física. Em outras palavras, essa história trata da visão espiritual. A essência dela é entender, captar quem é realmente o Mestre dos mestres. A visão física é algo importante, e Jesus sabe disso. Mas Ele também sabe que o desejo mais profundo de cada pessoa é uma vida nova e melhor.
 
7. Leia Hebreus 5:12-14. O que esse texto nos ensina sobre a verdadeira educação? Assinale a alternativa correta:
 
A.( ) A verdadeira educação envolve crescimento progressivo.
B.( ) A verdadeira educação é ensinar os outros, mas não a si mesmo.

 

Sexta-feira, 06 de novembro
Ano Bíblico: At 1-3
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 57-65 (“O Teste da Obediência”).
 
Ellen White declarou (entre outras coisas) que, quando realmente aceitarmos o Mestre dos mestres, “teremos o desejo de refletir Sua imagem, possuir Seu Espírito, fazer Sua vontade e agradá-Lo em todas as coisas”. Na companhia de Jesus Cristo, o dever “torna-se um deleite” (Caminho a Cristo, p. 58, 59). Nos capítulos 5 a 7 de Mateus encontramos o Sermão do Monte, um dos melhores resumos do que o Mestre desejava que Seus discípulos conhecessem, e a tônica do reino que Ele veio estabelecer.
 
Perguntas para consideração
 
1. Como Deus Se dirigiu a Adão e Eva, e também a Jacó, assim Jesus Se dirige a nós. Ele Se conecta com nossos anseios profundos e nos desperta (como fez a Bartimeu) para que reconsideremos quem somos e para onde estamos indo. Diante disso, pense em como ensinamos a Bíblia a nossos filhos e uns aos outros. Qual é a diferença entre o ensino medíocre da Bíblia e o ensino convincente, que realmente faz a diferença?
 
2. Onde você está na jornada da vida? Essa questão é puramente pessoal ou pode ser útil discuti-la com pessoas em quem você confia? O conceito da igreja como o “corpo de Cristo” (1Co 12:27) sugere que conversar com outras pessoas pode ser uma forma de entrar em contato com o que Cristo deseja que você saiba?
 
3. Assim que Bartimeu pôde ver – logo que ele foi resgatado de sua cegueira física (e espiritual) – ele seguiu Jesus no caminho para Jerusalém. Nessa estrada, ele ouvia todos os dias a sabedoria do Mestre dos mestres. Podemos imaginar que ele desejasse refletir a imagem de Jesus, possuir Seu Espírito e fazer Sua vontade. Por que alguém se “deleitaria”, como lemos no livro Caminho a Cristo, em seguir um padrão tão alto quanto o que Jesus defendeu no Sermão do Monte?
 
4. Como discernimos entre o bem e o mal? Por que o que fazemos com esse conhecimento talvez seja ainda mais importante do que ter essa consciência em si?
 
Respostas e atividades da semana: 1. B. 2. Jesus desfez na cruz a condenação do pecado de Adão. Assim como por um só homem, Adão, veio o pecado e, por conseguinte, a morte a todos os seres humanos, por um só ato de justiça de Jesus, veio a salvação a todos. 3. Quando sonhou com a escada que levava ao Céu, Jacó estava fugindo de seu irmão. Por meio do sonho, Deus mostrou Sua graça e perdão a Jacó mesmo quando este fugia da consequência dos seus pecados. Deus tem maneiras surpreendentes de nos resgatar e mostrar Seu perdão a nós. 4. Jesus era o Verbo, o Unigênito do Pai. Ele Se tornou carne e habitou entre nós. Isso revela que a melhor maneira de ensinar um aluno é fazer o que o Mestre fez ao Se tornar carne: ensinar pelo exemplo. 5. A. 6. Provavelmente, sim. O que o cego viu os discípulos tiveram muita dificuldade para perceber. 7. A.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil