Fotografo: Evandro Veiga/CORREIO
...
Batizada de Polêmica, segundo a SSP, a operação é resultado de uma investigação que durou um ano e meio

 
 
 
Uma quadrilha responsável por crimes como tráfico de drogas, homicídios e assaltos a bancos foi alvo de uma operação conjunta das polícias Civil e Militar, deflagrada no início da manhã desta quinta-feira (9), na Bahia e no Rio de Janeiro. 
 
As cidades onde os mandados são cumpridos e os destinatários das ordens de prisão não foram divulgados pela Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP), que confirmou que 14 pessoas foram localizadas na operação - 13 foram presas e uma morreu em confronto.
 
Batizada de Polêmica, segundo a SSP, a operação é resultado de uma investigação que durou um ano e meio e foi realizada pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e pela Superintendência de Inteligência da pasta.
 
O grupo criminoso era liderado por Alex de Jesus da Hora, conhecido como Argentino, 27 anos, morto em confronto com a PM no último dia 22 na cidade de Serra Dourada, Oeste baiano, onde ele e outros criminosos explodiram agências bancárias.
 
Prisões
 
Mais de 200 policiais civis e militares cumpriram mandados de prisão e busca em Salvador, Cruz das Almas (BA) e Rio de Janeiro.
 
Com mandados de prisão foram detidos Átila Santos Cortes, Breno Tiago Santos de Jesus, William Couto Neves, Estanislau do Vale Costa, Jorge Luís Dias Muniz, Rodrigo Santos Lima, Bruno Estean Almeida de Oliveira e Ana Mary Euzébio de Argolo. 
 
Em flagrante foram presos Caio Oliveira Santos, Filipe Souza Queiroz, Israel de Jesus Santos Filho e Igor da Silva Azevedo. 
 
Durante a operação, um adolescente também foi apreendido em flagrante com o quarteto. Com o grupo, a polícia apreendeu R$ 3,2 mil em espécie, uma pistola calibre 40, uma pistola calibre 380, três revólveres calibres 44 e 34, munições, além de seis veículos modelos BMW, Sportage, Tucson, Fox, Gol e Honda City além de uma motocicleta. 
 
Já William Argolo Campo, o Sky, foi morto em confronto, segundo a SSP. Havia um mandado de prisão contra ele.
 
Ainda de acordo com a SSP, a última atividade desta quadrilha foi registrada em Serra Dourada, em julho deste ano, quando os bandidos explodiram duas agências bancárias e fugiram logo em seguida.
 
Menos de uma semana depois do crime, os integrantes do bando foram mortos em um confronto com a polícia, na zona rural do mesmo município. Além de Argentino, foram mortos o paraibano Samuel de Oliveira Aguiar, 30, o baiano Genilson Gomes de Jesus dos Anjos, 34, o paulista Washington Batista do Nascimento, 33, e outro assaltante não identificado.
 
Polêmica
 
Na manhã desta quinta-feira (9), na Rua da Polêmica, região da Avenida ACM, policiais de Operações de Choque da Polícia Militar da Bahia (PM) e do Esquadrão Águia realizaram a principal parte da operação em Salvador. 
 
Na entrada da Avenida Santiago de Compostela, oito policiais do Águia permaneceram dando cobertura, enquanto a Choque entrava nas casas realizando abordagens com os moradores. 
 
Por volta das 10h, um suspeito saiu com as mãos na cabeça de um dos sobrados da Rua da Polêmica. Os policiais pediram para que ele parasse, mas o supeito acabou correndo para o interior da sua residência - que fica uma casa depois da que foi utilizada como esconderijo. O dono da casa, assustado, não quis comentar sobre o assunto, mas disse que, provavelmente, o suspeito teve acesso ao interior da residência pelos fundos que dá acesso à Rua da Igreja.
 
Os policiais entraram na casa do suspeito e ele foi rendido na presença da família. No sobrado, de onde o supeito saiu, os PMs levaram um cão farejador da raça Pastor Alemão para tentar encontrar outros suspeitos, mas ninguém foi localizado.
 
Em uma das esquinas, já nas proximidades da Travessa da Igreja, enquanto acontecia a abordagem, outro suspeito apareceu na garupa de um mototáxi. Alguns moradores deram sinal avisando da presença policial na área, e ele conseguiu fugir. "Volta, volta, tá blindado", gritaram os moradores. 
 
Mesmo com os policiais na área, o comércio funcionou normalmente e os moradores transitavam pelas ruas. Uma moradora, que preferiu não se identificar, criticou as abordagens policiais na localidade. Segundo ela, era por volta das 4h desta quinta (9) quando policiais da Choque estiveram em sua residência exigindo o acesso. 
 
Um motorista de aplicativo que transitava na Avenida Santigo de Compostela ficou supreso com a operação na área. "Não sabia que estava acontecendo isso, não sabia nem que era tão perigoso assim. Costumo rodar sempre por aqui e nunca tive problemas", comentou, surpreso. (Correio)