Fotografo: CPB
...
Lidando com passagens bíblicas difíceis

Lição 12
13 a 19 de junho
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Jó 35-37
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma fazer em todas as suas epístolas, nas quais há certas coisas difíceis de entender, que os ignorantes e instáveis deturpam, como também deturpam as demais Escrituras, para a própria destruição deles” (2Pe 3:15, 16).
 
LEITURAS DA SEMANA: 2Tm 2:10-15; 1Cr 29:17; Tg 4:6-10; Gl 6:9; At 17:11
 
Ao discutir as cartas do apóstolo Paulo, Pedro escreveu que nelas e em algumas outras partes das Escrituras existem “certas coisas difíceis de entender” (2Pe 3:16). Essas palavras são deturpadas ou modificadas por pessoas “ignorantes e instáveis [...] para a própria destruição” (2Pe 3:16). Pedro não disse que todas as coisas são difíceis de entender, mas que apenas algumas são.
 
E sabemos disso, não é mesmo? Qual leitor sincero da Bíblia já não se deparou com textos que parecem estranhos e difíceis de entender? Certamente, em algum momento, todos já tivemos essa experiência.
 
Por isso, examinaremos nesta semana, não tanto textos difíceis em si, mas quais podem ser as razões para esses desafios e de que maneira, como fiéis investigadores da verdade da Palavra de Deus, podemos solucioná-los. Algumas dessas declarações desafiadoras podem nunca ser esclarecidas aqui na Terra. Ao mesmo tempo, a maioria dos textos da Bíblia não apresenta dificuldade, e não devemos permitir que um pequeno número de textos difíceis enfraqueça nossa confiança na fidedignidade e autoridade da Palavra de Deus como um todo.

Domingo, 14 de junho
Ano Bíblico: Jó 38-42
Possíveis razões para aparentes contradições
 
1. Leia 2 Timóteo 2:10-15. Paulo admoestou Timóteo a ser diligente e a manejar “bem a palavra da verdade”. Qual é a mensagem importante para nós nesse texto? Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) Não precisamos estudar muito a Bíblia, pois é fácil entendê-la.
 
B. (  ) Devemos conhecer a Palavra e usá-la corretamente.
 
Nenhum estudioso honesto das Escrituras negará o fato de que existem na Bíblia assuntos difíceis de entender. Isso não deve nos perturbar. De certa maneira, essas dificuldades devem ser esperadas. Afinal, somos seres imperfeitos e finitos, e não temos um conhecimento abrangente de todas as áreas do aprendizado, muito menos das verdades divinas. Portanto, quando o ser humano finito tenta entender a sabedoria infinita das Escrituras, haverá algum impedimento. Essa dificuldade, contudo, não prova de maneira nenhuma que as declarações da Bíblia sejam falsas.
 
Os que rejeitam o ensinamento bíblico da revelação e da inspiração divinas muitas vezes declaram que essas dificuldades são contradições e erros. Visto que, para eles, a Bíblia é mais ou menos um livro humano, eles acreditam que ela deve conter imperfeições e erros. Com essa mentalidade, muitas vezes não há tentativas sérias de procurar uma explicação que leve em consideração a unidade e confiabilidade das Escrituras como resultado de sua inspiração divina. As pessoas que começam a questionar as primeiras páginas das Escrituras (o relato da criação, por exemplo) podem em breve também ser levadas a colocar em dúvida e incerteza grande parte do restante das Escrituras.
 
Algumas discrepâncias nas Escrituras podem se dar devido a pequenos erros de copistas ou tradutores. Ellen G. White afirmou: “Alguns nos olham seriamente e dizem: ‘Não acha que deve ter havido algum erro nos copistas ou da parte dos tradutores?’ Tudo isso é provável, e a mente que for tão estreita que hesite e tropece nessa possibilidade ou probabilidade estaria igualmente pronta a tropeçar nos mistérios da Palavra Inspirada, porque sua mente fraca não pode ver através dos desígnios de Deus. Sim, com a mesma facilidade tropeçariam em fatos simples, que a mente comum aceita e em que discerne o Divino, e para quem as declarações de Deus são simples e belas, cheias de essência e riqueza. Mesmo todos os erros não causarão dificuldade a alguém, nem farão tropeçar os pés daquele que não fabrique dificuldades da mais simples verdade revelada” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 16).

Segunda-feira, 15 de junho
Ano Bíblico: Sl 1-9
Abordagem sincera e cuidadosa
 
Você já encontrou um texto ou conjunto de textos que achou difíceis de serem harmonizados com outros textos ou com a realidade em geral? É difícil imaginar que, em um momento ou outro, você não tenha enfrentado esse problema. A questão é: como você reagiu? Ou, ainda mais importante, como você deve reagir?
 
2. Leia 1 Crônicas 29:17; Provérbios 2:7; 1 Timóteo 4:16. Como devemos lidar com passagens difíceis? Assinale a alternativa correta:
 
A. ( ) De modo sincero, honesto e cuidadoso.
B. ( ) Defendendo de forma tendenciosa as nossas ideias.
 
Somente quando somos sinceros podemos enfrentar as dificuldades de maneira adequada. A sinceridade nos resguarda de fugir de quaisquer dificuldades ou de tentar ocultá-las. A honestidade também nos impede de dar respostas superficiais, que realmente não suportam a um exame minucioso. Deus Se agrada da sinceridade e da integridade. Portanto, devemos imitar Seu caráter em tudo o que fazemos, mesmo no estudo da Bíblia.
 
As pessoas sinceras lidam com as dificuldades da Bíblia de tal maneira que são cuidadosas em não apresentar informações fora do contexto, distorcer a verdade com linguagem tendenciosa nem enganar os outros por meio da manipulação de evidências. É muito melhor aguardar uma resposta sustentável para uma dificuldade do que tentar apresentar uma solução evasiva ou insatisfatória. Um efeito colateral positivo da sinceridade no estudo da Bíblia é que isso gera confiança, e a confiança está no cerne de todos os relacionamentos pessoais saudáveis. Ela convence as pessoas muito mais do que as respostas frágeis. É melhor afirmar não saber como responder à pergunta ou explicar com precisão o assunto do que tentar forçar o texto a dizer o que se quer que ele diga, o que leva a conclusões equivocadas.
 
Pessoas cuidadosas desejam sinceramente conhecer a verdade da Palavra de Deus e, portanto, constantemente se certificam de que não chegaram a conclusões precipitadas com base em conhecimento limitado ou evidência frágil. Pessoas atenciosas decidem não negligenciar nenhum aspecto ou detalhe importante. Elas não são apressadas em seu raciocínio, mas meticulosas e diligentes em seu estudo da Palavra de Deus e de todas as informações relacionadas.

Terça-feira, 16 de junho
Ano Bíblico: Sl 10-17
Abordagem humilde
 
3. Leia Tiago 4:6-10; 2 Crônicas 7:14; e Sofonias 3:12. Por que a humildade é importante quando tentamos entender passagens difíceis das Escrituras?
 
Muitas pessoas chegaram à maravilhosa compreensão e humilhante percepção de que são dependentes de algo e de alguém além de si mesmas. Elas percebem que não são o padrão de todas as coisas. Essas pessoas valorizam mais a verdade do que a necessidade do ego de estar certas e estão cientes de que a verdade não é criada por elas mesmas, mas é aquilo que as confronta. Talvez a maior verdade compreendida por essas pessoas seja quanto elas realmente sabem pouco da verdade. Como Paulo descreveu, tais indivíduos sabem que veem “como em espelho, obscuramente” (1Co 13:12).
 
Os benefícios dessa humildade de pensamento são múltiplos: o hábito da investigação humilde é a base de todo crescimento no conhecimento, pois gera uma liberdade que naturalmente produz um espírito ensinável. Isso não significa que as pessoas humildes frequentemente estejam necessariamente equivocadas, nem que elas sempre mudem de ideia e nunca tenham uma convicção firme. Significa apenas que são submissas à verdade bíblica. Elas estão cientes das limitações de seu conhecimento e, portanto, são capazes de expandi-lo e de aumentar sua compreensão da Palavra de Deus de uma forma que a pessoa intelectual, arrogante e orgulhosa não fará.
 
“Todos os que forem à Palavra de Deus em busca de orientação, com mente humilde e inquiridora, determinados a conhecer os conceitos da salvação, compreenderão o que dizem as Escrituras. Mas os que trazem para a investigação da Palavra um espírito que ela não aprova, levarão da busca um espírito que ela não transmitiu. O Senhor não falará a uma mente indiferente. Ele não desperdiça Sua instrução com quem é voluntariamente irreverente ou impuro. Mas o tentador educa toda mente que se entrega às suas sugestões e está disposta a tornar sem nenhum efeito a santa Lei de Deus.
 
“Precisamos humilhar nosso coração e, com sinceridade e reverência, buscar a Palavra da vida; pois apenas a mente humilde e contrita pode ver a luz” (Ellen G. White, The Advent Review and Sabbath Herald, 22 de agosto de 1907).

Quarta-feira, 17 de junho
Ano Bíblico: Sl 18-22
Determinação e paciência
 
4. Em Gálatas 6:9, Paulo falou sobre a persistência em fazer o bem aos outros. Essa mesma atitude é necessária para lidar com questões difíceis? Por que a determinação e a paciência são importantes na solução de problemas?
 
A verdadeira realização requer sempre tenacidade. Geralmente não damos o devido valor ao que obtemos com demasiada facilidade. As dificuldades na Bíblia nos dão a oportunidade de colocar nosso cérebro para funcionar, e a determinação e persistência com que buscamos uma solução revela quanto aquela questão é importante para nós. É bem gasto todo o tempo que passamos estudando a Bíblia para descobrir mais sobre o seu significado e sua mensagem. Talvez a experiência de pesquisar diligentemente as Escrituras em busca de uma resposta, mesmo que por um longo tempo, seja uma bênção maior do que a própria solução para o problema, se, por fim, a encontrarmos. Afinal, quando encontramos uma solução para um problema inquietante, a Palavra de Deus se torna muito preciosa a nós.
 
A demora para resolver uma dificuldade não prova que ela não possa ser solucionada. Frequentemente desconsideramos esse fato evidente. Muitos, quando encontram uma dificuldade na Bíblia, pensam um pouco e não conseguem encontrar uma solução. Então concluem que o problema não pode ser resolvido. Alguns questionam a confiabilidade da Bíblia.
Mas não devemos nos esquecer de que pode haver uma solução fácil, mesmo que em nossa limitada sabedoria, ou ignorância, não a percebamos. O que pensaríamos de um iniciante em álgebra que, tendo tentado em vão por meia hora resolver um problema difícil, declara que não há solução possível para o problema, porque ele não a encontrou? A mesma coisa vale para nós no estudo da Bíblia.
 
Quando algumas dificuldades desafiam até mesmo seus mais fortes esforços para resolvê-las, deixe-as de lado por algum tempo e, enquanto isso, pratique o que Deus lhe mostrou claramente. Algumas percepções espirituais são obtidas somente depois que estamos dispostos a seguir o que Deus já nos disse para fazer. Portanto, seja persistente e paciente em seu estudo da Bíblia. Afinal, a paciência é uma virtude dos cristãos (veja Ap 14:12).

Quinta-feira, 18 de junho
Ano Bíblico: Sl 23-30
Abordagem bíblica e com espírito de oração
 
5. Leia Atos 17:11; 8:35; 15:15, 16. O que os apóstolos e os membros da igreja primitiva fizeram quando foram confrontados com questões difíceis? Por que as Escrituras ainda são a melhor fonte para sua própria interpretação?
 
A melhor solução para as dificuldades da Bíblia ainda se encontra na própria Bíblia. Lidamos melhor com os problemas bíblicos quando os estudamos à luz de todas as Escrituras, em vez de apenas lidarmos com um único texto isoladamente dos outros ou de toda a Palavra. Devemos, de fato, usar a Bíblia para compreender a própria Bíblia. Aprender a escavar as grandes verdades encontradas nas Escrituras é uma das coisas mais importantes que podemos fazer.
 
Se você não entende uma passagem das Escrituras, tente reunir algum conhecimento de outras passagens bíblicas que tratam do mesmo assunto. Sempre busque encontrar declarações claras das Escrituras para esclarecer as passagens que são menos claras. Também é muito importante nunca obscurecer declarações inequívocas das Escrituras, trazendo a elas passagens difíceis de entender. Em vez de usar fontes extrabíblicas, a filosofia ou a ciência para explicar o significado da Bíblia, devemos permitir que o próprio texto das Escrituras nos revele seu significado.
 
Dizem que, quando estamos ajoelhados, literalmente olhamos para as dificuldades de uma nova perspectiva, pois, em oração, sinalizamos que precisamos de ajuda divina para interpretar e compreender as Escrituras. Em oração, buscamos a iluminação de nossa mente por meio do mesmo Espírito Santo que inspirou os escritores bíblicos a escrever o que escreveram.
 
Em oração, nossos motivos são revelados e podemos dizer a Deus por que desejamos entender o que lemos. Em oração, pedimos ao Senhor que abra nossos olhos para a Sua Palavra e nos dê um espírito disposto a seguir e praticar a Sua verdade (isso é fundamental!). Quando Deus nos guia mediante Seu Espírito Santo em resposta às nossas orações, Ele não contradiz o que revelou na Bíblia. Deus sempre estará em harmonia com a Bíblia. O Senhor confirmará o que Ele mesmo inspirou os escritores bíblicos a nos comunicar e edificará com base nesses escritos.

Sexta-feira, 19 de junho
Ano Bíblico: Sl 31-35
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White: Caminho a Cristo, p. 105-113 (“A Certeza da Vitória”); seção 8 do documento “Métodos de Estudo da Bíblia”, que pode ser encontrado em http://www.centrowhite.org.br/metodos-de-estudo-da-biblia.
 
Na Bíblia, há muitos mistérios que o ser humano finito julga difíceis de compreender e que são muito profundos para explicarmos plenamente. Por isso, precisamos de humildade e disposição para aprender das Escrituras em espírito de oração. A fidelidade às Escrituras permite ao texto bíblico, mesmo que seu significado vá contra nossa natureza, dizer o que realmente diz. A fidelidade às Escrituras respeitará o texto em vez de alterá-lo, como alguns fazem, ou evitar seu verdadeiro significado.
 
“Quando a Palavra de Deus é aberta sem reverência e oração, quando os pensamentos e as afeições não estão centralizados em Deus nem em harmonia com Sua vontade, a mente fica obscurecida pelas dúvidas. O próprio estudo da Bíblia fortalece o ceticismo. O inimigo apodera-se dos pensamentos e sugere interpretações incorretas. Sempre que os homens não buscam, por palavras e atos, estar em harmonia com Deus, por mais preparados que sejam, estão sujeitos a errar em sua compreensão das Escrituras. Não é seguro confiar em suas explicações. Os que abrem as Escrituras para encontrar discrepâncias não têm conhecimento espiritual. Com visão distorcida, verão muitas razões para dúvida e descrença em coisas que são realmente claras e simples” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 111).
 
Perguntas para consideração
 
1. Por que as atitudes em relação à Bíblia são tão essenciais para uma compreensão adequada das Escrituras? Quais atitudes são cruciais para entendermos a Palavra?
 
2. Por que não deveríamos nos surpreender ao encontrar na Bíblia assuntos difíceis de explicar e entender? Afinal, quantos temas do mundo natural são difíceis de entender? Até hoje, por exemplo, a água está repleta de mistérios.
 
3. Como podemos responder à questão de Lucas 23:43, na qual (segundo a maioria das traduções) Jesus teria dito ao ladrão que ele estaria no Céu com o Senhor naquele dia? Quais são as maneiras sinceras de explicar esse texto? Textos como João 20:17, Eclesiastes 9:5 e 1 Coríntios 15:16-20 nos ajudam a entender o que está em questão aqui?
 
Respostas e atividades da semana: 1. B. 2. A. 3. Porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graças aos humildes. 4. Sim, pois ela não permite que a pessoa desista de seus objetivos até que as dúvidas sejam resolvidas. Somente aquele que persiste consegue chegar ao resultado desejado. 5. Eles buscavam conferir nas Escrituras acerca do que ouviam. Buscar as próprias Escrituras é a melhor maneira de interpretá-las, pois elas lançam luz sobre si mesmas.