Fotografo: CPB
...
Neemias

Lição 2
05 a 11 de outubro
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Mt 1–4
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Tendo eu ouvido estas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos Céus. E disse: ah! Senhor, Deus dos Céus, Deus grande e temível, que guardas a aliança e a misericórdia para com aqueles que Te amam e guardam os Teus mandamentos!” (Ne 1:4, 5).
LEITURAS DA SEMANA: Ne 1; 2; Dt 7:9; Sl 23:1-6; Nm 23:19
Até então, dois grupos de cativos haviam retornado a Judá como cumprimento, ao menos parcial, das promessas de Deus à nação hebraica.
 
Porém, Deus estava preparando mais um grupo de exilados para voltar. O último grupo de cativos foi incumbido de resolver um problema. Embora os dois primeiros grupos tivessem voltado para reconstruir a cidade de Jerusalém e tivessem completado parte desse projeto ao terminar o templo, o restante da construção foi sendo abandonado à medida que surgia a oposição das nações vizinhas. Os povos circunvizinhos não queriam que os israelitas construíssem a cidade e seus muros porque temiam que eles se tornassem uma nação poderosa como haviam sido anteriormente (Ed 4:6-24). Portanto, o retorno dos israelitas parecia ser uma ameaça que eles estavam determinados a deter. Mas Deus não chamou Seu povo para abandoná-lo no meio da tarefa que Ele o havia chamado a realizar.
 
Por isso, Ele estava preparando outro homem para realizar Sua vontade e cumprir Seus propósitos, e o nome dele era Neemias. Agora voltaremos nossa atenção para ele e para a obra que realizou com o auxílio do Senhor.
 

 

Domingo, 06 de outubro
Ano Bíblico: Mt 5-7
Neemias recebe más notícias
 
O livro de Neemias começa de modo semelhante ao livro de Daniel (leia Daniel 1:1, 2), isto é, com más notícias. Muitos haviam retornado à sua terra de origem, mas as coisas não estavam indo muito bem para eles ali.
 
1. Leia Neemias 1:1-4. Por que o servo de Deus ficou tão angustiado? Qual foi sua resposta às más notícias recebidas? Assinale a alternativa correta:
 
A.(  ) Sua família havia sido morta. Ele então chorou.
 
B.(  ) O povo e a cidade estavam em ruínas. Ele chorou, lamentou e orou ao Senhor.
 
Alguns judeus levados cativos anos antes haviam sido enviados a Susã, um dos quatro centros administrativos do Império Persa, onde Neemias servia no palácio real como copeiro. O termo usado para a expressão “Hanani, um de meus irmãos” possivelmente indique um irmão de sangue, pois em Neemias 7:2 há uma referência semelhante a Hanani, de modo bem familiar. No entanto, essa expressão também pode ser aplicada a um conterrâneo israelita apenas. A conversa com Hanani provavelmente tenha ocorrido entre meados de novembro e meados de dezembro de 445 a.C., cerca de 13 anos após o retorno de Esdras a Jerusalém. Hanani relatou que a situação em Jerusalém estava terrível. O povo não havia conseguido reconstruir Jerusalém, e o inimigo tinha destruído os muros da cidade, deixando-a indefesa e desolada.
 
Neemias tinha ouvido rumores de que os samaritanos haviam destruído os muros da cidade, mas ele não tinha respostas definitivas até aquele momento. Consequentemente, o próprio rei Artaxerxes acabou com a esperança dos que tinham retornado, interrompendo o progresso da construção após as reclamações dos povos dalém do rio (Ed 4).
 
Apesar de o templo ter sido reconstruído, ele não estava funcionando completamente, porque as pessoas responsáveis pelo serviço do santuário não conseguiam morar em Jerusalém. A situação entristeceu Neemias quando ele sentiu em seu coração as implicações da notícia: os judeus não haviam glorificado a Deus, embora tivessem retornado para esse propósito. Em vez disso, eles haviam negligenciado a casa de Deus e a cidade santa devido ao medo do inimigo e da opressão.
 
Por isso, Neemias se voltou para Deus. Não reclamou da falta de fé do povo; não o considerou covarde, nem aceitou a situação. Ele orou e jejuou.
 

 

Segunda-feira, 07 de outubro
Ano Bíblico: Mt 8-10
A oração de Neemias
 
2. Leia a oração de Neemias 1:5-11. Quais são os componentes dessa oração? Por que o servo de Deus se incluiu no grupo dos culpados?
 
1. Reconhecimento da grandeza e misericórdia de Deus: Senhor, Tu és grande e tens misericórdia (Ne 1:5).
 
2. Súplica para que Deus ouvisse sua oração: Ouça-me (Ne 1:6).
 
3. Confissão dos pecados (Ne 1:6, 7).
 
4. Solicitação de que o Senhor Se lembrasse das Suas promessas (Ne 1:8, 9).
 
5. Reafirmação de que Deus havia resgatado Seu povo (Ne 1:10).
 
6. Nova súplica para que Deus ouvisse sua oração: Ouça-me (Ne 1:11).
 
7. Pedido especial de ajuda: Deus, concede prosperidade e misericórdia (Ne 1:11).
 
A oração de Neemias é uma bela composição que narra a grandeza de Deus, a pecaminosidade do povo e conclui com um pedido de ajuda. Essa oração se assemelha à oração de Daniel 9, e é possível que Neemias estivesse familiarizado com essa oração. Vale a pena observar que o servo de Deus não começou sua oração com um pedido de ajuda, mas primeiro declarou a verdade sobre quem Deus é: grande e temível. Ele também destacou que Deus mantém Sua aliança e tem misericórdia daqueles que O amam, como se quisesse lembrar a Deus que Ele sempre havia sido fiel e agora não podia ser diferente.
 
A oração apresenta uma estrutura especial (descrita acima) que tem seu centro no verso 8, em que Neemias articula as promessas de Deus. Neemias disse: “Lembra-Te”. Em outras palavras: Lembra-Te, Deus, de que prometeste que nos dispersarias quando fôssemos infiéis, mas que também nos trarias de volta e restaurarias todas as coisas. Já que a primeira parte aconteceu, agora é hora de cumprir a segunda, pois estamos nos voltando a Ti.
 
Neemias não teve medo de reivindicar as promessas de Deus e ­lembrá-Lo delas. Evidentemente, não é que Deus não saiba ou não Se lembre do que prometeu. Em vez disso, Ele sente prazer em nos socorrer quando Lhe pedimos ajuda. Ele deseja que acreditemos em Suas promessas e as falemos em voz alta para Ele. Ao verbalizá-las, podemos ser fortalecidos em nossa decisão de confiar nelas, especialmente nos momentos em que estamos desesperados.
 

 

Terça-feira, 08 de outubro
Ano Bíblico: Mt 11-13
Neemias se manifesta
 
Em Neemias 1:11, vemos que o servo de Deus era o copeiro do rei. Naquela época, os copeiros podiam ser homens de poderosa influência, já que tinham acesso constante ao rei. Os copeiros provavam as bebidas destinadas ao rei a fim de prevenir doenças ou a morte do monarca. Heródoto ressalta que os persas tinham os copeiros em grande honra, pois eram considerados oficiais superiores. Por exemplo, o copeiro do rei assírio Esar-Hadom era também seu primeiro-ministro. Portanto, Neemias ocupava uma posição elevada no reino e, por causa de seu acesso ao rei, ele pediu a Deus que o usasse para falar ao soberano sobre a situação de Judá.
 
3. Leia Neemias 2:1-8. O que aconteceu como resultado das orações e jejum do homem de Deus? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
 
A.(  ) O rei atendeu o pedido dele e o mandou para Judá.
 
B.(  ) O rei se enfureceu com a ousadia de Neemias e o matou.
 
A oração foi respondida no mês de nisã, aproximadamente o mês de abril de 444 a.C. Quatro meses haviam se passado desde que Hanani e os judeus trouxeram a Neemias as notícias perturbadoras sobre Jerusalém. Durante quatro meses Neemias orou e jejuou, e é possível que, enquanto os dias se passavam, ele tivesse a sensação de que Deus não estava respondendo. Mas o tempo no relógio divino é sempre perfeito. O Senhor preparou o rei para ouvir Neemias e responder-lhe favoravelmente.
 
Não era comum o copeiro ser dispensado de seus deveres por algum tempo a fim de governar um país diferente. Deus falou por meio de Neemias e impressionou o rei persa Artaxerxes I a fazer dele um governador do território de Judá. A menção à rainha sugere que essa talvez tenha sido uma ocasião reservada, já que não era costume a rainha estar presente em banquetes formais. Neemias não mencionou Jerusalém imediatamente para não gerar ideias preconcebidas, mas fez um apelo emocional e pessoal ao rei. No momento em que o local específico foi mencionado, o coração do rei já havia sido conquistado.
 

 

Quarta-feira, 09 de outubro
Ano Bíblico: Mt 14-16
Neemias é enviado
 
Juntamente com Neemias, o rei enviou cartas a Sambalate, o horonita, e a Tobias, o amonita, oficiais superiores da região dalém do rio, a fim de preparar o caminho para a obra a ser realizada por Neemias. Além disso, o rei ordenou a Asafe, o guardião da floresta do rei, que fornecesse ao servo de Deus toda a madeira necessária para reconstruir a cidade, os muros e os portões do templo.
 
4. Leia Neemias 2:9, 10. O que o texto revela sobre a oposição que Neemias e os judeus em geral enfrentariam?
 
Neemias chegou a Jerusalém entre os anos 445 a 444 a.C. A oposição parece ter surgido antes mesmo que ele tentasse qualquer ação, pois o pedido entregue aos governadores foi suficiente para suscitar problemas. Embora Tobias fosse um nome judaico e significasse “O Senhor é bom” (bem como o de seu filho Joanã, que significava “o Senhor é misericordioso”), ele servia como governador de Amom. Portanto, Jerusalém estava cercada de inimigos: Sambalate, o governador de Samaria, ao norte; Tobias, o governador de Amom, ao oriente; e Gesém, o árabe (Ne 2:18, 19), que tomou posse de Edom e Moabe, ao sul. Foi lamentável que a liderança daquela região tenha rejeitado Neemias porque ele se preocupava com o bem-estar dos oprimidos. Indivíduos prepotentes não se alegram com a felicidade das pessoas a quem eles intimidam.
 
A chegada de Neemias “a Jerusalém com uma escolta militar, mostrando que ele estava chegando para alguma missão importante, despertou o ciúme das tribos pagãs que viviam próximo da cidade, que muitas vezes tinham manifestado sua inimizade contra os judeus lançando sobre eles descrédito e insulto. Entre os mais ativos nessa ação estavam alguns chefes dessas tribos: Sambalate, o horonita; Tobias, o amonita; e Gesém, o arábio. Desde o princípio, esses líderes observaram com olhos críticos os movimentos de Neemias e procuraram, por todos os meios ao seu alcance, subverter seus planos e dificultar seu trabalho” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 635).
 

 

Quinta-feira, 10 de outubro
Ano Bíblico: Mt 17-20
Neemias se prepara para sua tarefa
 
O Senhor havia chamado Neemias para essa tarefa e providenciou tudo de que ele precisava. Conhecendo as promessas de Deus e a certeza do chamado divino, ele prosseguiu, mas avançou com cautela e oração. Em outras palavras, embora soubesse que Deus estava com ele, esse conhecimento não o impediu de analisar o que deveria fazer.
 
5. Leia Neemias 2:11-20. O que o servo de Deus fez a fim de se preparar para o projeto de reconstrução dos muros?
 
Lições sobre liderança. Lição 1: Neemias não contou a ninguém os planos que Deus pusera em seu coração realizar em Jerusalém (Ne 2:12). Ele não apenas não contou esses planos ao inimigo, mas também os omitiu dos líderes judeus. Neemias estava em uma missão de reconhecimento a fim de descobrir o que precisava ser feito. Lição 2: Antes de apresentar qualquer coisa, o servo de Deus fez sua “lição de casa” e planejou toda a obra necessária. Lição 3: Quando Neemias, por fim, falou da tarefa, ele primeiramente descreveu o que Deus havia feito até aquele momento para guiar aquela expedição e então acrescentou as palavras do rei. Ele encorajou os judeus antes de pedir o comprometimento deles. Foi um verdadeiro milagre que eles tenham reagido de modo tão favorável, apesar da resistência que viria. Mediante as orações e o jejum de Neemias, Deus preparou tanto o rei como o povo judeu para que respondessem positivamente.
 
6. Leia Neemias 2:19, 20. O que esses versos revelam sobre a fé desse líder? Textos como Deuteronômio 7:9, Salmos 23:1-6 e Números 23:19 podem tê-lo ajudado?
 
Nossas conversas demonstram quem somos e no que acreditamos. Neemias falava palavras edificantes. Ele não tinha receio de glorificar a Deus, mesmo quando as pessoas zombavam dele. Embora conhecesse o desprezo dos inimigos pelos israelitas, ele não mediu palavras nem negou sua confiança na providência divina. Como José no Egito, Neemias não tinha medo de manifestar sua fé entre os povos que não criam em Deus.
 

 

Sexta-feira, 11 de outubro
Ano Bíblico: Mt 21-23
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 628–634 (“Um Homem Oportuno”).
 
Neemias era um homem de oração. Ele “havia clamado muitas vezes a Deus em favor de seu povo. Mas agora, ao orar, um santo propósito tomou conta de sua mente. Decidiu que, se conseguisse obter o consentimento do rei e o necessário auxílio na aquisição de ferramentas e material, assumiria a tarefa de reconstruir os muros de Jerusalém e restaurar a força nacional de Israel. E suplicou ao Senhor que lhe permitisse conquistar a simpatia do rei, para que esse plano pudesse ser levado avante. Ele orou: ‘Faze prosperar hoje o Teu servo, e dá-lhe graça perante este homem’ (Ne 1:11, ARC). Neemias tinha esperado quatro meses por uma oportunidade favorável para apresentar seu pedido ao rei” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 629, 630).
 
Perguntas para discussão
 
1. O que significa o fato de que, em toda a Bíblia, os que foram chamados por Deus enfrentaram oposição? Por que isso ocorreu em quase todos os casos? Houve pessoas chamadas por Deus que não enfrentaram oposição? Cite exemplos. Por que não devemos ficar desanimados quando, mesmo fazendo a vontade de Deus, enfrentamos obstáculos para realizar o que Ele nos chamou para fazer?
 
2. Leia Neemias 2:18. O que isso revela sobre o poder do testemunho pessoal, e como esse testemunho foi crucial para obter a resposta que Neemias recebeu dos judeus?
 
3. Esdras e Neemias não teriam realizado nada sem a ajuda do rei. Em outras palavras, esses homens de Deus trabalharam em cooperação com as autoridades políticas, que eram pagãs. Que lição é possível extrair desse fato para que, como igreja, saibamos como e quando devemos buscar auxílio dos poderes políticos, quaisquer que sejam eles? Ao mesmo tempo, ao fazer isso, por que a igreja deve ser muito cautelosa?
 
4. Recapitule com a classe a oração de Neemias (Ne 1:1-11). Com base nessa oração, como você pode aprofundar seu relacionamento com Deus? O que ela ensina sobre entrega, confissão e reivindicação das promessas?