Fotografo: CPB
...
O Pentecostes marcou o início da propagação do evangelho, por meio da qual Cristo expande Seu reino

26 de janeiro a 01 de fevereiro
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Êx 28, 29
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o Teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a Terra” (Ap 5:9, 10).
 
LEITURAS DA SEMANA: Ap 6:1-17; Lv 26:21-26; Ez 4:16; Dt 32:43; 2Ts 1:7-10
 
Em Apocalipse 6, continua a cena dos capítulos 4 e 5, que descrevem Cristo como digno de abrir o livro selado, pois, por Sua vida e morte vitoriosas, Ele recuperou o que foi perdido por Adão. A partir de então Ele estava pronto para levar adiante o plano da salvação até sua execução final, por meio da abertura dos selos do livro.
 
O Pentecostes marcou o início da propagação do evangelho, por meio da qual Cristo expande Seu reino. Portanto, a abertura dos selos se refere à pregação do evangelho e às consequências de rejeitá-lo. A abertura do sétimo e último selo nos leva à conclusão da história do mundo.
 
Em Apocalipse 3:21, o significado dos sete selos é decifrado: “Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em Meu trono, assim como Eu também venci e sentei-Me com Meu Pai em Seu trono” (Ap 3:21, NVI). Os capítulos 4 e 5 falam da vitória de Cristo e de Sua dignidade, em virtude de Seu sacríficio no Calvário, para ser nosso Sumo Sacerdote celestial e para abrir o livro. Os últimos versos do capítulo 7 descrevem os vencedores diante do trono de Cristo. Portanto, o capítulo 6 trata do povo de Deus no processo que o leva à vitória, para que possa compartilhar o trono de Jesus.
 

 

Domingo, 27 de janeiro
Ano Bíblico: Êx 30, 31
A abertura do primeiro selo
 
 
1. Leia Apocalipse 6:1-8, Levítico 26:21-26 e Mateus 24:1-14. Observe as palavras-chave em comum nesses textos. Qual é o significado dos quatro primeiros selos com base nesses paralelos?
 
Os acontecimentos representados nos sete selos devem ser entendidos no contexto das maldições da aliança do Antigo Testamento, especificadas em termos de espada, fome, pestes e feras do campo (Lv 26:21-26). Ezequiel os chamou de os “quatro terríveis juízos” de Deus (Ez 14:21, NVI). Eram juízos disciplinares pelos quais o Senhor, buscando despertar Seu povo para sua condição espiritual, castigou-o quando ele se tornou infiel à aliança. Semelhantemente, os quatro cavaleiros são o meio que Deus usa para manter Seu povo desperto enquanto aguarda o retorno de Jesus.
 
Há também paralelos entre os primeiros quatro selos e Mateus 24:4-14, em que Jesus explicou o que aconteceria no mundo. Os quatro cavaleiros são o meio pelo qual Deus mantém Seu povo no caminho certo, lembrando-o de que esse mundo não é seu lar.
 
Embora de maneira simbólica, o texto de Apocalipse 6:1, 2 também trata de vitória. Isso nos lembra Apocalipse 19:11 a 16, que retrata Cristo em um cavalo branco, conduzindo Seus exércitos celestiais de anjos para libertar Seu povo na Sua segunda vinda. Como símbolo de pureza, a cor branca é regularmente associada a Cristo e a Seus seguidores. O cavaleiro montado no cavalo segura um arco e recebe uma coroa, o que lembra a imagem de Deus no Antigo Testamento, montado em um cavalo com um arco em Sua mão enquanto vencia os inimigos de Seu povo (Hb 3:8-13; Sl 45:4, 5). A palavra grega para se referir à coroa (Ap 6:2) usada pelo cavaleiro é stephanos, que é a coroa da vitória (Ap 2:10; 3:11). Esse cavaleiro é um vencedor que sai vencendo e para vencer.
 
A cena do primeiro selo descreve a propagação do evangelho, que iniciou poderosamente no Pentecostes, pela qual Cristo começou a expandir Seu reino. Havia, e ainda há, muitos territórios para serem conquistados e muitas pessoas para se tornarem seguidoras de Jesus, até que a vitória final seja alcançada com a vinda de Cristo em glória.
 
Profeticamente, a cena do primeiro selo corresponde à mensagem para a igreja de Éfeso. Ela descreve o período apostólico do primeiro século, durante o qual o evangelho se espalhou rapidamente em todo o mundo (Cl 1:23).
 

 

Segunda-feira, 28 de janeiro
Ano Bíblico: Êx 32, 33
Segundo e terceiro selos
 
 
2. Leia Apocalipse 6:3, 4. Com base na descrição do cavalo vermelho e de seu cavaleiro, o que é dito em referência ao evangelho?
 
Vermelho é a cor do sangue. O cavaleiro tinha uma grande espada e lhe foi permitido tirar a paz da Terra, o que abriu caminho para que as pessoas matassem umas às outras (Mt 24:6).
 
O segundo selo descreve as consequências da rejeição ao evangelho, iniciada no segundo século. Enquanto Cristo travava uma guerra espiritual por meio da pregação do evangelho, as forças do mal apresentavam uma forte resistência. Isso resultou em perseguição. O cavaleiro não foi responsável pela matança. Em vez disso, quando ele tirou a paz da Terra, como resultado, ocorreu inevitavelmente a perseguição (veja Mt 10:34).
 
3. Leia Apocalipse 6:5, 6, Levíticos 26:26 e Ezequiel 4:16. Qual realidade associada à pregação do evangelho é referida na descrição do cavalo preto e de seu cavaleiro?
 
O cavaleiro do cavalo preto possuía uma balança para pesar alimentos. Um anúncio foi feito: “Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário” (Ap 6:6). Naquela parte do mundo, o cereal, o azeite e o vinho eram as necessidades básicas da vida (Dt 11:14). Comer pão pesando cuidadosamente o cereal significava grande escassez ou fome (Lv 26:26; Ez 4:16). Nos dias de João, um denário era um salário diário (Mt 20:2). Em circunstâncias normais, com um salário diário era possível comprar todo o necessário para a família naquele dia. No entanto, uma escassez de alimentos inflacionaria muito o preço normal. Na cena do terceiro selo, levaria um dia inteiro de trabalho para que fosse possível comprar comida suficiente para apenas uma pessoa. A fim de alimentar uma pequena família, um salário diário seria usado para comprar três medidas de cevada, um alimento mais barato e inferior utilizado pelos pobres.
 
A cena do terceiro selo indica outras consequências da rejeição do evangelho, no contexto do quarto século, à medida que a igreja ganhava poder político. Se o cavalo branco representa a pregação do evangelho, o cavalo preto significa a ausência do evangelho, substituído por tradições humanas. O cereal na Bíblia simboliza a Palavra de Deus (Lc 8:11). A rejeição do evangelho inevitavelmente resulta em uma fome da Palavra de Deus semelhante à escassez profetizada por Amós (Am 8:11-13).
 

Terça-feira, 29 de janeiro
Ano Bíblico: Êx 34–36
A cena do quarto selo
 
4. Qual cena é retratada em Apocalipse 6:7, 8? Reflita sobre como como ela está relacionada à anterior e complete as lacunas:
 
“E olhei, e eis um cavalo _______________ e o seu cavaleiro, sendo este chamado ______________; e o ______________ o estava seguindo, e foi-lhes dada autoridade sobre a quarta parte da Terra para matar à _____________, pela _____________________, com a mortandade e por meio das feras da 
Terra” (Ap 6:8).
 
A cor do cavalo no quarto selo é expressada pela palavra grega chloros, que é a cor cinza-pálido de um cadáver em decomposição. O nome do cavaleiro era Morte; enquanto isso, o Inferno [Hades], o lugar dos mortos, o acompanhava. Ambos receberam autoridade sobre um quarto da Terra para destruir as pessoas pela espada, fome, pragas e feras selvagens (Mt 24: 7, 8).
 
A boa notícia é que o poder da Morte e do Inferno [Hades] é muito limitado. Eles só receberam autoridade sobre uma parte (um quarto) da Terra. Jesus nos assegurou de que Ele tem as chaves do Inferno [Hades] e da Morte (veja Ap 1:18).
 
5. Recapitule o conteúdo das mensagens às igrejas de Éfeso, Esmirna, Pérgamo e Tiatira (Ap 2). Compare a situação nessas igrejas com as cenas da abertura dos primeiros quatro selos. Quais paralelos podemos observar entre elas?
 
As cenas representadas nos sete selos descrevem a história da igreja. Assim como no caso das sete igrejas, os selos estão relacionados aos diferentes períodos da história cristã. Durante os tempos apostólicos, o evangelho se espalhou rapidamente por todo o mundo. Depois, houve o período de perseguição no Império Romano, desde o final do primeiro século até o início do quarto século conforme descrito na cena do segundo selo. O terceiro selo aponta para o período de transigência do quarto e quinto séculos, caracterizados por uma fome espiritual da Bíblia, que levou à “Idade das Trevas”. O quarto selo descreve apropriadamente a morte espiritual que caracterizou o cristianismo por aproximadamente mil anos.


 

Quarta-feira, 30 de janeiro
Ano Bíblico: Êx 37, 38
A abertura do quinto selo
 
6. Leia Apocalipse 6:9, 10. O que ocorre nesses versos? Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) O diálogo das almas desencarnadas que foram direto para o Céu.
 
B. (  ) Debaixo do altar, os mortos por causa da Palavra clamam simbolicamente ao Senhor por justiça sobre os habitantes da Terra.
 
A palavra alma na Bíblia denota a pessoa completa (Gn 2:7). O martírio do fiel e perseguido povo de Deus foi retratado aqui em termos do sangue sacrifical derramado na base do altar do sacrifício no santuário terrestre (Êx 29:12; Lv 4:7). O povo de Deus tem sofrido injustiça e morte por sua fidelidade ao evangelho. Ele clama a Deus, pedindo-Lhe que intervenha e o vingue. Esses textos tratam da injustiça cometida aqui na Terra; eles não falam sobre o estado dos mortos. Afinal, essas pessoas não parecem estar desfrutando a alegria do Céu.
 
7. Leia Apocalipse 6:11, Deuteronômio 32:43 e Salmo 79:10. Qual foi a resposta do Céu às orações do mártires?
 
Os santos mártires receberam vestes brancas que representam a justiça de Cristo, o que levou à sua vindicação – Sua dádiva àqueles que aceitam Sua oferta de graça (Ap 3:5; 19:8). Em seguida, eles foram informados de que teriam que repousar até que se completasse o número de seus irmãos, que passariam por uma experiência semelhante. É importante notar que o texto grego de Apocalipse 6:11 não tem a palavra número. O Apocalipse não fala de um número de santos martirizados a ser alcançado antes do retorno de Cristo, mas da plenitude em relação ao seu caráter. O povo de Deus se torna pleno e perfeito pelo manto da justiça de Cristo, e não pelo seu próprio mérito (Ap 7:9, 10). Os santos mártires não serão ressuscitados nem vindicados até a segunda vinda de Cristo e o início do milênio (Ap 20:4).
 
A cena do quinto selo se aplica historicamente ao período anterior e posterior à Reforma, durante o qual milhões de pessoas foram martirizadas por causa de sua fidelidade (Mt 24:21). Ela também evoca a experiência do povo sofredor de Deus ao longo da história, desde o tempo de Abel (Gn 4:10) até o dia em que Deus finalmente vingará “o sangue dos Seus servos” (Ap 19:2).
 

 

Quinta-feira, 31 de janeiro
Ano Bíblico: Êx 39, 40
A abertura do sexto selo
 
No quinto selo, vemos o povo de Deus sofrendo injustiça neste mundo hostil e clamando pela intervenção do Senhor em seu favor. Chegou a hora de Deus intervir em resposta às orações de Seu povo.
 
8. Leia Apocalipse 6:12-14, Mateus 24:29, 30 e 2 Tessalonicenses 1:7-10. 
O que é revelado nessas passagens?
 
Os últimos três sinais do sexto selo foram aqueles preditos por Jesus em Mateus 24:29, 30. Eles deveriam ocorrer perto do fim da “grande tribulação” (Ap 7:14), em 1798, como precursores do segundo advento de Cristo. Como no caso da profecia de Cristo em Mateus 24, o Sol, a Lua, as “estrelas” (meteoros) e o Céu são literais nesse verso. O uso da palavra “como” apresenta uma imagem de uma coisa ou acontecimento real – o Sol se tornou preto como saco de crina, a Lua se tornou como sangue, e as estrelas caíram sobre a Terra como quando uma figueira deixa cair seus figos verdes. Os cristãos do mundo ocidental reconheceram o cumprimento das palavras de Jesus na sequência de cada um destes sinais: o terremoto de Lisboa, em 1755; o dia escuro de 19 de maio de 1780, vivido no leste de Nova York e no sul da Nova Inglaterra; e a espetacular chuva de meteoros no oceano Atlântico, em 13 de novembro de 1833. O cumprimento dessa profecia (Ap 6:12-14) levou a uma série de reavivamentos e à conclusão de que a vinda de Cristo estava se aproximando.
 
Leia Apocalipse 6:15 a 17. Leia também Isaías 2:19, Oseias 10:8 e Lucas 23:30. As cenas retratam pessoas, de todas camadas sociais, apavoradas, tentando se esconder do terror do cataclismo na vinda de Cristo. Elas pedem que as rochas e montanhas caiam sobre si a fim de se esconderem “da face Daquele que Se assenta no trono e da ira do Cordeiro” (Ap 6:16). Chegou o momento para a administração da justiça, enquanto Cristo vem “para ser glorificado nos Seus santos” (2Ts 1:10). O fim dos perversos está descrito em Apocalipse 19:17 a 21.
 
A cena termina com a pergunta retórica dos ímpios aterrorizados: “É vindo o grande dia da Sua ira; e quem poderá subsistir?” (Ap 6:17, ARC; veja também Na 1:6; Ml 3:2). A resposta a essa pergunta é apresentada em Apocalipse 7:4: o povo selado de Deus poderá subsistir naquele dia.
 

 

Sexta-feira, 01 de fevereiro
Ano Bíblico: Lv 1–4
Estudo adicional
 
Leia o capítulo “A Necessidade do Mundo”, do livro Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, de Ellen G. White, p. 457-460.
 
A visão da abertura dos sete selos indica, simbolicamente, o cuidado e a disciplina de Deus para com Seu povo na Terra. Como destacou Kenneth A. Strand: “Há, nas Escrituras, a certeza do cuidado constante de Deus para com Seu povo: na própria História Ele esteve sempre presente para sustentá-lo e, no grande desfecho escatológico, Ele lhe dará plena vindicação e uma recompensa incompreensivelmente generosa na vida eterna. O livro do Apocalipse retoma e expande de maneira bela esse mesmo tema e, portanto, ele não é, de nenhuma forma, um tipo de apocalipse fora de sintonia com a literatura bíblica em geral. Ele comunica o próprio cerne e substância da mensagem bíblica. De fato, conforme o Apocalipse ressalta enfaticamente, “Aquele que vive”, que venceu a morte e a sepultura (Ap 1:18), jamais abandonará Seus fiéis seguidores e, mesmo quando eles sofrerem o martírio, serão vitoriosos (Ap 12:11), tendo a “coroa da vida” à sua espera (veja Ap 2:10; 21:1-4; 22:4)” (Kenneth A. Strand, “The Seven Heads: Do They Represent Roman Emperors?”, em Symposium on Revelation, livro 2, Daniel and Revelation Committee Series. Silver Spring, Md.: Biblical Research Institute, 1992, v. 7, p. 206).
 
Perguntas para discussão
 
1. Quais lições valiosas você aprendeu com a cena da abertura dos sete selos? Não importa quanto as coisas sejam ruins na Terra, Deus ainda é soberano e, em última análise, todas as promessas que temos em Cristo serão cumpridas. Você crê nessas promessas?
 
2. Reflita sobre a seguinte declaração: “A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir e sua missão é levar o evangelho ao mundo” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 9). Pense em sua igreja. Ela poderia ser mais fiel para alcançar as pessoas com a mensagem do evangelho?
 
3. Quem pode suportar o dia da vinda do Senhor, e por que essas pessoas podem suportar? Como devemos viver hoje a fim de estar preparados para o dia da Sua vinda?
 
Respostas e atividades da semana:
 
1. Os quatro selos representam o que ocorreria com o povo de Deus ao longo da História e os juízos do Senhor, caso não se lembrassem de Sua aliança com eles.
 
2. Comente com a classe.
 
3. Comente com a classe.
 
4. Amarelo- morte – inferno – espada – fome.
 
5. O tempo da abertura dos quatro primeiros selos corresponde ao tempo retratado nas igrejas de Éfeso, Esmirna, Pérgamo e Tiatira, sendo que o primeiro selo e a igreja de Éfeso representam a explosão do evangelho no século I; o segundo selo e a igreja em Esmirna representam o período de letargia dos cristãos; o terceiro selo e a igreja de Pérgamo representam os cristãos no período posterior a 313 d.C.; o quarto selo e a igreja de Tiatira representam o período das trevas da Idade Média.
 
6. B.
 
7. Eles receberam uma vestidura branca e lhes disseram que repousassem por pouco tempo até que se completasse o número de seus irmãos que também seriam mortos como eles tinham sido.
 
8. O Cordeiro abriu o sexto selo e houve sinais no Céu.