Fotografo: CPB
...
Zorobabel e Esdras

Lição 1
28 de setembro a 04 de outubro
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Ageu
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus dos Céus, me deu todos os reinos da Terra e me encarregou de Lhe edifi car uma casa em Jerusalém de Judá” (Ed 1:2).
 
LEITURAS DA SEMANA: Jr 25:11, 12; Dn 9:1, 2; Ed 4:1-7; 7:1-28; Is 55:8, 9
 
Nos escritos de Jeremias, Deus havia prometido que Seu povo voltaria para Israel após 70 anos de exílio babilônico. O rei Ciro foi o instrumento que Deus usou para permitir que esse retorno acontecesse. Ungido por Deus (Is 45:1), Ciro publicou um decreto por volta de 538 a.C. libertando o povo de Deus e consentindo que este retornasse a Jerusalém para reconstruir o templo. Deus (e não Ciro) falou a respeito da cidade: “Será edificada”, garantindo sua reconstrução; e do templo: “Será fundado” (Is 44:28), movendo o coração de Ciro a conceder permissão para a construção do templo. 
 
É sempre encorajador ver o povo de Deus reagir positivamente às ações do Senhor: “Então, se levantaram os cabeças de famílias de Judá e de Benjamim, e os sacerdotes, e os levitas, com todos aqueles cujo espírito Deus despertou, para subirem a edificar a Casa do Senhor, a qual está em Jerusalém” (Ed 1:5). 
 
Vemos aqui um exemplo de pessoas reagindo positivamente aos atos poderosos e graciosos de Deus. Nossas melhores ações resultam da percepção de quem Deus é e do que Ele faz, bem como do conhecimento do modo amoroso como intervém em favor de Seu povo.
 

 

Domingo, 29 de setembro
Ano Bíblico: Zc 1-4
O primeiro retorno dos exilados
 
1. Leia Jeremias 25:11, 12; 29:10; e Daniel 9:1, 2. Quando ocorreu o primeiro retorno dos exilados? Qual profecia esse retorno cumpriu?
 
Jeremias havia escrito que a terra de Judá permaneceria desolada por 70 anos, sob o domínio de Babilônia (isso aconteceu no período de 606-605 a.C. a 537-536 a.C.). Então Deus abriria as portas para que os cativos retornassem, por meio da ordem de Ciro, em cumprimento à profecia. Quando Daniel estudou os escritos de Jeremias, percebeu que havia chegado a hora desse retorno prometido.
 
Em Daniel 9, o profeta estava perturbado, porque os 70 anos estavam quase se findando sem nenhuma mudança aparente, e o novo Império Persa já havia subido ao poder. Ele se lamentou e se voltou para Deus, implorando por misericórdia e pelo cumprimento de Suas promessas. No mesmo capítulo (Dn 9:24-27), Deus assegurou a Daniel que estava cuidando de tudo e que, no futuro, o Libertador morreria pelo povo, para expiar seus pecados, trazer a justiça e cumprir o sistema sacrifical. Na verdade, Deus estava dizendo: “Daniel, não se preocupe. O verdadeiro Libertador (Jesus) certamente virá, mas também lhes enviarei livramento agora”. Pouco tempo depois, Deus moveu Ciro, o rei da Pérsia, a dar a ordem para libertar os cativos. Deus é sempre fiel às Suas promessas (veja em Daniel 10 como Deus interveio para assegurar que Seu povo prosperasse na terra). 
 
Esdras 1 registra a proclamação do rei Ciro de que a nação de Israel estava livre para retornar a Jerusalém e construir a casa do Senhor. O primeiro grupo que retornou a Judá era composto por cerca de 50.000 pessoas e provavelmente incluísse mulheres e crianças de outros territórios. A ordem dada por Ciro, entre os anos 539 e 537 a.C., não apenas os deixou ir, mas também garantiu que eles retornassem com presentes e ofertas, incluindo os vasos originais do templo, que haviam sido saqueados por Nabucodonosor. Esse evento nos lembra da saída dos israelitas do Egito muitos anos antes, quando Deus moveu o coração dos egípcios para presentear Israel em sua despedida.
 

 

Segunda-feira, 30 de setembro
Ano Bíblico: Zc 5-8
Resumo dos reis e eventos
 
O primeiro grupo de repatriados recebeu a incumbência de reconstruir o templo de Deus. Estudaremos em uma lição posterior a respeito da oposição que se levantou contra a realização dessa tarefa. Por ora, examinaremos a sucessão dos reis persas durante o longo período de construção do templo e reconstrução de Jerusalém. É importante conhecer a história que envolve a obra de Esdras e Neemias, pois ela contribui para que tenhamos uma visão ampliada de suas mensagens.
 
2. Leia Esdras 4:1-7. Quais foram os reis em cujos reinados ocorreu a oposição à construção do templo?
 
Eis a lista dos reis persas, em sua ordem cronológica, ligados aos livros de Esdras e Neemias. A lista começa com Ciro, que estabeleceu o Império Persa e conquistou Babilônia em 539 a.C.
 
Ciro II, o Grande (559-530 a.C.)
Cambises II (530-522 a.C.)
Dario I (522-486 a.C.)
Xerxes I (485-465 a.C.) [também conhecido no livro de Ester como Assuero]
Artaxerxes I (465-424 a.C.)
 
Ao estudarmos esses livros, é muito importante perceber que o aparecimento desses reis não é mencionado em ordem cronológica no livro de Esdras. Por exemplo, o conteúdo de Esdras 4:6-24 está inserido antes do capítulo 5, que continua a história da oposição à construção do templo. Consequentemente, as cartas envolvendo Xerxes I (Assuero) e Artaxerxes I, descritas em Esdras 4, ocorreram após os eventos registrados nos capítulos 5 e 6, que tratam de Dario I. Essa sequência pode parecer complicada para os leitores, e isso explica por que houve algumas dificuldades ao longo dos séculos para compreender esses livros. Conhecer a ordem dos acontecimentos nos ajudará a entender as mensagens de Esdras e Neemias.
 

 

Terça-feira, 01 de outubro
Ano Bíblico: Zc 9-11
O segundo retorno dos exilados
 
Em Esdras 7:1-10 e 8:1-14, vemos que o rei Artaxerxes I permitiu que Esdras retornasse a Jerusalém (o ano era 457 a.C.) e levasse com ele todos os que desejassem retornar à pátria de Israel. Não se sabe muito sobre a relação entre Esdras e o rei, nem se o escriba trabalhava para a corte. O capítulo 8 de Esdras lista os chefes das famílias dos que retornaram, começando com os sacerdotes, seguidos pela linhagem real e terminando com a população judaica em geral. Doze famílias foram mencionadas de maneira específica, dando a impressão de que essa é uma referência proposital às doze tribos de Israel.
 
O livro de Esdras lista cerca de 1.500 homens e um total aproximado de 5 a 6 mil pessoas, contando mulheres e crianças. Esse grupo era muito menor do que o primeiro grupo que havia retornado anteriormente com Zorobabel e Josué.
 
3. Leia Esdras 7:1-10. O que essa passagem nos ensina sobre esse servo do Senhor? Assinale a alternativa correta:
 
A.( ) Esdras era um sacerdote rebelde.
 
B. ( ) Ele era um escriba e tinha profundo conhecimento da Lei de Moisés.
 
Esdras era um escriba com um legado sacerdotal. Ele era descendente de Arão, irmão de Moisés, que foi o primeiro sacerdote da nação de Israel. Devido aos fatos registrados no relato bíblico, e com base na tradição judaica, Esdras é tido em alta conta até hoje. Não se sabe se ele serviu como escriba na corte do rei Artaxerxes; portanto, a menção do nome dele como escriba se deve às suas responsabilidades anteriores ou às habilidades que ele começou a exercer após sua chegada a Judá. O fato de Esdras ter sido enviado como líder da expedição indica que ele deve ter trabalhado para Artaxerxes em alguma função de confiança.
 
Esdras foi identificado como um escriba ou mestre “hábil” (Ed 7:6, 10, ARC) e com o coração “preparado” (ARC). A palavra “hábil” significa literalmente “rápido”, sugerindo alguém de rápida compreensão e manipulação mental de informação. O servo do Senhor era conhecido por sua perspicácia na interpretação da Lei de Deus. Além disso, o fato de ter sido escolhido pelo rei para liderar um grupo de israelitas a Judá é prova da coragem e capacidade de Esdras.
 

 

Quarta-feira, 02 de outubro
Ano Bíblico: Zc 12-14
O decreto de Artaxerxes
 
4. Leia Esdras 7:11-28. Quais foram os componentes do decreto do rei? Por que essas instruções foram importantes para o povo de Israel?
 
O decreto de Artaxerxes se assemelha ao primeiro decreto de Ciro. O rei aconselhou todos os que estavam dispostos, especialmente os da linhagem sacerdotal, a fazer a viagem a Jerusalém. Embora, de acordo com os documentos históricos de Murashu, a maioria dos judeus tivesse permanecido na Pérsia (como demonstrado na história de Ester), havia aqueles que esperavam a oportunidade de começar uma nova vida na terra natal de seus ancestrais. O rei dirigiu a maior parte de seus comentários aos tesoureiros do território Trans-Eufrates. Os tesoureiros deviam conceder a Esdras tudo que fosse preciso para restaurar a cidade e “para ornar a Casa do Senhor” (Ed 7:27). Por fim, o rei comissionou Esdras a assegurar a observância apropriada da Lei de Deus e da lei da terra mediante a criação do sistema judicial. A ordem e a organização resultantes dessa ordenança são aspectos importantes em toda sociedade. Além disso, o rei ofereceu condições para que Esdras e os israelitas restaurassem sua terra natal.
 
O interesse do rei pela reconstrução da cidade e do templo indica que ele passou a crer no Deus de Esdras? Artaxerxes chamou o Senhor de o “Deus de Israel, cuja habitação está em Jerusalém” (Ed 7:15). A terminologia que o rei usou para designar o Deus de Israel indica que ele via o Senhor apenas como outra divindade local que precisava ser apaziguada por meio de donativos. Ele não queria que esse deus local se zangasse com ele e seus filhos (Ed 7:23). Além do mais, devemos observar que 457 a.C. é também o ano de uma revolta egípcia contra o governo persa; portanto, é provável que as ações favoráveis do rei tenham sido planejadas para obter a lealdade da província de Judá.
 
Infelizmente, apesar do envolvimento que o rei tinha com Esdras e Neemias, isso não fez dele um crente em Deus. Não há nada nos textos que indique sua conversão, o que significa que o Senhor pode usar até mesmo pessoas descrentes para cumprir Seus propósitos na Terra.
 

 

Quinta-feira, 03 de outubro
Ano Bíblico: Malaquias
A importância da educação
 
5. Leia Esdras 7:6, 10. O que esses textos ensinam sobre a importância da educação religiosa adequada? Assinale a alternativa correta:
 
A. (   ) A instrução adequada da Palavra nos capacita para cumprir os propósitos de Deus.
 
B. (   ) A educação bíblica não é tão importante quanto o sucesso profissional.
 
A sincera devoção de Esdras a Deus e sua decisão de estudar, praticar e ensinar a Palavra de Deus (Ed 7:6, 10) o prepararam para um ministério superior em Israel. O texto bíblico afirma que ele se dedicava ao estudo, à prática e ao ensino da Lei do Senhor.
 
Ellen G. White apresentou uma ideia importante sobre Esdras: “Descendente dos filhos de Arão, Esdras havia recebido a educação sacerdotal; e em acréscimo a isso adquiriu familiaridade com os escritos dos magos, astrólogos e sábios do reino medo-persa. Mesmo assim não se sentia satisfeito com sua condição espiritual. Suspirava por estar em plena harmonia com Deus; ansiava sabedoria para fazer a vontade divina. E assim preparou ‘seu coração para buscar a Lei do Senhor, e para a cumprir’ (Ed 7:10). Isso o levou a se aplicar diligentemente ao estudo da história do povo de Deus, como se encontra relatado nos escritos dos profetas e reis. Ele estudou os livros históricos e poéticos da Bíblia a fim de compreender por que o Senhor tinha permitido que Jerusalém fosse destruída e Seu povo levado cativo para terras pagãs (Profetas e Reis, p. 608).
 
“Os esforços de Esdras para reavivar o interesse no estudo das Escrituras se tornaram permanentes, graças ao seu laborioso e constante esforço no sentido de preservar e multiplicar os sagrados escritos. Ele reuniu todos os exemplares da lei que pôde encontrar, fazendo com que eles fossem transcritos e distribuídos. A Palavra pura, assim multiplicada e posta nas mãos de muitos, proveu o conhecimento que era de inestimável valor” (Profetas e Reis, p. 609).
 
Observe que, embora Esdras tivesse aprendido sobre os costumes dos pagãos, ele percebeu que não estavam corretos; portanto, buscou conhecer a verdade a partir da fonte da verdade: a Palavra de Deus e a “Lei do Senhor”. Ele teve que descartar muito do que havia aprendido nas escolas mundanas, pois, sem dúvida, muitos desses conhecimentos estavam errados. Afinal de contas, que bem lhe fariam os “escritos dos magos e dos astrólogos”?
 

 

Sexta-feira, 04 de outubro
Ano Bíblico: Vista geral do Antigo Testamento
Estudo adicional
 
Texto de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 607–617 (“Esdras, o Sacerdote e Escriba”).
 
Observe a diligente obra de Esdras: “Esdras tornou-se um porta-voz de Deus, educando nos princípios do governo do Céu aqueles que lhe estavam ao redor. Durante os anos restantes de sua vida, estivesse próximo à corte do rei da Média-Pérsia ou em Jerusalém, sua principal tarefa era a de professor. Enquanto comunicava a outros a verdade que aprendia, sua capacidade para o trabalho aumentava. Ele se tornou um homem de ­piedade e zelo. Foi testemunha do Senhor ao mundo quanto ao poder da verdade para enobrecer a vida diária” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 609).
 
“Na obra de reforma a ocorrer hoje, há necessidade de homens que, como Esdras e Neemias, não obscureçam nem desculpem o pecado, nem se esquivem de vindicar a honra de Deus. Aqueles sobre quem repousa o fardo dessa obra não se sentirão em paz quando o erro é praticado nem cobrirão o mal com o manto da falsa caridade. Eles se lembrarão de que Deus não faz acepção de pessoas e de que a severidade para com uns poucos pode representar misericórdia para com muitos. Eles se lembrarão também de que o Espírito de Cristo deve ser revelado naquele que repreende o mal” (Profetas e Reis, p. 675).
 
Perguntas para discussão
 
1. Temos lindas promessas do Senhor. Porém, Deus não Se impõe a nós. Quais escolhas em nossa vida poderiam impedir o cumprimento de Suas promessas a nós?
 
2. Leia a oração de Daniel 9:1-23. Quais princípios dessa passagem poderiam ser aplicados à sua experiência? O que Daniel estava fazendo, qual era a atitude dele e o que ele estava pedindo? O que mais poderia se aplicar a nós?
 
3. A Lição desta semana destaca a centralidade da Palavra de Deus no ministério de Esdras e mostra a diligência dele em trabalhar para difundi-la. Qual é a lição para nós em relação à importância que a Palavra de Deus deve ter em nossa vida e em nossa igreja?
 
Respostas e atividades da semana: 1. Por volta de 538 a 536 a.C. Esse primeiro retorno do povo de Israel cumpria a profecia dos 70 anos de Jeremias. 2.Comente com a classe. 3. B. 4. Em primeiro lugar, o rei decretou que Esdras voltasse a Jerusalém com todos os que desejassem. Depois, ele concedeu a Esdras o ouro e a prata da casa real e de toda a Babilônia e ordenou que ele recebesse as ofertas voluntárias do povo. Em seguida, Artaxerxes orientou que, com o ouro e prata, Esdras comprasse novilhos para fazer sacrifícios no altar do Senhor e fizesse o que bem entendesse com o restante dos recursos. O rei decretou que todos os tesoureiros dalém do Eufrates entregassem a Esdras tudo de que ele necessitasse para a casa do Senhor e que não fossem cobrados impostos nem pedágios dos israelitas. O rei ordenou a Esdras que reforçasse a observância da Lei do Senhor e das leis da terra mediante o sistema judicial. Essas instruções foram importantes para que o povo se orientasse em suas ações. 5. A.