Fotografo: CPB
...
Enfrentando oposição

Lição 4
19 a 25 de outubro
 
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Mc 15, 16
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Porém os olhos de Deus estavam sobre os anciãos dos judeus, de maneira que não foram obrigados a parar, até que o assunto chegasse a Dario, e viesse resposta por carta sobre isso” (Ed 5:5).
 
LEITURAS DA SEMANA: Ed 4; 5:1-5; 2Co 6:14; Ag 1; Ne 4; 6:1-13
Os capítulos 3 a 6 de Esdras são estruturados tematicamente, abrangendo diferentes períodos históricos de oposição à reconstrução do templo. Reconhecer essa abordagem temática ajudará a esclarecer a mensagem geral.
 
O nome de Esdras é mencionado pela primeira vez em Esdras 7:1. Com sua chegada, em 457 a.C., as coisas mudaram, e a cidade de Jerusalém, juntamente com o muro, começou a ser reconstruída de maneira intermitente. Treze anos depois, Neemias chegou (ele foi enviado por Artaxerxes em 444 a.C.), e a construção do muro foi finalmente retomada. Embora a oposição fosse intensa, a obra foi concluída em 52 dias (Ne 6:15).
 
A resistência à obra de Deus é um tema predominante nos livros de Esdras e Neemias; portanto, não é surpreendente que a reconstrução do templo e da cidade de Jerusalém tenha incitado oposição e perseguição. Para onde quer que nos voltemos no mundo de hoje, há resistência à obra do Senhor. Satanás tenta assegurar que o evangelho não se espalhe rapidamente, pois é uma ameaça ao seu domínio. Em Esdras e Neemias, como os judeus lidaram com a oposição?
 

 

Domingo, 20 de outubro
Ano Bíblico: Lc 1, 2
Inicia-se a oposição
 
1. Leia Esdras 4:1-5. Em sua opinião, por que o remanescente israelita ­recusou a ajuda de outros povos na construção do templo?
 
Superficialmente, o pedido parecia bondoso e amistoso, então por que recusar ajuda? Em certo sentido, a resposta se encontra no próprio texto. Os “adversários” foram oferecer-lhes ajuda. Adversários? Essa palavra por si só apresenta um forte indício da razão pela qual os israelitas reagiram dessa maneira.
 
Por que essas pessoas foram chamadas de adversárias? 2 Reis 17:24-41 explica que elas foram trazidas de outras nações para Samaria e para a região circunvizinha após a deportação dos israelitas do Reino do Norte. O rei da Assíria lhes enviou um sacerdote, que deveria ensiná-las a adorar o Deus da terra, isto é, o Deus de Israel. Contudo, a religião resultante incorporou também os deuses cananeus. Portanto, o remanescente israelita temia que essa religião fosse trazida para a adoração no templo. Sendo assim, o melhor e mais inteligente a fazer foi exatamente o que eles fizeram: dizer “não, obrigado”.
 
Precisamos lembrar por que tudo isso estava acontecendo. A transigência constante dos antepassados de Israel para com as religiões pagãs ao seu redor levou à destruição do templo, bem como ao exílio. Presumivelmente, durante o processo de reconstrução do templo, a última coisa que os israelitas queriam fazer era se associar aos povos vizinhos.
 
2. Quais outras informações do texto mostram que essa recusa foi o certo a fazer? (Veja Ed 4:4, 5). Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) Os povos vizinhos começaram a desanimá-los na construção do templo e a colocar conselheiros para frustrarem o plano deles.
B. (  ) O povo ao redor subornou os israelitas em troca de auxílio.
 

 

Segunda-feira, 21 de outubro
Ano Bíblico: Lc 3-5
Os profetas encorajam
 
Infelizmente, a oposição que os judeus encontraram por parte das nações vizinhas, conforme descrita nos capítulos 4 a 6 de Esdras, deixou-os com medo e relutantes quanto a trabalhar no templo.
 
Como mencionamos anteriormente, o trecho do livro de Esdras que tem início no capítulo 4:6 e vai até o 6:22 não foi escrito em ordem cronológica. Por isso, examinaremos o capítulo 5 antes do capítulo 4.
 
3. Leia Esdras 5:1-5. Por que Deus enviou os profetas Ageu e Zacarias aos judeus? Qual foi o resultado de suas profecias?
 
Os judeus tinham parado de construir porque estavam com medo. Mas Deus os havia enviado a Judá para reconstruir o templo e a cidade, e Ele tinha um plano. Já que eles estavam com medo, faria algo para encorajá-los. Por isso, o Senhor chamou dois profetas para intervir. A oposição humana não faz Deus parar; mesmo que os judeus tenham contribuído, por suas próprias ações, para essa oposição, o Senhor não os abandonou. Ele atuou por meio dos profetas para motivá-los e impulsioná-los à ação novamente.
 
4. Leia Ageu 1. Qual foi a mensagem para os judeus, e o que podemos ­extrair desse texto para nossa vida?
 
“Os profetas Ageu e Zacarias foram despertados para enfrentar a crise. Com encorajadores testemunhos esses mensageiros escolhidos revelaram ao povo a causa de suas dificuldades. A falta de prosperidade temporal era o resultado da negligência em dar prioridade aos interesses de Deus, os profetas afirmaram. Tivessem os israelitas honrado a Deus, tivessem mostrado a Ele o devido respeito e cortesia, fazendo do reerguimento de Sua casa a primeira obra, e teriam convidado Sua presença e bênção” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 574).
 

 

Terça-feira, 22 de outubro
Ano Bíblico: Lc 6-8
Interrupção da obra
 
5. Em Esdras 4:6-24, o que os inimigos fizeram para interromper a obra em Jerusalém? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
 
A.(  ) Assassinaram os construtores.
B.(   ) Enviaram uma carta aos reis Dario, Xerxes e Artaxerxes, insinuando que os judeus não pagariam mais impostos caso a cidade e o templo fossem reedificados.
 
As “gentes da terra” escreveram cartas de acusação contra os judeus e sua obra primeiramente a Dario (Ed 5 e 6), depois a Xerxes (Assuero) e Artaxerxes. Elas Estavam fazendo tudo ao seu alcance para impedir a obra em Jerusalém.
 
O povo das nações vizinhas declarou que, se a cidade fosse reconstruída, o rei perderia seu poder sobre ela, pois Jerusalém sempre havia sido um local de rebelião e problemas. Infelizmente, Artaxerxes foi levado a crer que os judeus estivessem construindo somente porque queriam obter sua independência e, assim, incitar o confronto. Ele ordenou que o trabalho fosse interrompido, e o povo enviou um exército para impedir a reconstrução da cidade. Essa abordagem violenta fez com que a obra de Deus parasse.
 
6. Leia Esdras 4:23, 24. Por que os judeus pararam a construção? Eles não sabiam que Deus desejava que eles reconstruíssem a cidade? O que os atrapalhou?
 
Evidentemente, os judeus perceberam que Deus os havia chamado para reconstruir a cidade e o templo, mas, por causa da forte oposição, eles tiveram medo. Talvez tenham inventado desculpas como “agora não deve ser a hora”, ou “se isso fosse realmente o que Deus desejava que fizéssemos, Ele teria providenciado um meio”, ou ainda “talvez nem deveríamos ter voltado para cá”. Quando a oposição nos impede de fazer o que acreditamos ser o chamado de Deus para nós, temos a tendência de questionar a orientação divina e duvidar dela. Podemos facilmente nos convencer de que cometemos um erro. O medo pode paralisar nossa mente, e os pensamentos se transformam em desespero e desamparo, em vez de nos concentrarmos no poder de Deus.
 

 

Quarta-feira, 23 de outubro
Ano Bíblico: Lc 9-11
Neemias age (444 a.C.)
 
7. Leia Neemias 4. O que os judeus fizeram sob a liderança de Neemias para enfrentar a oposição? Por que era importante que eles se preparassem para lutar, em vez de simplesmente não fazerem nada, acreditando que Deus os protegeria?
 
Depois de inícios e interrupções, o povo começou a trabalhar novamente. Os judeus oraram e, então, Neemias organizou uma vigilância ativa. O povo fazia turnos durante o dia e à noite a fim de estar preparado para qualquer ataque iminente. Neemias também organizou as pessoas ao redor do muro, munindo-as com armas, a fim de que cada família estivesse pronta para lutar. Além disso, ele dividiu seus servos em dois grupos: um trabalhava, e o outro segurava armas. Havia também provisões especiais para todos os que trabalhavam no muro, pois estes se encontravam mais próximos do perigo. Cada construtor segurava uma espada com uma mão e com a outra acrescentava tijolos ou pedras e argamassa ao muro. Eles estavam preparados para enfrentar a oposição. Fizeram a parte deles; o Senhor fez o resto. A fé de Neemias na proteção divina é inspiradora. No entanto, ele não ficou sentado esperando que Deus fizesse tudo. Eles se prepararam da melhor maneira que puderam.
 
Duas passagens de Neemias estão entre as declarações mais inspiradoras da Bíblia: “Não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa” (Ne 4:13, 14); “O nosso Deus pelejará por nós” (Ne 4:19, 20).
 
Os judeus poderiam ter parado a construção novamente por causa da persistente oposição, mas, em vez de serem dominados pelo medo, agarraram-se à promessa de que Deus pelejaria por eles. Quando encontramos oposição ao nome do Senhor, às nossas crenças ou ao que o Criador nos chama a fazer, devemos nos lembrar de que “Deus pelejará por nós”.
 
No fim, os judeus perceberam que o Senhor estava por trás do que eles estavam fazendo, e isso lhes deu coragem para seguir em frente.
 

 

Quinta-feira, 24 de outubro
Ano Bíblico: Lc 12-14
Fazendo uma “grande obra”
 
8. Leia Neemias 6:1-13. Por que Neemias via o seu trabalho em Jerusalém como uma “grande obra” (Ne 6:3)? Quais foram as tentativas para detê-lo?
 
O capítulo 6 de Neemias descreve muitos atentados contra a vida do servo de Deus. Sambalate e Gesém continuaram enviando cartas a Neemias a fim de levá-lo a procurá-los sob o pretexto de uma reunião. No entanto, o encontro deveria ocorrer na planície de Ono, que estava em território inimigo. Neemias percebeu a verdadeira intenção do convite. Sambalate, Tobias e Gesém viram uma janela de oportunidade que duraria apenas até que o muro fosse concluído, e os portões, fechados. Os judeus tinham a proteção do rei persa e, por isso, seus inimigos não poderiam vencê-los mediante um ataque frontal. Mas, se esses inimigos se livrassem do líder, impediriam o progresso da obra ou, até mesmo, provocariam a sua definitiva interrupção. Sambalate, Tobias e Gesém não desistiram. Mesmo que Neemias não respondesse, eles continuaram tentando. Deve ter sido frustrante para o servo de Deus ter que lidar com a oposição a cada momento. Ele lhes respondeu: “Estou fazendo grande obra” (Ne 6:3).
 
Pelos padrões do mundo, Neemias estava fazendo uma grande obra como copeiro do rei, visto que essa era uma ocupação de prestígio, uma das mais importantes da terra, em que ele servia como conselheiro do rei. Mas qual seria o propósito de construir uma cidade que estava em ruínas, que não tinha nenhuma importância aparente? Isso era o que ele chamava de grande obra? Neemias considerou a obra de Deus grande e mais importante do que sua carreira porque percebeu que a honra do nome de Deus estava em jogo em Jerusalém.
 
Além disso, quando Deus estabeleceu os serviços do santuário, Ele instituiu o sacerdócio. A fim de manter o santuário santo e especial para as pessoas, Ele permitiu que somente os sacerdotes realizassem os deveres dentro do templo. Temos dificuldade de ver a santidade de Deus; por isso, Ele tomou providências para ajudar os israelitas a entrar em Sua presença com reverência. Neemias sabia que o pátio do templo era para todos, mas não os aposentos interiores. Por suas palavras acerca do encontro no interior do templo, Semaías não só se mostrou falso profeta, sugerindo algo contrário à ordem de Deus, mas também se expôs como traidor.
 

 

Sexta-feira, 25 de outubro
Ano Bíblico: Lc 15-17
Estudo adicional
 
Textos de Ellen G. White: Profetas e Reis, p. 635-660 (“Os Reconstrutores do Muro”, “Condenada a Extorsão” e “Ciladas dos Pagãos).
 
“A oposição e o desencorajamento que os reconstrutores nos dias de Neemias tiveram que enfrentar da parte de inimigos declarados e falsos amigos são típicos da experiência dos que trabalham hoje para Deus. Cristãos são provados, não somente pela ira, desprezo e crueldade de inimigos, mas pela indolência, inconstância, frouxidão e deslealdade de pretensos amigos e auxiliares” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 644).
 
“Na firme devoção de Neemias à obra de Deus, e em sua confiança igualmente firme em Deus, está a razão da derrota dos seus inimigos em ­atraí-lo ao seu poder. A pessoa indolente facilmente cai presa da tentação; mas na vida que tem alvo nobre, propósito envolvente, o mal encontra pouco terreno. A fé de quem está constantemente avançando não se debilita; pois acima, embaixo e além, ele reconhece o Infinito Amor promovendo todas as coisas para realização do Seu bom propósito. Os verdadeiros servos de Deus trabalham com determinação que não falhará, porque estão na constante dependência do trono da graça” (Profetas e Reis, p. 660).
 
Perguntas para discussão
 
1. Coloque-se no lugar de Zorobabel, Josué e os outros líderes quando seus inimigos ofereceram ajuda. Eles fizeram bem em não aceitar a oferta. Como saber quando devemos colaborar com outros que não são da nossa fé? Quais critérios seguir?
 
2. É perigoso fazer concessões em relação à fé. A história de Israel até o cativeiro babilônico traz exemplos de transigência. Porém, o que ocorre quando alguns vão a extremos para evitar esse problema? Jesus foi ­acusado de transgredir o sábado (Jo 9:14-16). Seus acusadores não foram ao outro extremo, ao desejar matá-lo por causa das curas feitas no sábado? Como encontrar o equilíbrio?