Fotografo: Da Assessoria
...
Os músculos e vasos sanguíneos realizam contrações involuntárias para manter o corpo aquecido

Nesta tão aguardada chegada de dias com temperaturas mais baixas, quem nunca parou para se perguntar: “é impressão minha, ou sinto mais dores no frio?”. Talvez não seja apenas impressão. E embora ainda não haja comprovação científica, muitos profissionais da área da saúde acreditam que sim, há relação entre dor e frio.
 
De acordo com o fisioterapeuta Bernardo Sampaio, Diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata de Guarulhos, em baixas temperaturas, algumas alterações ocorrem no metabolismo. “Com o frio, os músculos e vasos sanguíneos realizam contrações involuntárias para manter o corpo aquecido e por conta destas contrações de defesa, aumentam as chances de tensões musculares e também de rigidez articular, dando a impressão de aumento de dores no inverno”.
 
Há quem diga que pessoas mais magras também sentem mais frio e consequentemente mais dores, pois acreditam que a camada de gordura do corpo possa aquecer, mas de acordo com o fisioterapeuta, isso é um mito. Para ele, a relação de sintomas dolorosos e a baixa temperatura não estão ligadas ao aumento ou diminuição de massa corpórea, mas sim, as atividades diárias realizadas pelos indivíduos. Pessoas sedentárias tendem a sentir mais dores, já que ficam na maior parte do tempo encolhidas para afastar o frio. 
 
Outros que podem ser prejudicados pelo frio, são os idosos que possuem uma maior rigidez articular. Para agravar, com as mudanças de temperatura há o excesso de contração muscular o que aumenta a rigidez e consequentemente diminui o aporte sanguíneo para a musculatura. “Esse mecanismo pode gerar desconforto. Em casos de idosos que já possuem doenças degenerativas como, por exemplo, as artroses, ou mesmo doenças reumáticas este fator metabólico é um ponto a se considerar, pois tais patologias têm como característica rigidez articular”, sinaliza o fisioterapeuta.
 
Podemos concluir que é possível que o aumento de sintomas de dor ocorra durante dias frios, mas cada caso é um caso, e nem sempre esse é o devido motivo. Assim, é sempre importante consultar um profissional. Mas para evitar possíveis desconfortos, o fisioterapeuta listou algumas dicas que podem ajudar a reduzir as dores nas articulações:
 
•Mantenha-se sempre aquecido;
•Se exercite, mesmo em casa. Isso reduz a pressão sobre as articulações, para que elas fiquem menos propensas a lesões;
 
•Mantenha um peso saudável para diminuir o estresse nas articulações, especialmente nos joelhos;
•Evite tensões desnecessárias nas articulações durante as atividades diárias;
•Aplique compressas quentes nas áreas doloridas do corpo. O calor ajuda a relaxar os músculos;
 
Bernardo Sampaio recomenda ainda a prática do Pilates para combater as "dores de frio", pois o método trabalha justamente com a mobilidade articular, fortalecimento e alongamento da musculatura do corpo. “Evite o imobilismo. Procure sempre se mexer ao longo do dia, estimular a circulação do nosso corpo é uma boa dica. Atividades aeróbicas também são benéficas”, finaliza.
 
Sobre Bernardo Sampaio: Fisioterapeuta (Crefito: 125.811-F), diretor regional da Associação Brasileira de reabilitação de coluna - ABR Coluna e diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata, de Guarulhos. Professor dos cursos de fisioterapia do Centro Universitário ENIAC (Guarulhos) e dos cursos de pós-graduação na Santa Casa de São Paulo e no Instituto Imparare. Possui experiência em fisioterapia ortopédica, traumatologia e esporte; e especialização em fisioterapia músculo esquelética, aprimoramento em membro superior e oncologia ortopédica pela Santa Casa de São Paulo. 
 
 
 
 
 
Sobre Bernardo Sampaio: Fisioterapeuta (Crefito: 125.811-F), diretor regional da Associação Brasileira de reabilitação de coluna - ABR Coluna e diretor clínico do ITC Vertebral e do Instituto Trata, de Guarulhos. Professor dos cursos de fisioterapia do Centro Universitário ENIAC (Guarulhos) e dos cursos de pós-graduação na Santa Casa de São Paulo e no Instituto Imparare. Possui experiência em fisioterapia ortopédica, traumatologia e esporte; e especialização em fisioterapia músculo esquelética, aprimoramento em membro superior e oncologia ortopédica pela Santa Casa de São Paulo.