Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Sexta-Feira, 26 de Fevereiro de 2021 - 10:28
11/02/2021 as 10:47:35 | Por Danilo Gato | 325
Como começar a investir do zero?
Investimentos são como ferramentas em uma caixa de ferramentas, que utilizamos para alcançar nossos objetivos financeiros
Fotografo: Da Assessoria
Danilo Gato é um educador financeiro, autor do livro “Aprenda a Investir seu dinheiro”

Essa é uma das dúvidas mais comuns de quem está começando e que recebo diariamente nas minhas redes sociais. O mercado de investimentos é complexo e é muito fácil ficarmos perdidos sem saber o que fazer primeiro.
 
Investimentos são como ferramentas em uma caixa de ferramentas, que utilizamos para alcançar nossos objetivos financeiros, então, na minha opinião, a primeira coisa que devemos fazer é entender os conceitos básicos e conhecer cada ferramenta para depois aprendermos como usá-las.
 
Então, idealizei um pequeno roteiro para quem está começando:
 
1 – Estudar os conceitos básicos: durante meus anos de experiência prestando consultoria no mercado financeiro, vi que muitos investidores com altas somas acumuladas cometem muitos erros e perdem dinheiro por não saberem conhecimentos básicos da área. Por isso, antes de começar, é preciso entender os principais conceitos básicos de investimentos, como planejamento financeiro básico, o que é taxa Selic, IPCA, CDI, qual o papel do plano de saúde e seguro de vida, o que é reserva de emergência etc.
 
2 – Estudar os principais investimentos de Renda Fixa e Renda Variável: existem duas categorias principais dos investimentos. Os de Renda Fixa são os mais conservadores (essa categoria engloba investimentos como Tesouro Direto, CDBs, LCIS, LCAs, entre outros) e os de Renda Variável são os mais arriscados, mas com maior potencial de ganhos futuros (essa categoria engloba investimentos como ações, fundos imobiliários, ETFs...). Precisamos conhecer muito bem o que são cada um deles, quais suas características, vantagens e desvantagens, para que possamos saber quando devemos utilizá-los quando formos montar nossas carteiras.
 
3 – Entender nosso perfil e definir nossos objetivos financeiros: essa é a parte que sempre percebo mais dificuldades quando estou ensinando meus alunos. Muitos deles acreditam que devemos apenas buscar os investimentos mais rentáveis e isso não é uma realidade. Cada investidor tem seu perfil de risco e precisa conhecê-lo para investir de forma saudável e sem frustrações. Além disso, cada pessoa tem seus objetivos pessoais prioritários. Alguns querem trocar de carro no próximo ano, outros querem se aposentar em 30 anos e outros querem pagar a festa de casamento em 2 anos. Para cada objetivo, as carteiras de investimentos recomendadas são diferentes e às vezes devemos abrir mão de investimentos mais rentáveis e arriscados se eles não forem compatíveis com os objetivos que definimos.
 
4 – Estudar estratégias de montagem de carteira de investimentos: normalmente, a melhor forma de conseguirmos uma boa relação entre risco e retorno é montarmos uma carteira diversificada de investimentos para nossos objetivos e não usarmos apenas um investimento isolado. Existem várias formas de fazer isso e devemos estudar as estratégias que funcionem melhor para o nosso estilo. Além disso, precisamos identificar quais são os investimentos compatíveis para os objetivos que definimos. Por exemplo, é sabido que investimentos de renda variável, como ações, oscilam muito no curto prazo de forma bastante imprevisível, então, se você tem um objetivo de prazo curto, provavelmente vai evitar usar esse tipo de investimento.
 
5 – Analisar e comprar os investimentos para a carteira: finalmente, depois de desenharmos nossa estratégia de carteira para nossos objetivos, vamos efetivamente comprar os investimentos para compor a carteira. Após isso, basta fazermos o acompanhamento, rebalanceamento e ajustes de carteira e estratégias conforme os movimentos do mercado.
 
Notem que investir efetivamente vem apenas ao final. Para evitarmos perder dinheiro e tomar decisões ruins no mercado, a parte do estudo e planejamento vem antes.
A princípio pode ser complexo, mas aprender a investir é mais simples do que parece e basta você se dedicar um pouco alguns meses para que possa colher resultados acima da média pelo resto da vida. Acredito que se vocês seguirem esse passo a passo vai facilitar muito o caminho de vocês rumo a prosperidade financeira.
 
*Danilo Gato  é um educador financeiro, autor do livro “Aprenda a Investir seu dinheiro”, criador do canal Finanças em desenho e possui mais de 5 anos de experiência atuando no mercado financeiro com planejamento de proteção financeira para mais de mil famílias e ensinando investidores a investir por conta própria através do seu curso de investimentos, que já conta com dezenas de alunos formados e capacitados a administrar seus próprios investimentos. Mais informações @financas_em_desenho




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil