Fotografo: Regis Duvignau/Reuters
...
Carlos Ghosn era presidente do conselho e CEO da Renault

O presidente do conselho e CEO da Renault, Carlos Ghosn, renunciou ao cargo. O anúncio foi feito pelo ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, em entrevista à Bloomberg nesta 5ª feira (24.jan.2018).
 
Ghosn está preso no Japão desde 19 de dezembro de 2018. Na 3ª feira (22.jan), a justiça japonesa negou 1 pedido de liberdade sob fiança do executivo.
 
O conselho de administração do Grupo Renault deve reunir-se ainda na 5ª feira para definir quem assumirá as funções de Ghosn. Ainda segundo a Bloomberg, o executivo deve ser substituído por Jean-Dominique Senard, diretor-executivo da Michelin, como presidente do conselho; e por Thierry Bolore, vice-presidente executivo da Renault, como CEO da empresa.
 
A prisão de Ghosn: entenda o caso
 
Carlos Ghosn, 64 anos, é 1 empresário brasileiro, nascido em Guajará-Mirim (RO), de ascendência franco-libanesa. Além do Grupo Renault, gerenciava a aliança da montadora com a Nissan e a Mitsubishi.
 
O empresário é creditado como responsável pela recuperação da Nissan. Em 1999, quando a empresa estava à beira da falência, Ghosn aplicou 1 plano que incluiu o fechamento de fábricas e a eliminação de 21.000 empregos.
 
O executivo foi preso em 19 de novembro no Japão, acusado de ocultar parte de sua renda e usar indevidamente ativos da Nissan para benefício pessoal. A suspeita é que Ghosn tenha transferido recursos da empresa para investimentos privados –teria desviado 1 total de US$ 14 milhões para uma empresa dirigida por 1 amigo na Arábia Saudita.
 
O caso abalou as perspectivas da aliança entre a Nissan, a Mitsubishi e a Renault. As 3 montadoras produzem, por ano, mais de 10 milhões de carros e contam com mais de 450 mil funcionários.