Fundada aos 14 de abril de 2006 pelo Jornalista Eraldo de Freitas - E-mails: redacao@sbcbrasil.com.br

Cidadão Repórter

(65)9966-5664
Várzea Grande(DF), Sexta-Feira, 26 de Fevereiro de 2021 - 09:40
15/01/2021 as 13:40:10 | Por R7 | 326
Bolsonaro diz que governo fez a sua parte na crise em Manaus
Presidente disse ter alocado "meios e recursos" para a capital amazonense, que sofre com hospitais lotados e falta de oxigênio
Fotografo: Carolina Antunes/PR
Bolsonaro em encontro com apoiadores em frente o Alvorada

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta sexta-feira, (15) a apoiadores que o governo federal fez a sua parte na crise sanitária ocosionada pela covid-19 em Manaus.
 
Hospitais estão lotados e há relatos de que pacientes estão morrendo asfixiados por falta de oxigênio, um insumo básico.
 
"Terrível o problema lá. Agora nós fizemos a nossa parte, com recursos, meios... Hoje as Forças Armadas alocaram para lá um hospital de campanha. O ministro da Saúde (Eduardo Pazuello) esteve lá na segunda-feira e providenciou oxigênio", afirmou Bolsonaro.
 
Mais cedo o vice-presidente, Hamilton Mourão, relatou que não havia como prever o colapso no sistema público de saúde de Manaus em função da nova cepa (variante) do coronavírus que circula na capital amazonense.
 
Cerca de 150 pacientes com covid-19 de Manaus (AM) começaram a ser transferidos para oito capitais brasileiras nesta sexta. A operação é coordenada pelo Ministério da Saúde e pelos governos estaduais e do Distrito Federal, com o objetivo é aliviar a rede hospitalar - pública e privada - da capital do Amazonas.
 
O presidente destacou ainda que Pazuello iniciou o tratamento precoce, com hidroxicloroquina e ivermectina, que "alguns criticam".
 
"Quem critica não toma, fique tranquilo. Estou com uma senhora de 90 e poucos anos de idade aqui. Se tiver um problema de vírus, vai se agravar pela idade. Se um médico não receitar o tratamento precoce, procure outro médico. Não tem efeito colateral. Se esperar sentir falta de ar, ir pro hospital pra ser intubado, mais ou menos 70% morrem. Vamos tomar cuidado agora."
 
Ambos os medicamentos não têm comprovação científica para tratamentos contra o novo coronavírus.
 
Bolsonaro voltou a falar que a vacinação contra a covid-19 não será obrigatória. "Não estou fazendo campanha contra a vacina. É uma vacina experimental, então, a obrigatoriedade fica sendo uma irresponsabilidade", analisou.
 
Durante a conversa em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente tossiu algumas vezes e um dos apoiadores brincou dizendo que ele estava com uma gripezinha.
 
"Quem falou em gripezinha não fui eu, foi o Drauzio Varella. Falei gripezinha para mim", respondeu.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil