Fotografo: Reprodução/ O Antagonista
...
Huck disse que "o Finame é um programa do BNDES de incentivo à indústria nacional, por isso financia os aviões da Embraer"

Com a alegação de que pretende ser mais transparente, o BNDES divulgou na noite desta segunda-feira, 19, uma lista de 134 empresas que contrataram financiamento do banco no período de 2009 a 2014 para a compra de jatos da Embraer. Entre essas empresas, está a Brisair, do empresário e apresentadore TV Luciano Huck, que obteve empréstimo de R$ 17 milhões em 2010.
 
A divulgação da lista cumpre promessa feita pelo presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira, em transmissão ao vivo em rede social. Ele disse que revelaria quem comprou jatinhos com recursos do banco, ao "abrir a caixa-preta" da instituição.
 
Um dia antes, Huck fez críticas ao governo durante evento em Vila Velha (ES), como mostrou o Estado. "Esse governo foi eleito de maneira democrática. Mas eu não acredito que a gente está vivendo o primeiro capítulo da renovação. Para mim, estamos vivendo o último capítulo do que não deu certo", disse o apresentador.
 
Bolsonaro não citou nomes, mas suas declarações foram interpretadas como uma referência à fala de Huck. "O anúncio vai expor gente que está dizendo que estamos no último capítulo do fracasso", declarou.
 
O BNDES destacou que a linha de crédito foi criada em 2009, como parte do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Nessa linha eram cobrados juros inferiores à Selic.
 
Em fevereiro do ano passado, quando Huck era cotado como presidenciável, o jornal Folha de S.Paulo publicou reportagem sobre a operação. À época, Huck disse que "o Finame é um programa do BNDES de incentivo à indústria nacional, por isso financia os aviões da Embraer".
 
Além dele, aparecem na lista empresas ligadas ao governador João Doria (que, via Doria Administração de Bens, financiou R$ 44 milhões em 2010); à JBS (R$ 39,7 milhões); a Michael Klein (R$ 77 milhões); e à família Moreira Salles (R$ 75,5 milhões), entre outros.
 
O governo de São Paulo informou em nota que não há irregularidade no financiamento. "A Embraer vendeu dezenas de jatos executivos e comerciais para empresas brasileiras e estrangeiras com financiamento do BNDES, gerando empregos e impostos para o Brasil. Nada errado nisto", diz o comunicado.
 
A JBS afirmou que "o financiamento atendeu normas legais e seguiu os parâmetros estabelecidos pela linha BNDES Finame". A assessoria de Michael Klein disse que "o empresário adquiriu a aeronave pela CB Air em meados de 2015, quando assumiu a dívida do comprador junto ao BNDES".
 
Procurados pela reportagem, Huck e a família Moreira Salles não responderam até a noite desta segunda-feira.
 
 
 
Fernanda Nunes e Fábio Grellet/
Estadão Conteúdo