Fotografo: CPB
...
Apostasia do povo

Lição 11
07 a 13 de dezembro
 
Sábado à tarde
Ano Bíblico: 2 Tessalonicenses
 
VERSO PARA MEMORIZAR: “Também mandei aos levitas que se purificassem e viessem guardar as portas, para santificar o dia de sábado. Também nisto, Deus meu, lembra-Te de mim; e perdoa-me segundo a abundância da Tua misericórdia” (Ne 13:22).
 
LEITURAS DA SEMANA: Ne 13:1-22; Dt 23:3-6; Nm 18:21-24; Jo 5:5-16
 
No intervalo entre os capítulos 12 e 13, Neemias voltou para a Babilônia. Embora não saibamos quanto tempo ele ficou lá, quando retornou a Jerusalém (por volta de 430-425 a.C.), os judeus haviam apostatado da fé. Eles tinham feito uma aliança com Deus quanto a diversos assuntos: primeiramente, não se casar com idólatras; em segundo lugar, observar cuidadosamente o sábado; e, por fim, cuidar do templo e de seus funcionários mediante os dízimos e ofertas (Ne 10). Apesar disso, eles haviam desonrado as três promessas.
 
Neemias percebeu a negligência na devoção. As pessoas tinham deixado de devolver os dízimos e as ofertas, começaram a usar os aposentos do templo para outros propósitos, deixaram de guardar o sábado apropriadamente e estavam se casando com estrangeiros. E, ainda pior, os líderes escolhidos por Neemias contribuíram para o declínio do relacionamento dos israelitas com Deus! Não é de admirar que Neemias tenha ficado arrasado ao ver o quanto as coisas haviam mudado. No entanto, em vez de aceitar esse fato, mais uma vez, conforme seu caráter exigia, ele agiu em prol da glória de Deus.

Domingo, 08 de dezembro
Ano Bíblico: 1 Timóteo
Liderança do templo corrompida
 
Neemias 13 começa com a preocupação acerca dos amonitas e moabitas, estrangeiros e idólatras, no meio de Israel (Ne 13:1-3). Esses versos não falam de afastar indivíduos simplesmente por serem de uma nação ou etnia diferente, mas referem-se à recomendação de mandar embora os que tinham uma fé diferente, pois não eram convertidos, adoravam idólos e não seguiam a Deus (veja também Dt 23:3-6).
 
1. Leia Neemias 13:1-9. Quem eram Eliasibe e Tobias? Por que a postura deles era inaceitável? Ne 2:10, 19; 3:1; 12:10, 22; 13:28
 
Tobias e Eliasibe são figuras conhecidas no livro de Neemias. Eliasibe era o sumo sacerdote da nação e estava encarregado do templo. Tobias, amonita, foi mencionado como o inimigo que se opôs veementemente à obra que Neemias empreendeu em Jerusalém. A aliança entre Eliasibe e Tobias envolveu um relacionamento estabelecido por meio de casamento.
 
Mesmo que os registros da ligação matrimonial não tenham sido preservados, sabe-se que Tobias tinha um nome judaico (que significava
“o Senhor é bom”) e, portanto, provavelmente tinha origem judaica. Acredita-se que a família de sua esposa, os descendentes de Ará, embora não identificada, tivesse uma relação de parentesco com Eliasibe. Além disso, Sambalate, o horonita, outro adversário de Neemias, tinha uma filha que era casada com o neto de Eliasibe. Portanto, o círculo de intrigas em torno de Neemias deve ter sido intenso, uma vez que os oficiais da mais alta hierarquia da nação eram aparentados e estavam em uma aliança contra sua liderança.
 
Durante a ausência do governador, o sumo sacerdote concedeu a Tobias um dos aposentos do templo, designado à guarda do dízimo, das dádivas e das ofertas. Tobias recebeu residência permanente no templo, o que foi uma maneira de estabelecê-lo como um dos líderes da nação. Os inimigos de Neemias finalmente haviam conseguido o que eles sempre desejaram: destituir o servo de Deus e assumir o controle. Felizmente, o homem de Deus reagiu a essa situação.
 

 

Segunda-feira, 09 de dezembro
Ano Bíblico: 2 Timóteo
Os levitas nos campos
 
 
2. De acordo com Neemias 13:10-14, o que o servo de Deus buscou remediar? Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) A dor e a pobreza das viúvas e dos órfãos.
 
B. (  ) A escassez dos levitas, que fugiam para o campo porque não havia mais sustento para eles no templo.
 
Cantores, porteiros e outros servos do templo tiveram que voltar a trabalhar nos campos para alimentar seus familiares, visto que a obra de Deus não estava sendo sustentada. Todo o sistema de dízimos e ofertas, que havia sido estabelecido de modo tão meticuloso, agora estava em ruínas. Neemias teve que começar de novo. O ato de atirar todos os móveis para fora do aposento revela desespero (Ne 13:8).
 
“Não somente o templo havia sido profanado, mas as ofertas tinham sido mal-empregadas. Isso estava desencorajando a liberalidade do povo. Haviam perdido seu zelo e fervor e relutavam em entregar o dízimo. A tesouraria da casa do Senhor estava pobremente suprida; muitos dos cantores e outros empregados nos serviços do templo, não recebendo sustento suficiente, haviam deixado a obra de Deus para trabalharem em outras partes” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 670).
 
É impressionante ver que todo o povo de Judá se reuniu novamente e reconstruiu o que havia sido destruído. As pessoas estavam do lado de Neemias, opondo-se a Tobias e a Eliasibe, porque devem ter percebido que o servo de Deus fez tudo o que pôde para o benefício delas. Além disso, o governador confiou os cargos de superintendentes do templo a homens que ele considerava fiéis e confiáveis. Eles receberam a tarefa de coletar os dízimos e as ofertas, certificando-se de que as mercadorias fossem armazenadas adequadamente e distribuindo os recursos para os grupos apropriados. Em outras palavras, parece que o corrupto sistema de liderança foi extirpado de uma só vez.
 
Embora Neemias tivesse nomeado homens fiéis para a organização do templo, o corrupto Eliasibe, sumo sacerdote, não perdeu sua posição, pois ela havia sido transmitida mediante a descendência de Arão. Sua obra no templo pode ter sido prejudicada porque outras pessoas foram nomeadas para administrar algumas responsabilidades do sumo sacerdote; no entanto, ele ainda mantinha essa função.
 

 

Terça-feira, 10 de dezembro
Ano Bíblico: Tito
Dízimos e ofertas
 
 
As reformas de Neemias nos serviços do templo incluíram a implementação dos dízimos e ofertas.
 
3. Leia Números 18:21-24, Malaquias 3:10, Mateus 23:23, 1 Coríntios 9:7-14, 2 Coríntios 9:6-8 e Hebreus 7:1, 2. Qual é a importância dos dízimos e ofertas, não apenas no serviço do templo, mas atualmente? Assinale a alternativa correta:
 
A. (  ) Os dízimos e ofertas sustentam os servos do Senhor.
 
B. (  ) O sistema de dízimos foi importante apenas para o antigo Israel.
 
Sem o recolhimento dos dízimos e ofertas, o templo não podia funcionar. Quando o povo parou de devolver os dízimos, os serviços no templo foram arruinados, e todo o sistema de adoração estava em risco. Visto que os funcionários do templo saíram para procurar outros empregos a fim de sustentar sua família, eles não conseguiam se concentrar nos cuidados do templo. Consequentemente, a adoração a Deus foi reduzida.
 
“O sistema de dízimos é belo em sua simplicidade. Sua justiça é revelada pela aplicação proporcional sobre o rico e o pobre. Na mesma proporção em que Deus nos concedeu o uso de sua propriedade, devemos Lhe retribuir o dízimo. Quando Deus reclama para Si o dízimo (Ml 3:10), Ele não apela para a nossa gratidão ou generosidade. Embora a gratidão deva fazer parte de todas as nossas expressões dirigidas a Deus, dizimamos porque Deus nos ordenou fazê-lo. O dízimo pertence ao Senhor, e Ele requer que Lhe devolvamos” (Nisto Cremos, 2003, p. 304).
 
Assim como ocorreu com o templo israelita, nossa igreja entraria em decadência sem o sustento dos dízimos e ofertas. Os cultos e serviços da igreja não funcionariam sem pessoas pagas para dedicar tempo a um ministério de qualidade, ao planejamento e à administração da igreja para Deus. A excelência da adoração a Deus também diminuiria. Mais importante ainda, sem os dízimos e ofertas, não existiria evangelismo.
 
Além disso, devolvemos o dízimo porque Deus estabeleceu esse sistema na Bíblia. Há ocasiões em que o Senhor não precisa explicar por que estabeleceu algo. O Criador espera que confiemos que Ele está no controle. Devemos estar informados sobre como o sistema funciona, mas, depois disso, precisamos confiá-lo aos cuidados do Pai celestial.
 

 

Quarta-feira, 11 de dezembro
Ano Bíblico: Filemom
Pisando os lagares de vinho no sábado
 
 
4. Leia Neemias 13:15, 16. De qual problema ele tratou nessa passagem? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
 
A. (  ) Da fome em Jerusalém.
B. (  ) Dos que pisavam lagares e vendiam peixes e mantimentos no sábado.
 
Não é fácil defender a Deus quando estamos em minoria. Visto que Ele havia dito que o sábado devia ser um dia santo no qual ninguém deveria fazer nenhum trabalho, Neemias pretendia assegurar que esse mandamento fosse seguido em Jerusalém. Evidentemente, ele sentiu a obrigação moral de assumir uma posição e agir de acordo com ela.
 
O sábado foi criado como o auge da semana da criação, porque é um dia especial em que as pessoas são renovadas e recriadas ao passar tempo com Deus de uma forma que não podem fazer quando estão envolvidas em ocupações e atividades seculares.
 
Dizem que “mais do que Israel guardava o sábado, o sábado guardava Israel”. O sétimo dia, o sábado, era e é um poderoso meio de ajudar a manter a fé dos que, pela graça de Deus, buscam observá-lo e desfrutar os benefícios físicos e espirituais que ele oferece.
 
5. O que Neemias fez para impedir a “compra e venda” no sábado? Ne 13:17-22
 
Em razão de Neemias ser o governador de Judá, ele se sentia responsável por executar as regras. A base das normas da nação era a Lei de Deus. Por isso, ele se tornou guardião da Lei, o que incluía o sábado. Se os nobres de Judá tivessem enfrentado a corrupção trazida pelo sumo sacerdote, ele talvez não se encontrasse nessa situação. No entanto, talvez os governantes e os nobres já estivessem ressentidos com o servo de Deus porque ele os tinha feito restituir os recursos dos pobres que haviam sido explorados; assim, eles também não se opuseram às mudanças que Eliasibe e Tobias implementaram.
 
Neemias primeiramente repreendeu os nobres e, depois, ordenou que os portões fossem fechados e que se pusessem servos para guardá-los. Quando o mercado simplesmente se mudou para fora da cidade, ele tomou medidas ainda mais drásticas e ameaçou prender os mercadores (Ne 13:21, NVI). Neemias foi um homem de palavra, pois a partir desse momento os comerciantes se afastaram.
 

 

Quinta-feira, 12 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 1-3
Seus pais não fizeram assim?
 
 
O zelo de Neemias pelo sábado é admirável. Ele tinha tanto entusiasmo por observar corretamente o dia do Senhor que até prometeu “prender” (NVI) os mercadores de outras nações. Em outras palavras, ele teria agido pessoalmente se os tivesse surpreendido novamente dentro da cidade ou nos portões em dia de sábado. Como governador, ele tinha a responsabilidade oficial de garantir que o mandamento fosse cumprido.
 
“Neemias destemidamente os repreendeu por sua negligência do dever. ‘Que mal é este que fazeis, profanando o dia de sábado?’, ele inquiriu asperamente. ‘Porventura, não fizeram vossos pais assim, e nosso Deus não trouxe todo este mal sobre nós e sobre esta cidade? E vós ainda mais acrescentais o ardor de Sua ira sobre Israel, profanando o sábado’. E ­ordenou-lhes então que ‘dando das portas de Jerusalém já sombra antes do sábado’ (Ne 13:17-19, ARC), fossem elas fechadas, e não mais se abrissem até passado o sábado; e tendo mais confiança em seus próprios servos do que naqueles que os magistrados de Jerusalém pudessem apontar, ele os colocou nas portas da cidade para que as suas ordens fossem ­executadas” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 671, 672).
 
A advertência de Neemias sobre a profanação do sábado, juntamente com outras exortações sobre a transgressão desse dia, parece ter ecoado através dos séculos até o tempo de Jesus. Sabemos disso porque os evangelhos repetidamente retratam Jesus em um embate com os líderes religiosos sobre a devida guarda do sábado.
 
6. Leia Mateus 12:1-8, Marcos 3:1-6, Lucas 6:6-11 e João 5:5-16. Qual foi o problema mencionado nessas passagens? Uma compreensão da história do antigo Israel ajuda a explicar a razão do surgimento do conflito?
 
Em seu equivocado zelo para evitar a “profanação” do sábado, os líderes religiosos eram tão fanáticos que acusaram Jesus, o “Senhor do sábado”
(Lc 6:5), de transgredi-lo. Realmente, na tentativa de defender uma coisa boa, eles foram longe demais! A ironia é que, enquanto muitos desses homens expressavam grande preocupação com a Lei, esqueciam seus preceitos mais importantes: “a justiça, a misericórdia e a fé” (Mt 23:23).
 

 

Sexta-feira, 13 de dezembro
Ano Bíblico: Hb 4-6
Estudo adicional
 
 
Texto de Ellen G. White: Caminho a Cristo, p. 115-126 (“Regozijo no Senhor”).
 
“Sendo-lhes apresentadas as leis e ameaças de Deus, e os terríveis juízos que visitaram Israel no passado por causa desse mesmo pecado, sua consciência foi despertada, e teve início uma obra de reforma que desviou a ira ameaçadora de Deus e recebeu Sua aprovação e bênção.
 
“Houve alguns no sagrado ofício que pleitearam por suas esposas pagãs, declarando que não poderiam separar-se delas. Mas nenhuma distinção foi feita; nenhuma consideração foi mostrada por classe ou categoria. Entre os sacerdotes ou chefes, quem quer que recusasse cortar sua relação com idólatras era imediatamente separado do serviço do Senhor. Um neto do sumo sacerdote, havendo se casado com uma filha do famigerado Sambalate, não foi apenas removido do ofício, mas prontamente banido de Israel. ‘Lembra-Te deles, Deus meu’, Neemias orou, ‘pois contaminaram o sacerdócio, como também a aliança sacerdotal e levítica’” (Ne 13:29; Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 673, 674).
 
Perguntas para discussão
 
1. Com base nessa citação de Ellen G. White, por que Neemias não fez exceção, no caso dos que amavam suas esposas e não desejavam se separar delas? Será que ele não foi muito duro e inflexível? Como a igreja pode exercer disciplina com amor e, ao mesmo tempo, ser coerente com os padrões da verdade?
 
2. Embora saibamos que não há nada de legalismo em guardar o sábado, assim como não há nada de legalismo em não cobiçar, roubar ou mentir, como podemos ter cuidado para não tornar a guarda do sábado (ou a obediência a qualquer mandamento) uma atitude legalista? Manter sempre na mente o que Cristo fez por nós na cruz seria a proteção mais poderosa contra a armadilha do legalismo?
 
3. Como se proteger contra os perigos da lenta, mas constante transigência, como a que Neemias enfrentou?
 
Respostas e atividades da semana: 1. Eliasibe era o sumo sacerdote de Israel; ele cuidava do templo. Tobias sempre foi descrito no livro de Neemias como inimigo dos israelitas. Ele era amonita e havia tentado interromper a obra da construção do templo e dos muros. Eliasibe construiu no templo uma câmara grande para Tobias, onde antes eram guardados os utensílios do templo, as ofertas de manjares e os dízimos. Isso foi inaceitável, pois Tobias, além de ser amonita, era inimigo declarado dos israelitas. 2. B. 3. A. 4. F; V. 5. Ele ordenou que, ao pôr do sol de sexta, todas as transações comerciais fossem proibidas e colocou guardas para vigiar as portas da cidade para que nenhuma mercadoria entrasse ou saísse. 6. Em todas essas passagens, Jesus aparece “transgredindo” o sábado, de acordo com os fariseus. Em seu fanatismo, eles acusaram Jesus de violar o mandamento do sábado. Entendendo o zelo do antigo Israel pela guarda do sábado, podemos perceber que esses fariseus exageraram.